OS PAPAS E A CONSAGRAÇÃO DA RÚSSIA

Nossa Senhora, na terceira aparição em Fátima, em 13 de julho de 1917, falou pela primeira vez sobre a consagração da Rússia e a comunhão reparadora. Nestes termos ela oferecia o único remédio decisivo e eficaz contra os males do mundo atual:

Deus quer estabelecer no mundo a devoção ao meu Imaculado Coração. Se fizerem o que Eu vos disser, salvar-se-ão muitas almas e terão paz. A guerra vai acabar, mas se não deixarem de ofender a Deus, no reinado de Pio XI começará outra pior […]. Para a impedir, virei pedir a consagração da Rússia ao meu Imaculado Coração e a comunhão reparadora nos primeiros sábados. Se atenderem a meus pedidos, a Rússia se converterá e terão paz; se não, espalhará seus erros pelo mundo, promovendo guerras e perseguições à Igreja; os bons serão martirizados, o Santo Padre terá muito que sofrer, várias nações serão aniquiladas; por fim, o meu Imaculado Coração triunfará. O Santo Padre consagrar-Me-á a Rússia, que se converterá, e será concedido ao mundo algum tempo de paz.

Nossa Senhora retornou anos mais tarde, conforme havia prometido, a fim de pedir a consagração da Rússia. Aconteceu o retorno em 13 de junho de 1929, em Tui, na Espanha, no convento das Irmãs Doroteias, onde Lúcia ingressara:

É chegado o momento em que Deus pede ao Santo Padre fazer, em união com todos os bispos do mundo, a consagração da Rússia ao meu Imaculado Coração, prometendo salvá-la por este meio. São tantas as almas que a Justiça de Deus condena por pecados contra Mim cometidos, que venho pedir reparação; sacrifica-te por esta intenção e ora.

A Santíssima Virgem é clara na indicação de que se não deve consagrar nem o mundo nem outro país qualquer ao Seu Imaculado Coração, mas tão-somente a Rússia.

Não existe outro pedido explícito de consagração nas mensagens de Fátima, Pontevedra e Tui, recebidas entre 1917 e 1929 por Irmã Lúcia, a qual tem absoluta certeza de haver transmitido com fidelidade as palavras de Nossa Senhora. Atesta-o Pe. Alonso, o grande especialista oficial de Fátima:

De fato, Lúcia, em 1917, desconhecia a realidade político-geográfica da Rússia, desconhecia até mesmo o nome do país. Interrogada por seu diretor, o Pe. Gonçalves, para que esclarecesse como chegou ao conhecimento da Rússia ou porque se recordara do nome da Rússia, e para que transmitisse o que Nossa Senhora lhe pedira na aparição de julho, respondeu Lúcia: “Até então, só tinha ouvido falar dos galegos e dos espanhóis, não sabia o nome de nenhum país. Mas o que percebíamos durante as aparições de Nossa Senhora ficava de tal modo gravado em nós que nunca esqueceríamos. Por isso é que eu sei bem, e com certeza, que Nossa Senhora falou expressamente da Rússia em julho de 1917” (Por eso es que yo sé bien, y con certeza, que Nuestra Señora hablo expresamente de Rusia, en julio de 1917)[1].

Nos escritos acerca da consagração, Irmã Lúcia menciona apenas a Rússia. Veja-se por ex. a carta que ela[2] enviou ao Papa Pio XI em março de 1937, em que ademais vinculava a consagração da Rússia à devoção reparadora dos primeiros sábados:

O bom Deus promete terminar a perseguição na Rússia, se Vossa Santidade se dignar fazer e mandar que o façam igualmente os Bispos do mundo católico, um solene e público ato de reparação e consagração da Rússia aos Santíssimos Corações de Jesus e de Maria, e aprovar e recomendar a prática da devoção reparadora[3].

Por que a Rússia?

A Rússia é o maior país do mundo, contando atualmente com 17 milhões de quilômetros quadrados e 140 milhões de habitantes. Distâncias inauditas separam os pontos extremos do território: dez mil quilômetros entre Vladvostok a leste e a fronteira polonesa a oeste (onze fusos horários); dois mil, de norte a sul. Dezenas de povos de línguas diferentes o habitam e constituem um como epítome da humanidade. Em suma, é lícito afirmar que a Rússia é o maior império do mundo em continuidade territorial[4].

Já no séc. XIX escrevia Dom Guéranger:

A cada dia aumenta o poderio dos eslavos separados da Igreja Católica. Emancipadas do jugo muçulmano, formaram-se jovens nações naquela espécie de arquipélago, que são os Balcãs, […] a direção moral e religiosa dessas nações ressuscitadas pertence à Rússia. Aproveitando as vantagens com a useira habilidade, ela estende cada vez mais sua influência no Oriente. Na Ásia seus progressos são ainda mais prodigiosos. O tzar, que no fim do séc. XVII comandava apenas 30 milhões de homens, hoje em dia governa 125 milhões; e com a só progressão normal duma população fecundíssima, em menos de 50 anos contará o império com mais de 200 milhões de súditos.

Para infelicidade da Rússia e da Igreja, tal força se deixa guiar por superstições[5].

Força é ainda não esquecer a cismática Igreja russa de Moscou, que se julga a si a terceira Roma. Já declarava o metropolitano Zózimo (1462-1533), no cânon pascal de 1492: “Cairam duas Romas[6], Moscou há de ser a terceira, e quarta não haverá”. Desde então vem se fortalecendo a idéia da terceira Roma. Em 1512 o monge Filotéio de Pskov, em A História do Mundo, dava ao cap. XII do Apocalipse esta interpretação espantosa:

A mulher vestida de sol […] abandonará a velha Roma, por causa dos ázimos[7]. […] Ela foge para a nova Roma, mas lá também não encontrará a paz[8]; foge então para a terceira Roma, que se localiza na grande e nova Rússia; agora a Igreja una e apostólica resplende por todo o universo, mais brilhante que o sol, e somente o tzar a guia e protege.

Ivan III o Grande (1462-1533) e Ivan IV o Terrível (1533-1584) estimularam bastante essa idéia[9].

Por isso não é acaso que o inimigo do gênero humano tenha escolhido a Rússia como ponto de partida para “disseminar sobre o planeta as instituições e os costumes do ateísmo[10]”.

Mas Deus, como de costume, voltará contra satã o plano diabólico: o instrumento de nossa infelicidade, depois da conversão, tornar-se-á instrumento de catolicização no mundo inteiro. Novamente Dom Guéranger:

A Rússia católica é o fim do islã e o triunfo definitivo da Cruz no Bósforo, sem riscos para a Europa; é o Império Cristão do Oriente elevado a um esplendor e poder inauditos; é a Ásia evangelizada, não mais por curas pobres e isolados, mas secundados por uma autoridade superior a de Carlos Magno. Enfim, trata-se da grande família eslava reconciliada na unidade de fé e aspirações de grandeza. Esta transformação será o maior acontecimento do século que há-de testemunhá-lo e mudará a face da terra[11].

Depois de o Papa consagrar a Rússia ao Imaculado Coração de Maria em união com os bispos do mundo inteiro, a Virgem Maria encarregar-se-á pessoalmente da conversão da Rússia[12].

Alcance teológico da consagração da Rússia

Numa carta ao diretor espiritual, de 18 de maio de 1936, escrevia Irmã Lúcia as linhas seguintes:

Intimamente, tenho falado com Nosso Senhor sobre o assunto [da consagração da Rússia]; e há pouco perguntava-Lhe por que não convertia a Rússia sem que Sua Santidade fizesse essa consagração. “Porque quero que toda a minha Igreja reconheça essa consagração[13] como um triunfo do Imaculado Coração de Maria, para depois estender o seu culto e pôr, ao lado da devoção do meu Divino Coração, a devoção deste Imaculado Coração.” Mas, meu Deus, o Santo Padre não me há-de crer, se Vós mesmo não o moveis com uma inspiração especial. “O Santo Padre! Ora muito pelo Santo Padre! Ele há de fazê-la, mas será tarde! No entanto, o Imaculado Coração de Maria há-de salvar a Rússia. Está-Lhe confiada[14].

Deus quer a espetacular conversão da Rússia mediante a Consagração ao Imaculado Coração de Maria, para que se estabeleça no mundo esta devoção de par com a devoção ao Sacratíssimo Coração de Jesus. Demais a mais, Nossa Senhora reiterara tal vontade em 13 de maio de 1917 ([“Jesus”] quer estabelecer no mundo a devoção a meu Imaculado Coração”.) e em 13 de julho do mesmo ano (“Deus quer estabelecer no mundo a devoção a meu Imaculado Coração.”)

Nosso Senhor almeja glorificar aos olhos do mundo Aquela com quem Ele se associou para o cumprimento da obra da salvação: eis o sentido da devoção reparadora dos primeiros sábados, cujo objetivo é reparar os pecados cometidos contra o Coração de Maria; eis também o sentido da consagração da Rússia e do poder atribuido ao Imaculado Coração para alcançar a vitória final: “Por fim, o meu Imaculado Coração triunfará.”

O Coração por que se deu o primeiro passo da salvação (o Fiat de Maria no dia da Anunciação) é agora a última oportunidade de salvação que se oferece à humanidade.

Caso os homens respondam ao triplo chamado de Fátima (conversão pessoal, devoção reparadora e consagração da Rússia), a justiça divina, que hoje pune o mundo com guerras, calamidades e toda casta de perseguições contra a Igreja, dará lugar à misericórdia que num átimo acabará com tais provações e concederá algum tempo de paz. Enquanto os homens continuem surdos aos chamados do Céu, as desgraças hão de continuar e aumentar.

A comunhão reparadora e a consagração da Rússia lograrão uma prodigiosa efusão da misericórdia divina, comparável às bênçãos agregadas às indulgências[15]: os atos que Nossa Senhora nos pediu são como que condições, cujo cumprimento nos alcança uma indulgência de dimensões mundiais.

A consagração da Rússia se remete à teologia da Aliança: “Se guardardes a minha Aliança, disse Iavé aos Hebreus, […] vós sereis para mim um povo de sacerdotes e uma nação consagrada” (Ex 19, 5-6). Nosso Senhor, no momento de oferecer-se ao Pai no sacrifício da Nova Aliança, disse aos discípulos: “Por eles, eu me santifico a mim, a fim de que sejam santificados na verdade” (Jo 17, 19). Consagrar e santificar são sinônimos. Quem consagra a Deus, santifica; a consagração oferece a Deus um objeto, comparticipando-o de Sua santidade. Ao consagrar a Rússia ao Imaculado Coração de Maria, e por este a Nosso Senhor, o Papa confiá-la-ia à ação da Misericórdia redentora, e recolocaria o triste país nos trilhos da conversão e da santificação. Compreende-se que a Rússia – outrora símbolo da independência em face de Deus, instrumento ativo e primeira vítima do processo de ateisação do mundo moderno – necessite, para que se cure, duma consagração especial que a reporá nos trilhos da dependência, de que nunca deveria ter saído. Como a consagração estará aos cuidados de Maria, esse ato também será a reafirmação solene da mediação universal de Nossa Senhora – mediação esta que é objeto da zombaria dos modernistas (e esta não é nem de longe a pior blasfêmia dirigida à Virgem).

Mas é lícito uma pessoa consagrar outrem a Deus? Não pressupõe a consagração o livre assentimento? Entende-se a objeção, mas Leão XIII a contestou na encíclica Annum Sacrum, de 25 de maio de 1899, que anunciava a consagração do mundo inteiro ao Sacratíssimo Coração de Jesus:

A sua autoridade não se estende somente aos povos que professam a fé católica e àqueles que, validamente batizados, pertencem por direito à Igreja (ainda que os erros doutrinais os mantenham afastados dela ou dissensões infrinjam os vínculos da caridade). […] Nós ocupamos no lugar daquele que veio salvar o que estava perdido e deu o seu sangue pela salvação de todos os homens. Eis porque nossa solicitude está continuamente dirigida àqueles que ainda jazem na sombra da morte […] comovidos pelo seu destino, recomendamo-los vivamente ao Sacratíssimo Coração de Jesus e, no que nos diz respeito, consagramo-los a ele[16].

Em primeiro lugar, a consagração é reconhecimento de pertença: consagrar algo ou alguém a Deus é reconhecer o domínio soberano de Deus sobre a pessoa ou coisa. O compromisso assumido no ato é apenas consequência desta pertença. No caso da consagração da Rússia, quem se compromete em nome do país consagrado é o responsável por sua salvação eterna – o Papa. Nossa Senhora solicita um ato solene, realizado em união com os bispos do mundo inteiro, que desta sorte reconhecerão a primazia e o poder supremo do soberano pontífice.

A mediação de Maria, pela qual se há de fazer a consagração, traz à lembrança que agora o homem está chamado a cooperar na efusão da misericórdia divina; foi o Imaculado Coração de Maria a resposta mais perfeita que uma criatura já deu ao plano da salvação inaugurado por Deus, e é este Coração o modelo perfeitíssimo da correspondência às graças que Deus quer derramar sobre a pobre Rússia para salvá-la[17].

Infelizmente os sucessores de São Pedro se mostraram mui reticentes ao cumprimento deste plano.

A Recusa de Pio XI

Entre setembro de 1930 e agosto de 1931, certamente Pio XI tomou conhecimento dos pedidos celestes sobre a devoção e a consagração da Rússia[18].

Todavia, o Papa Pio XI, ao lado das democracias ocidentais, estava comprometido desde 1922 com a política de abertura do leste, já esboçada por Bento XV[19]. Ademais o Papa fez esta declaração assustadora: “Quando se trata de salvar alguma alma e impedir os grandes males que as põem a perder, Nós sentimos coragem de discutir com o diabo em pessoa[20].” Entretanto este não foi o pedido de Nossa Senhora.

A resposta ao pedido da Consagração da Rússia foi o silêncio; a partir de 1930-31, o Papa calou até mesmo as alusões aos acontecimentos de Fátima.

Depois da recusa do Papa Pio XI, Nosso Senhor disse à Irmã Lúcia, numa comunicação íntima em agosto de 1931, em Rianjo[21]:

Participa aos Meus ministros que, dado seguirem o exemplo do rei de França na demora em executar o Meu mandato, tal como a ele aconteceu, assim o seguirão na aflição [22].

Empreendeu-se nova tentativa no final de março de 1937: Mons. Corrêa da Silva, bispo de Leiria-Fátima, escreveu diretamente ao Papa, que acabava de lançar a magnífica encíclica Divini Redemptoris (de 19 de março de 1937). Parece que esclarecido pelos fracassos nas negociações com o que chamava de “o triângulo terrível”, il terribile triangolo[23], o Papa mudava de atitude e declarava com firmeza:

O comunismo é intrinsecamente perverso e não se pode admitir em campo nenhum a colaboração com ele, da parte de quem quer que deseje salvar a civilização cristã [24].

O momento parecia favorável à consagração da Rússia, mas a única resposta foi um silêncio semelhante ao de 1930-1931.

Se o Papa houvesse obedecido aos pedidos celestes, certamente a Rússia converter-se-ia e não aconteceriam a II Guerra Mundial nem a assustadora expansão do comunismo.

Bem ao contrário, foi no pontificado de Pio XI que Moscou começara a instruir os partidos comunistas para que enviassem militantes aos seminários católicos, a fim de infiltrar a Igreja e miná-la por dentro[25].

É perigoso ignorar os planos celestes de salvação e as manobras do inimigo.

As consagrações incompletas de Pio XII

Pio XI morreu em 10 de fevereiro de 1939.

Em 21 de janeiro de 1940 Irmã Lúcia propôs ao confessor, o Pe. Gonçalves, renovasse ante a Santa Sé o pedido de Consagração da Rússia. Em abril de 1940 transmitiram o recado a Pio XII. Pensava Pe. Gonçalves que o Papa realizaria a consagração em maio; era lícito esperar tal atitude do novo pontífice, pois que ele era mui devoto da Santíssima Virgem e benevolente às aparições de Fátima. Mas não houve reação em Roma.

A consagração do mundo de 1942

Por iniciativa do Mons. Manuel Ferreira, bispo titular de Gurza, decidiram os diretores espirituais de Lúcia em setembro e outubro de 1940 intentar um novo esforço perante o Santo Padre, apresentando-lhe um requerimento mais factível: a consagração do mundo, com especial menção à Rússia[26]. Mons. Ferreira ordenou Lúcia a escrever ao Papa Pio XII e formular este novo pedido que, sendo diferente do de Nossa Senhora, mergulhou-a em grande perplexidade. Em busca de nova luz Irmã Lúcia recorreu instante à oração. Eis a narração do fato:

22 de outubro de 1940. Recebi uma carta do Pe. Gonçalves e do bispo de Gurza, ordenando-me a escrever a Sua Santidade… Neste sentido, passei duas horas diante de Nosso Senhor exposto [e recebi a seguinte revelação]:

“Reza pelo Santo Padre, sacrifica-te para que o coração dele não sucumba sob a amargura que o oprime. A tribulação continuará e aumentará. Eu punirei os crimes das nações com a guerra, a fome e a perseguição à minha Igreja, que pesará especialmente sobre meu Vigário sobre a terra. Sua Santidade conseguirá que esses dias de tribulação sejam abreviados se ele obedecer aos meus desígnios e fazer o ato de consagração do mundo inteiro, com especial menção à Rússia, ao Imaculado Coração de Maria[27].

A revelação de outubro de 1940 e as dirigidas a Alexandrina Maria da Costa aparecem como o derradeiro instrumento de resgate que apresentou a misericórdia divina ante a persistente desobediência da autoridade suprema da Igreja à mensagem de Fátima. Para este pedido novo e secundário promete-se novo fruto, mui inferior àquele do pedido principal: a abreviação da grande calamidade que Nossa Senhora anunciou em 13 de julho de 1917 – a II Guerra Mundial.

Em 31 de outubro de 1942 o Papa Pio XII realizou a consagração do mundo ao Imaculado Coração de Maria e renovou-a em 8 de dezembro de 1942. O texto não fazia menção explícita à Rússia, tão-só uma alusão velada, mas de suficiente transparência, à pobre nação:

A Vós, ao vosso Coração Imaculado, nesta hora trágica da história humana, confiamos, entregamos, consagramos não só a Santa Igreja, corpo místico de vosso Jesus, […] mas também todo o mundo, dilacerado por exiciais discórdias, abrasado em incêndios de ódio, vítima de suas próprias iniqüidades.

Comovam-Vos tantas ruínas materiais e morais; tantas dores, tantas agonias dos pais, das mães, dos esposos, dos irmãos, das criancinhas inocentes; tantas vidas ceifadas em flor; tantos corpos despedaçados numa horrenda carnificina; tantas almas torturadas e agonizantes, tantas em perigo de se perderem eternamente!

Vós, Mãe de misericórdia, impetrai-nos de Deus a paz! e primeiro as graças que podem num momento converter os humanos corações, as graças que preparam, conciliam, asseguram a paz! Rainha da paz, rogai por nós e dai ao mundo em guerra a paz por que os povos suspiram, a paz na verdade, na justiça, na caridade de Cristo. Dai-lhe a paz das armas e das almas, para que na tranquilidade da ordem se dilate o Reino de Deus.

Estendei a vossa protecção aos infiéis e a quantos jazem ainda nas sombras da morte; dai-lhes a paz e fazei que lhes raie o Sol da verdade, e possam conosco, diante do único Salvador do mundo, repetir: Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade! (Luc. 2, 14).

Aos povos pelo erro ou pela discórdia separados, nomeadamente àqueles que Vos professam singular devoção, onde não havia casa que não ostentasse a vossa veneranda ícone (hoje talvez escondida e reservada para melhores dias), dai-lhes a paz e reconduzi-os ao único redil de Cristo, sob o único e verdadeiro Pastor. [28]

Para reavivar a lembrança da consagração, o Papa Pio XII mais tarde fixaria a celebração do Imaculado Coração de Maria em 22 de agosto, conferindo a ela a dignidade de festa de segunda classe[29].

A misericórdia divina outorgou o prometido fruto da consagração: mostra-nos o exame objetivo da história que, em todas as frentes de batalha, houve uma reviravolta decisiva em favor dos Aliados nos meses finais de 1942 e iniciais de 1943; decerto tal reviravolta permitiu a abreviação da duração da II Guerra Mundial.

Entretanto Irmã Lúcia não se iludia quanto aos efeitos da consagração de 1942:

“O Bom Deus tinha-me mostrado já o Seu contentamento pelo ato, ainda que incompleto, segundo o Seu desejo, do Santo Padre e de vários Bispos. Em troca, promete acabar breve a guerra. A conversão da Rússia não será já[30].

Os acordos de Ialta (4 de fevereiro de 1945) consolidaram o poder comunista em nível internacional.

É preciso recordar que, em 1941, Pio XII – sob a pressão de Roosevelt, que ansiava ingressar na guerra ao lado da Inglaterra e também de Stalin – admitiu que a hierarquia católica calasse a perversidade intrínseca do comunismo e a impossibilidade de colaborar com ele. Em câmbio prometeu-se convocar a Igreja para participar do esforço de reconstrução do pós-guerra[31]. Certamente o silêncio de Pio XII facilitou em muito o trabalho da maçonaria na organização da nova ordem, que previa entregar todo o leste europeu ao comunismo, o qual fortalecido em sua nova posição avançaria mais tarde em direção à Ásia: China, Vietnã, Camboja, etc[32].

A encíclica Sacro Vergente Anno de 1952

Neste ínterim o céu manifestava-se ao Papa: nos dias 30 e 31 de outubro e 1º e 8 de novembro (dias circumpostos à data da definição solene do dogma da Assunção), o Santo Padre viu dos jardins do Vaticano a renovação do milagre do sol de 13 de outubro de 1917, mas Pio XII nada fez.

Em maio de 1952 apareceu Nossa Senhora novamente à Irmã Lúcia:

Faz saber ao Santo Padre que Eu ainda estou à espera da Consagração da Rússia ao Meu Imaculado Coração. Sem a Consagração da Rússia, a Rússia não poderá converter-se e o mundo não terá paz[33].

Sem dúvida, após aquela mensagem e de concerto com o movimento dos católicos russos, que anelavam o cumprimento dos pedidos de Nossa Senhora, Pio XII escreve uma Carta Apostólica aos Povos da Rússia, em que declara:

Nós consagramos e de uma forma mais especial confiamos todos os povos da Rússia a este Imaculado Coração [34].

“Estou triste de que [a consagração da Rússia] não foi feita tal como Nossa Senhora pediu”, escrevia Irmã Lúcia no verão[35].

Desta vez faltou ao ato a devida solenidade: nomeou-se a Rússia, mas não houve nenhuma cerimônia em particular, nem foram os bispos do mundo inteiro conclamados a unir-se nesta intenção.

No ano seguinte, em Siracusa na Sicília, uma estátua de gesso do Imaculado Coração de Maria desatou a chorar e a operar milagres que abalaram o mundo[36]. Ao que parece Pio XII não associou este acontecimento à Fátima.

Ao contrário, após Sacro Vergente Anno, o Santo Padre quase já não falava de Fátima. Os adversários da aparição, por seu turno, à imitação do Pe. Dhanis, exerciam cada vez mais influência, bem como os que se opunham à doutrina de Maria Medianeira[37]. A partir de então se restringiram as visitas à Irmã Lúcia: “O Papa decidiu que somente pessoas que já a houvessem visitado poderiam vê-la sem autorização expressa da Santa Sé[38].” Começava-se a impor o silêncio à mensageira do céu.

No entanto convém precisar um ponto importante: se por interesses da política americana Pio XII teve por bem calar a Divini Redemptoris – com as consequências incalculáveis que tal silêncio acarretou –, ele rejeitava qualquer tipo de colaboração com Moscou.

Qual não foi a sua dor quando, em outubro de 1954, provou-se que Mons. Montini, o futuro Paulo VI, então secretário substituto da Secretaria de Estado, mantinha à socapa conversações secretas com o Kremlin[39]. Pio XII decidiu afastar logo Montini, mas como sempre estivesse disposto a refrear o falatório, elevou-o a um cargo honorífico – arcebispo de Milão – sem contudo nomeá-lo cardeal. Desta forma excluía-se Mons. Montini do próximo conclave, mas infelizmente ele foi alçado a um posto bem conveniente ao que lhe reservava o futuro.

Depois de Pio XII a situação complicou-se, à medida que os papas de espírito liberal e modernista ocuparam a Sé de Pedro; mais que nunca iria concretizar-se o alerta de Nosso Senhor:

Participa aos Meus ministros que, dado seguirem o exemplo do rei de França na demora em executar o Meu mandato, tal como a ele aconteceu, assim o seguirão na aflição [Nosso Senhor à Irmã Lúcia, em agosto de 1931.]

A Igreja entrava numa crise sem precedentes na história[40], e a sua finalidade era a punição da hierarquia.

Imbuidos dos ideais modernos, os novos papas ficaram muito pouco à vontade com a mensagem catolicíssima da Virgem Maria em Fátima.

João XXIII e os acordos entre Roma e Moscou

Ao passo que a abrangência mundial do comunismo se tornava cada vez mais alarmante, em razão das recusas em atender aos pedidos de Nossa Senhora, o Papa João XXIII resolveu assinalar seu pontificado com o sinal do otimismo, sem levar em nenhuma conta as advertências celestes nem as dos inúmeros colaboradores que o cercavam. Sabe-se bem o que disse ele no discurso de abertura do Concílio Vaticano II:

Parece-nos que devemos discordar desses profetas da desventura, que anunciam acontecimentos sempre infaustos, como se estivesse iminente o fim do mundo.[41]

Soam estranhas tais palavras, se as comparam com os apelos da Virgem Santíssima em Fátima. Em agosto de 1959, ao tomar conhecimento do terceiro segredo de Fátima, o Papa decidiu não publicá-lo, decisão esta que caiu como um balde d’água fria sobre o grande fervor pela devoção de Nossa Senhora de Fátima, que aumentava sobremodo às portas dos anos 1960. A partir de 1959 João XXIII começou a diligenciar para que não fosse mais possível visitar Irmã Lúcia sem licença de Roma[42].

Nesse contexto entende-se porque nunca exigiram a consagração da Rússia durante o pontificado de João XXIII; bem ao contrário, João XXIII, na intenção de que se autorizasse o envio de dois representantes da igreja cismática da Rússia ao Concílio Vaticano II, negociou com Kruschev, por intermédio do Mons. Willebrands e do Card. Tisserant, e se comprometeu a não condenar o comunismo. Sobre o acordo disse Mons. Roche:

A decisão de convidar os observadores ortodoxos russos para o Concílio Vaticano II partiu de Sua Santidade em pessoa, encorajado pelo Cardeal Montini, que na época em que era arcebispo de Milão fora o conselheiro do patriarca de Veneza. Ou melhor, era o Card. Montini que conduzia em segredo a política da Secretaria de Estado durante a primeira sessão do Concílio, a partir do escritório clandestino que o Papa lhe arrumou na famosa Torre de São João, dentro dos muros da Cidade do Vaticano.

O Card. Tisserant recebeu ordens formais de negociar o acordo e cuidar de sua aplicação rigorosa durante o Concílio. Por isso, cada vez que um bispo começava a discutir o problema do comunismo, o cardeal, da mesa do conselho de presidência, intervinha e recordava a recomendação de silêncio, segundo a vontade do Papa[43].

O comedimento nas relações com Moscou não surtiu nenhum efeito na atenuação das perseguições: Kruschev continuou a deter os padres e multiplicou o número de igrejas fechadas. Não se deve comer com o diabo, mesmo com uma colher de cabo longo.

Paulo VI e a Ostpolitik 

O Concílio não condena o comunismo

João XXIII morreu antes do fim do Concílio; coube a Paulo VI levá-lo a termo e confirmar os acordos entre Roma e Moscou: não havia razão de desautorizar uma política de que, desde 1962, era ele um dos principais promotores.

Assim, quando em outubro de 1965 Mons. Léfèbvre remeteu ao Secretário do Concílio uma súplica, redigida por Mons. Carli e assinada por 454 bispos, em que se impetrava a inserção duma condenação ao comunismo na constituição Gaudium et Spes, que versava sobre a Igreja no mundo – a petição não foi levada em consideração. Escutemos Mons Léfèbvre narrando os fatos:

É algo absolutamente inaudito na história da Igreja. Reuniu-se um concílio pastoral, ou que se dizia pastoral, i .e., destinado ao cuidado das almas e à salvação dos fiéis e do mundo; contudo, ao maior dos males, ao mais ignóbil e dissolvente para a sociedade, a pessoa humana e a liberdade –  que é o comunismo –, afirmam: “- Não o condenaremos durante o Concílio.”

Pessoalmente conheço algo sobre o assunto. Eu, junto com Mons. Sigaud, reunimos 450 assinaturas em favor da condenação do comunismo. Eu mesmo as levei ao secretariado do Concílio. Mas foram engavetadas! Ainda tentaram veicular que nunca houve tal manifestação no Concílio. Eu mesmo levei os documentos em pessoa, e guardei a lista dos bispos que pediam a condenação. É de fato inacreditável. Fui testemunha disso. Levantei-me para protestar. Desmentiram a apresentação das 450 assinaturas, depois disseram que haviam chegado tarde demais e já não sabiam onde estavam. Na verdade, eles decidiram que não se condenaria o comunismo, para que viessem os delegados de Moscou[44].

A reunião dum concílio universal em meio ao séc. XX seria a ocasião providencial de se consagrar a Rússia de forma solene ao Imaculado Coração de Maria, tal como Nossa Senhora pediu. Os acordos entre Roma e Moscou impossibilitaram um ato desse quilate e se constituíram no principal obstáculo à paz oriunda dos céus. Mais ainda, o requerimento que Mons. de Proença apresentou, assinado por 510 bispos de 78 nações, em que se instava renovasse o Concílio a consagração do mundo ao Imaculado Coração de Maria com especial menção à Rússia, teve destino semelhante àquele de condenação ao comunismo[45].

O Desprezo por Fátima

Paulo VI não escondia o desprezo por Fátima – e nesta afirmação não há nenhum exagero. Em 13 de maio de 1967 ele se dirigiu à Cova da Iria para o cinquentenário das aparições, mas se limitou a fazer uma viagem de ida e volta. Lá celebrou apenas uma missa chã em português, na presença de um milhão de peregrinos, recusou a entrevista que Irmã Lúcia lhe requereu e não rezou na Capelinha, como previa o programa da visita. No sermão exortou a humanidade ao esforço de paz, mas não aludiu à mensagem de Nossa Senhora. Escreveu Robert Serrou que Paulo VI foi até Fátima, pois “estava certo de encontrar ali uma das mais extraordinárias tribunas do mundo, donde sua voz ecoaria em toda a superfície da terra[46].” Contudo pregara ali a paz só humana, como fizera na ONU, uma vez que seus planos não coincidiam com os do Céu[47].

Além disso, na reforma litúrgica, Paulo VI rebaixou a festa do Imaculado Coração de Maria, que Pio XII elevara à dignidade de festa de segunda classe, a uma simples memória[48].

Desenvolvimento da Ostpolitik

Escutemos o Cardeal Sodano, secretário de estado, resumir a política de Paulo VI ante Moscou, cujo artífice foi Mons. Cassaroli:

Durante o pontificado de Paulo VI se desenvolve a primeira e a mais árdua fase da Ostpolitik, i. e., a negociação sobre o Cardeal Mindszenty e a possibilidade de nomear bispos na Hungria; as conversações extenuantes e intermináveis com o governo tcheco, que iriam continuar até a queda de Mur; o acordo de Belgrado com o governo de Tito; e finalmente as conversas com o governo polonês. […] Registre-se a recusa que o governo polonês contrapôs a uma viagem de Paulo VI, ainda que brevíssima, a Czestochowa, e a visita de Mons. Caseroli às dioceses polonesas em 1967, que o levou até a Cracóvia, para um encontro cordial e importante com o Cardeal Wojtyla.

No pontificado de Paulo VI, a experiência multilateral da Santa Sé toma impulso na Conferência de Helsinque (1973-1975), ocasião em que a delegação vaticana obtém o reconhecimento explícito da liberdade religiosa (sétimo princípio da Ata de Encerramento), que dá legitimação formal aos requerimentos da Igreja nas negociações bilaterais em face de cada governo. Terminaria o pontificado com o pedido do Papa ao corpo diplomático, em janeiro de 1978, para que os católicos e crentes de todas as confissões “se beneficiassem” do espaço de liberdade que se devia à fé em suas expressões pessoais e comunitárias. Este requerimento solene parece que tem o valor profético dum conselho moral de Paulo VI a seu sucessor[49].

Aprofundavam-se assim as negociações com o demônio; como tais acordos não estavam nos planos do Céu, não haveriam de terminar bem. O arcebispo tcheco Mons. Hnilica juntou coragem e deu uma resposta vigorosa ao livro de Casaroli: realmente mereceria o cardeal o título de mártir da paciência, que os editores conferiram em sua honra?

Parece-me inapropriado e injusto usar a palavra mártir em honra de certas pessoas, que não foram mártires e que, por via de ações diplomáticas sofisticadas e no caso improváveis, contribuiram de facto ao agravamento notável do verdadeiro martirio dos verdadeiros mártires. […] Neste ponto de vista, é singular o testemunho dos verdadeiros mártires. Segundo eles, seus sofrimentos cresceram sobremaneira em decorrência da ação daqueles de quem esperavam apoio e sustento[50].

João Paulo I

O pontificado de 33 dias de João Paulo I não lhe deu tempo hábil para responder aos pedidos de Nossa Senhora.

Quando era arcebispo de Veneza, ele manifestou interesse e devotamento aos acontecimentos de Fátima, e chegou mesmo a travar uma longa conversa com Irmã Lúcia, em 11 de julho de 1977, durante uma peregrinação diocesana[51].

Sublinhe-se ainda que João Paulo I aceitara totalmente o Concílio. Sobre a liberdade religiosa dizia: “Por anos ensinei a tese que aprendi no curso de direito público ministrado pelo Cardeal Ottaviani, segundo a qual só a verdade gozava de direitos. Estudei o problema a fundo e no fim me convenci de que estávamos enganados[52].” Aludindo aos tradicionalistas afirmava: “Alguns abusos na liturgia talvez favorecessem reações e atitudes que levaram à tomada de posições insustentáveis e contrárias ao Evangelho[53].”

Ele haveria segredado a um de seus conselheiros: “Se eu viver, retornarei à Fátima e consagrarei o mundo, em particular os povos da Rússia, à Santa Virgem, conforme as indicações que ela deu à Irmã Lúcia[54].”

Mas a consagração não se limita à recitação duma simples oração: antes, tal ato significaria a renúncia total à política que João XXIII e Paulo VI praticaram até então. Teria João Paulo I a força e sobretudo as convicções necessárias para realizá-la?

Nada autoriza afirmá-lo, uma vez que sua alcunha papal era a combinação das de seus predecessores imediatos; além disso, ele estava comprometido com as diretivas do Vaticano II e da reforma litúrgica.

João Paulo II prossegue a Ostpolitik

Assentado à Sé de Pedro, João Paulo II prosseguiu com a política de abertura do leste, em continuação a Paulo VI. Retornemos à conferência do Cardeal Sodano:

Em outubro de 1978, a eleição do Papa João Paulo II introduziu novidades importantíssimas nas relações com o leste: 1) a experiência pessoal dum pastor que suportara a opressão e as injustiças cometidas contra seu povo; 2) a afirmação inscrita na encíclica Redemptor Hominis, de que os direitos do homem e as liberdades fundamentais têm sua raiz única na dignidade da pessoa e constituem o critério de verificação da legitimidade dos regimes de qualquer país; 3) o orgulho da nação polonesa que reivindicava a restituição de sua dignidade cristã.

Este foi um amplo desafio que o Papa do leste lançou à URSS e aos demais regimes comunistas, enquanto as negociações prosseguiam com maior impulso sob a condução do Cardeal Caseroli, agora secretário de estado. […As conversações] almejavam a recuperação dos espaços de oração, a possibilidade da formação para a catequese, a difusão de idéias quais a dignidade da pessoa e a liberdade de consciência, que contraditavam a ideologia e a organização do mundo comunista. Deste modo a ação paciente e infatigável contribuira, durante muito tempo […] para que se operasse a erosão do sistema dos regimes comunistas, atingindo-os justamente no que consideravam essencial à sua ideologia – o controle das mentes[55].

Os homens da Igreja não diligenciavam pelo reino de Jesus e de Maria, fruto da consagração da Rússia, mas pela difusão dos Direitos Humanos e da liberdade de consciência; de fato este plano não veio do Céu.

Além disso, no começo de seu pontificado, João Paulo II era indiferente à Fátima; contudo a tentativa de assassinato de 13 de maio de 1981 atraiu-lhe de súbito a atenção à mensagem de Nossa Senhora, quiçá devido a remorsos de consciência. Decidiu-se pois a fazer alguma coisa.

Tentativas de consagração

Quando se publicou o terceiro segredo de Fátima em 2000, Mons. Bertone, secretário da Congregação para a Doutrina da Fé, relatou as tentativas de consagração que João Paulo II intentou. Aqui a versão oficial do Vaticano.

Reagrupamos as consagrações de 1981 e 1982, pois os textos são idênticos.

Após o atentado de 13 de maio de 1981, João Paulo II pediu a sobrecarta em que estava a terceira parte do “segredo”. […]

Como se sabe, o Papa João Paulo II logo pensou na consagração do mundo ao Imaculado Coração de Maria e chegou a compor uma oração para o que definia como “um ato de consagração” a celebrar-se na basílica de Santa Maria Maior, em 7 de junho de 1981, na solenidade de Pentecostes, em dia escolhido para comemorar o 1600º aniversário do I Concílio de Constantinopla e o 1550º aniversário do Concílio de Éfeso. Estando o Papa ausente, por força das circunstâncias[56], transmitiu-se a alocução em gravação. Aqui oferecemos o texto que se refere exatamente ao ato de consagração:

“Ó Mãe dos homens e dos povos, Tu[57] conheces todos os seus sofrimentos e as suas esperanças, Tu sentes maternalmente todas as lutas entre o bem e o mal, entre a luz e as trevas que agitam o mundo — acolhe o nosso grito dirigido no Espírito Santo, diretamente ao Teu coração e abraça com o amor da Mãe e da Serva do Senhor os povos que mais esperam este abraço, e ao mesmo tempo os povos cuja consagração Tu também esperas de modo particular. Toma debaixo da tua proteção maternal a família humana inteira que, com afetuoso transporte, a Ti, ó Mãe, nós confiamos. Aproxime-se para todos o tempo da paz e da liberdade, o tempo da verdade, da justiça e da esperança.” [58]

Esta cerimônia não é a consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria em união com os bispos do mundo inteiro, mas antes a entrega, mediada pelo Papa, da “família humana inteira” às mãos da “Mãe dos Homens e dos Povos”.

Não se nomeou claramente o Imaculado Coração de Maria: o texto menciona “coração” sem mais precisões.

O Papa renovará o ato em 13 de maio de 1982, em Fátima.

A Irmã Lúcia reagiu imediatamente, remetendo o seguinte texto ao Mons. Portalupi, núncio apostólico em Portugal:

No ato de oferecimento de 13 de maio de 1982, a Rússia não apareceu claramente como o objeto da consagração. Os bispos não organizaram em suas dioceses cerimônias públicas e solenes de reparação e de consagração da Rússia. O Papa João Paulo II simplesmente renovou a consagração do mundo feita por Pio XII em 31 de outubro de 1942. Podem-se esperar alguns benefícios, mas não a conversão da Rússia[59].

E conclui ela:

A consagração da Rússia não foi feita como Nossa Senhora pediu. Eu não pude fazer esta declaração até agora porque não tinha autorização da Santa Sé[60].

A consagração de 25 de março de 1984

Prossigamos com o texto de Mons. Bertone:

A fim de responder com plenitude aos pedidos de “Nossa Senhora[61]”, quisera o Santo Padre explicitar, no curso do Ano Santo da Redenção, o ato de consagração de 7 de junho de 1981, repetido em Fátima em 13 de maio de 1982. Em 25 de março de 1984, na praça de São Pedro, em união espiritual com todos os bispos do mundo – “convocados” previamente – e à evocação do fiat de Maria no momento da Anunciação, o Papa consagrou ao Imaculado Coração de Maria os homens e os povos, com inflexões que recordam as palavras comoventes de 1981:

“Ó Mãe dos Homens e dos povos, Vós que conheceis todos os seus sofrimentos e as suas esperanças, Vós que sentis maternalmente todas as lutas entre o bem e o mal, entre a luz e as trevas, que abalam o nosso mundo contemporâneo, acolhei o nosso clamor que, movidos pelo Espírito Santo, elevamos diretamente ao Vosso Coração; e abraçai, com o amor da Mãe e da Serva do Senhor, este nosso mundo humano, que Vos confiamos e consagramos, cheios de inquietude pela sorte terrena e eterna dos homens e dos povos.”

“De modo especial Vos entregamos e consagramos aqueles homens e aquelas nações, que desta entrega e desta consagração têm particularmente necessidade.”

“‘À Vossa proteção nos acolhemos Santa Mãe de Deus!’ Não desprezeis as nossas súplicas que a Vós elevamos, nós que estamos em provação!”

“Encontrando-nos hoje diante de Vós, Mãe de Cristo, diante do Vosso Coração Imaculado, desejamos, juntamente com toda a Igreja, unir-nos com a consagração que, por nosso amor, o Vosso Filho fez de Si mesmo ao Pai: “Por eles eu consagro-me a Mim mesmo – foram as suas palavras – para eles serem também consagrados na verdade (Jo. 17,19).”

“Queremos unir-nos ao nosso Redentor, nesta consagração pelo mundo e pelos homens, a qual, no seu Coração divino, tem o poder de alcançar o perdão e de conseguir a reparação.”

“A força desta consagração permanece por todos os tempos e abrange todos os homens, os povos e as nações; e supera todo o mal, que o espírito das trevas é capaz de despertar no coração do homem e na sua história, e que, de fato, despertou nos nossos tempos.”

Oh! quão profundamente sentimos a necessidade de consagração, pela humanidade e pelo mundo: pelo nosso mundo contemporâneo, em união com o próprio Cristo! Na realidade, a obra redentora de Cristo deve ser pelo mundo participada por meio da Igreja. […]

“Ajudai-nos[62] a viver na verdade da consagração de Cristo pela inteira família humana do mundo contemporâneo.”

“Confiando-Vos, ó Mãe, o mundo, todos os homens e todos os povos, nós vos confiamos também a própria consagração do mundo, depositando-a no Vosso Coração materno[63].”

Seria esta a consagração que Nossa Senhora pediu?

Antes do mais, João Paulo II, em união com os bispos, consagrou o mundo; chega até a repeti-lo diversas vezes, sem alusões – ainda que veladas – à Rússia[64]. Na homilia da missa da manhã, celebrada em Roma, o Papa declara sua intenção:

Cumprir duma vez por todas o que meus predecessores já fizeram: confiar o mundo ao Coração de Maria.

Todo o mundo sabe que seus predecessores não consagraram a Rússia ao Imaculado Coração. Demais, apenas um deles realizou consagração solene: Pio XII, ao consagrar o mundo em 1942. João Paulo II afirma claramente que não fará mais nada além disso.

Se quisesse consagrar a Rússia, diria ele: “Como ainda não se consagrou a Rússia ao Imaculado Coração de Maria, decidi-me em consagrá-la hoje e assim responder aos pedidos de Nossa Senhora de Fátima.”

Estava o Papa tão certo de não haver respondido aos pedidos da Santa Virgem que, na noite do dia da consagração, numa oração a Nossa Senhora, referira-se aos “povos pelos quais tu esperas nosso ato de consagração[65]”. Apesar da cerimônia da manhã, o Papa sabia que a Virgem ainda estava à espera do ato.

Quando o Mons. Cordes, presidente do Conselho Pontifício para os Leigos, perguntou por que razão o Papa não quis pronunciar o nome da Rússia, respondeu ele que temia “que os dirigentes soviéticos interpretassem suas palavras como provocação[66].”

É verdade que, desta vez, na fórmula de João Paulo II, mencionou-se com todas as letras o Imaculado Coração de Maria, o que não aconteceu nas consagrações de 1981 e 1982, em que o Papa se limitava a dizer: “Nós dirigimos diretamente ao teu coração.” Entretanto o conjunto do texto é bem confuso e a leitura suscita uma dúvida: não é possível saber se a consagração se fez à “Mãe dos Homens e dos Povos” ou se destinou ao Imaculado Coração de Maria[67].

Irmã Lúcia não se deixou embair: três dias antes da consagração – quinta-feira, 22 de março de 1984 – lhe perguntou a Sra. [Eugênia] Pestana: “Então, Lúcia, domingo é a consagração?”, ao que ela fez sinal negativo e acrescentou: “Tal consagração não pode ter um caráter decisivo.[68]” Irmã Lúcia estava ciente do que se tratava, pois tinha ela em mãos o texto a ser lido pelo Papa.

No ano seguinte, numa entrevista publicada em Sol de Fátima, de setembro de 1985, acerca da consagração de 1984, declara Irmã Lúcia: “Não houve participação de todos os bispos e não houve menção da Rússia.” À pergunta: “Então a consagração não foi feita como foi pedida por Nossa Senhora?’, deu Irmã Lúcia a seguinte resposta: “Não. Muitos Bispos não deram importância a este ato.”

Em Chrétiens-Magazine, de março de 1987, revelava o mui progressista Pe. Laurentin: “Irmã Lúcia continua insatisfeita. […] Ela pensa, parece, que a consagração não foi feita de acordo com o pedido de Nossa Senhora.”

Está claro que as consagrações de João Paulo II em 1981, 1982 e 1984 não atenderam aos pedidos expressos de Nossa Senhora.

Após a Perestróica

O Vaticano se opõe à consagração da Rússia

A Ostpolitik de João Paulo II chegou ao auge em 1º de dezembro de 1989, menos de um mês após a queda da cortina de ferro, quando o Vaticano recebeu Mikhail Gorbachev, presidente do Soviete Supremo da URSS[69].

Neste instante Roma inaugurou uma nova política. Apesar da facilitação do acesso aos países do leste, não se empreendeu uma campanha de evangelização mas, ao contrário, lançou-se mão do ecumenismo conciliar. Os católicos e os cismáticos assinaram, em 23 de junho de 1993, os acordos de Balamand, que se concluíram “excluindo-se doravante todo o proselitismo e a vontade de expansão dos católicos em prejuízo da Igreja Ortodoxa (nº 35)[70].”

Já não se pode resistir ao desejo da Virgem Maria de converter a Rússia. O Pe. Alonso, historiador oficial de Fátima, escrevia em 1976:

“…poderíamos dizer que Lúcia sempre pensou que a ‘conversão’ da Rússia não se entende apenas pelo retorno dos povos da Rússia à religião cristão-ortodoxa, rechaçando o ateísmo marxista e ateu dos sovietes, mas antes se refere pura e simplesmente à conversão total e integral, ao retorno à única e verdadeira Igreja católica e romana[71].

A reviravolta de Irmã Lúcia?

Em maio de 1989, confiava Irmã Lúcia ao Cardeal Law, arcebispo de Boston, estas palavras sobre a consagração:

O Santo Padre acha que já a realizou, considerando as possibilidades e segundo as circunstâncias. Mas se a realizou seguindo a fórmula estrita da consagração colegiada que [Nossa Senhora] pediu e desejava? Não, isso não foi feito[72].

Irmã Lúcia diz aqui claramente que:

  • é o Papa quem considera realizada a consagração;
  • a consagração não correspondeu aos pedidos expressos de Nossa Senhora.

Este texto é importante, pois é a última vez que a Irmã Lúcia afirma que a Rússia não foi consagrada, tal como a Santa Virgem pediu. Em seguida, a partir de junho, parece que Irmã Lúcia chegou a dizer que a consagração estava feita[73].

No ano 2000, à época da publicação da terceira parte do segredo de Fátima, o Mons. Bertone, no documento que já citamos, foi ainda muito mais explícito:

A Irmã Lúcia confirma em pessoa que este ato solene e universal de consagração [de 1984] correspondia ao desejo de Nossa Senhora (“Sim, está feita, tal como Nossa Senhora a pediu, desde o dia 25 de março de 1984”; carta de novembro de 1989). Por isso, qualquer discussão ou nova petição não tem fundamento[74].

Não obstante, fica claro que não se realizou a consagração tal como Nossa Senhora a pediu. Haveria Irmã Lúcia se persuadido de que o Céu aceitara o ato incompleto de 1984? Diferentes causas poderiam explicar a mudança de discurso: a pressão das autoridades vaticanas, a queda da cortina de ferro, a cessação das perseguições físicas[75] na Rússia e a total desinformação acerca da situação real do país. De qualquer modo, a nova atitude da vidente permitia a Roma apresentar a Perestróica como o resultado da consagração de 1984[76] e atribuir esta glória a João Paulo II. Essa interpretação era um modo de encerrar duma vez para sempre o processo de Fátima: a consagração estava feita, Fátima pertence ao passado[77].

No entanto, como parte do mundo católico ainda exigisse a consagração da Rússia[78], Mons. Bertone dirigiu-se pessoalmente ao Carmelo de Coimbra para obter nova confirmação de Irmã Lúcia. Ele a mandou dizer: “A consagração desejada por Nossa Senhora foi feita em 1984 e o Céu a aceitou[79].”

A leitura atenta do texto porém causa perplexidade: por um lado, o extrato da conversa de uma hora e meia a duas horas que o prelado travou com a vidente contém apenas poucas dezenas de palavras; por outro lado, Mons. Bertone põe na boca de Irmã Lúcia que ela “leu detidamente e meditou o fascículo que a Congregação para a Doutrina da Fé publicara, e confirmou tudo o que ali se dizia[80].”

Ora nesse texto de apresentação do Terceiro Segredo de Fátima, o Cardeal Ratzinger refere-se nomeadamente ao “teólogo flamengo E. Dhanis, eminente conhecedor desta matéria” [81].

Demais a mais, não hesita em declarar:

É claro que, nas visões de Lourdes, Fátima, etc, não se trata da percepção externa normal dos sentidos: as imagens e as figuras vistas não se encontram fora no espaço circundante, como está lá, por exemplo, uma árvore ou uma casa. Isto é bem evidente, por exemplo, no caso da visão do inferno (descrita na primeira parte do “segredo” de Fátima) ou então na visão descrita na terceira parte do “segredo” [82]. […] A conclusão do « segredo » lembra imagens, que Lúcia pode ter visto em livros de piedade e cujo conteúdo deriva de antigas intuições de fé [83].

Põem-se assim em grandes dúvidas as aparições e a mensagem de Fátima.

Como pôde Irmã Lúcia aprovar um texto desses? Ou é falsa a confirmação de “tudo o que foi dito”, ou fê-lo apenas por obediência.

Qualquer que seja o mistério – a partir de 1989 – em torno do testemunho de Irmã Lúcia, cuja morte lança sobre a questão um véu definitivo[84], convém valer-se do conselho de Nosso Senhor: “A árvore se reconhece pelos frutos” (Mt 12, 33).  Se o Céu aceitou a consagração de 1984, dever-se-ia enxergar os frutos. Que são deles após vinte anos?

O Céu ainda está esperando

São três os frutos de que Nossa Senhora enriqueceu este solene e público ato de reparação e consagração da Rússia ao Imaculado Coração, segundo a mensagem de 13 de julho de 1917:

  • a conversão da Rússia;
  • certo tempo de paz concedido ao mundo;
  • salvação eterna de muitas almas.

Basta observar a situação do mundo e da Igreja vinte anos após a pretensa consagração de 1984 para constatar a ausência completa dos três efeitos e do triunfo do Imaculado Coração de Maria que haveria de se seguir.

A Rússia não se converteu

Em 13 de julho de 1917 revelara Nossa Senhora: “Se atenderem a meus pedidos, a Rússia se converterá.” Qual a situação da Rússia hoje?

Usemos Portugal como ponto de comparação: o país foi consagrado ao Imaculado Coração de Maria em 1931; o resultado, uma ressurreição extraordinária do catolicismo no país[85]. Após a consagração de 1984 aconteceu algo análogo na Rússia?

Atualmente o povo russo está soçobrando em profundíssimo desespero e refugiando-se no alcoolismo: cerca de 50% dos homens e 17% das mulheres[86] são viciados em álcool. As cifras demográficas revelam ainda mais o afundamento moral do país: 2/3 das crianças concebidas são hoje em dia vítimas do aborto. Em 1999 houve 2.300.000 abortos e só 1.214.000 nascimentos.

A natalidade baixíssima unida à significativa mortalidade obrada pelo alcoolismo, os acidentes rodoviários, os suicídios (até entre as crianças), os crimes e a péssima saúde da população fizeram com que a Rússia perdesse mais de três milhões de habitantes entre 1989 (queda do Muro de Berlim) e 2004[87]; de fato se conta a cada nascimento dois falecimentos[88]. O déficit populacional avizinha-se de um milhão de pessoas por ano – um caso único no mundo[89].

Eis os números dum povo desesperado e incapaz de divisar o próprio futuro; tais cifras costumam encontrar-se apenas entre povos em guerra.

Continuando no campo da moralidade: Boris Yeltzin legalizou em 1993 o homossexualismo na Rússia, que se tornou um centro internacional de pornografia infantil[90].

Numa entrevista ao semanário argentino Cristo Hoy, o Pe. Hector Muñoz O.P., após retornar de três anos de ministério na Rússia, confidenciava:

A Rússia é uma terra devastada pelo marxismo, pelos séculos que o precederam e pela passagem brutal e irracional para outro sistema. O ateísmo entranhou-se profundamente. Segundo os dados dos popes, os fiéis praticantes da sua religião não chegam a 2%. Os dirigentes políticos sofrem muitos ataques, e com razão: a corrupção atingiu níveis de escândalo público, o salário médio dum operário é de oitenta dólares por mês, e o dum trabalhador rural é de trinta dólares; a pensão das viúvas orça em catorze dólares. A porcentagem de divórcios em Moscou chega a 70%, e na Rússia como um todo a 45%, o que significa que a metade das famílias é atingida[91].

O Osservatore Romano em língua portuguesa, de 30 de outubro de 1999 (p.9-10) confirmava essa apreciação ao publicar que:

A evangelização da Rússia representa um empreendimento de dificuldades inimagináveis. Basta observar que o número de crentes que praticam a fé, contando-se aqui todas as confissões cristãs, corresponde a cerca de 2 a 3% da população.

Para piorar o quadro, parece que as autoridades políticas por seu turno encarniçam-se contra a ação da Igreja Católica na Rússia: a lei de “liberdade religiosa” adotada em 1997, resultado da pressão do patriarcado cismático de Moscou, é uma verdadeira lei de perseguição contra a Igreja Católica. Com efeito esta lei faz distinção entre:

  • as “organizações religiosas” que tem o estatuto de pessoa moral e, portanto, beneficiam-se duma existência legal e plena na Rússia. Quatro são as religiões assim reconhecidas: a igreja cismática russa, o judaísmo, o islão e o budismo;
  • e os “grupos religiosos” que não se beneficiam do estatuto precedente e por isso conservam-se em situação precaríssima no país. Puseram a Igreja Católica nesta categoria, ao nível das seitas. Em consequência não possui ela o direito de ensinar a religião nas escolas públicas, de fundar escolas próprias, de manter capelanias nas prisões, nos hospitais e nas casas de retiro, nem mesmo a de ser proprietária de gráficas, jornais, etc.

Não acabou a perseguição contra a Igreja, mas apenas mudou de forma.

Acrescente-se a este quadro moral e religioso o fato de a Rússia estar em processo de reconquistar um poder político e militar um tanto inquietante, em razão

  • do refortalecimento do poder central;
  • da recuperação do poder nuclear;
  • da cooperação econômica e militar com o Irã e a China;
  • da expansão econômica (ainda que não melhore em nada o nível de vida do cidadão médio).

No atribulado contexto internacional que conhecemos, poderia a Rússia tornar-se facilmente uma nova ameaça ao Ocidente.

Há de se dizer ainda mais: não apenas a Rússia não se converteu, mas seus erros estão hoje espalhados pelo mundo inteiro[92]. Esta situação, que está piorando cada vez mais – vinte anos após o ato de João Paulo II em 1984 –, prova a posteriori e com evidência que não se fez a consagração.

O mundo não está em paz

Esta é outra promessa de que a Virgem Santa enriqueceu a consagração da Rússia: “Será concedido ao mundo algum tempo de paz” (13 de julho de 1917).

Ora o mundo encontra-se atualmente em meio a guerras contínuas, provocadas pelo estado de instabilidade.

Desde a II Guerra Mundial – que seria a punição dos crimes do mundo, segundo a profecia de Nossa Senhora na mensagem de 13 de julho de 1917 –, nunca mais houve paz global na terra. E mesmo depois da consagração de 1984 a situação permanece imutável: provam-no as guerras do Kôsovo, do Afeganistão e do Iraque, sem contar as guerras civis que estouram aqui e ali, na África ou alhures, devastando países inteiros. O jornal português 24 Horas, de 18 de abril de 1999, publicou um mapa das guerras civis que se desenrolaram no mundo durante a década de 1990: o periódico recenseou cerca de seis milhões de mortos; o relatório não incluia as vítimas das guerrilhas comunistas da América Latina.

Irmã Lúcia, na obra Apelos da Mensagem de Fátima, que ela terminou em 1997 (logo, treze anos após a consagração de João Paulo II) e cuja publicação o Vaticano autorizou em dezembro de 2001, escrevia:

Lancemos uma vista de olhos sobre o mundo! Que vemos? Qual é o quadro que se depara a nossos olhos? – Guerras, ódios, ambições, raptos, roubos, vinganças, fraudes, homicídios, imoralidades, etc. E, em castigo de tantos pecados: catástrofes, doenças, desastres, fome e toda a espécie de dor e sofrimento, sob cujo peso a humanidade geme e chora.

Os homens que se julgam sábios e poderosos continuam projetando mais guerras, mortes, misérias e desgraças …mais derramamento de sangue, em cujo mar afogam os povos[93].

Não se poderia traçar quadro mais trágico da situação mundial. Além disso, João Paulo II chega a mesma constatação, manifestando assim que o ato de 1984 de nada serviu:

Em alguns dias recordaremos o trágico atentado das “torres gêmeas’ de Nova Iorque. Infelizmente, junto com as torres, parece que ruiram as numerosas esperanças de paz. As guerras e os conflitos continuam a se espalhar e a envenenar a vida de muitos povos, em particular nos países mais pobres da África, da Ásia e da América Latina[94].

Observando-se a situação atual do mundo, constata-se apenas o impressionante fluxo das múltiplas manifestações sociais e políticas do mal: da desordem social à anarquia e à guerra, da injustiça à violência contra o próximo e a sua supressão[95]?

Para obter a paz, João Paulo II deposita toda a esperança no ecumenismo, e não na mensagem da Virgem Maria em Fátima:

Vendo quanto os povos tinham a necessidade urgente de sonhar com um futuro de paz e prosperidade para todos, convidei os crentes das diversas religiões do mundo para se reunirem em oração em favor da paz. Tinha diante dos meus olhos a grande visão do profeta Isaias: todos os povos do mundo, de diversos pontos da terra, vinham se reunir em torno de Deus como uma única família, grande e multiforme[96]. Eis a visão que guardava no coração o bemaventurado João XXIII e que o levou a escrever a encíclica Pacem in Terris. Em Assis este sonho assumiu uma forma concreta e visível[97].

A exemplo do ato de 1984, constatou João Paulo II que os encontros interreligiosos não trouxeram a paz sobre a terra. Ora a Santíssima Virgem prometera “algum tempo de paz”, se se atendessem os pedidos. As guerras permanentes que continuam a devastar o mundo demonstram a insistência com que se desobedece à Santa Virgem.

Cada vez mais almas caem no inferno

Enfim a Virgem Maria enriqueceu duma terceira promessa a consagração da Rússia: “Se fizerem o que Eu vos disser, salvar-se-ão muitas almas” (13 de julho de 1917).

Um mundo onde salvar-se-iam muitas almas viveria oficial e mormente no respeito às regras da moral, em particular às santas leis do casamento cristão.

Ora não são necessárias longas demonstrações para constatar-se que o mundo afunda numa imoralidade que ultrapassa em muito os crimes de Sodoma e Gomorra.

No seu último livro Irmã Lúcia também tem observações a fazer a este respeito. Assim, acerca do sexto mandamento de Deus, escreve ela:

Nestes tempos em que a sociedade parece ter querido fazer desse pecado uma lei, a Sagrada Escritura continua repetindo o mandamento de Deus: “Não cometerás adultério” (Dt 5, 17). […] Assusta olhar para o mundo de hoje, com a desordem que reina a tal respeito e a facilidade com que se mergulha na imoralidade[98].

Sobre o nono mandamento diz ela ainda:

“Não cobiçarás a mulher do teu próximo” (Dt 5, 21). Tal é a desordem que vai pelo mundo contra este mandamento, que me pergunto a mim mesma: ainda vale a pena falar dele? A resposta é afirmativa: porque ainda que todo o mundo se afogue no abismo, a palavra de Deus permanece[99].

Nos Apelos insiste Irmã Lúcia em apontar estes dois pecados, pois tem ela em mente o que a Santa Virgem dissera à pequena Jacinta: “Os pecados que mais levam almas para o inferno são os pecados da carne[100].”

A Virgem Maria prometeu que, se a Rússia fosse consagrada ao Imaculado Coração, salvar-se-iam inúmeras almas. Pelo contrário, a atual condição do mundo leva grande número de almas ao inferno. Eis aí uma prova de que a Rússia não foi consagrada.

Não foi exaltado o Imaculado Coração

Não se realizou nenhuma das três promessas ligadas à consagração da Rússia. E eis que resta fazer a observação mais importante de todas: certo dia Irmã Lúcia perguntou a Nosso Senhor porque esses três benefícios maravilhosos não seriam concedidos se o Papa não consagrasse a Rússia ao Imaculado Coração de Maria. Respondeu Nosso Senhor:

Porque quero que toda a minha Igreja reconheça esta consagração [conversão da Rússia] […] a devoção a este Imaculado Coração[101].

Não foi o que aconteceu a partir de 25 de março de 1984: a devoção ao Imaculado Coração de Maria nunca esteve tão sumida; e ainda serviram-se da queda do Muro de Berlim para exaltar não a Virgem Maria, senão a política de João Paulo II; à morte deste, os meios de comunicação o saudaram como “o demolidor do comunismo[102]”, “o artífice da derrocada do comunismo na Polônia[103]”; escrevia o Osservatore Romano: “Muito se insiste sobre o papel que o Papa desempenhou na derrocada do comunismo; esta é uma história que em grande parte ainda não foi contada[104].” João Paulo II em pessoa declarou em 1994:

Seria simplista acreditar que a derrocada do comunismo tenha sido provocada pela intervenção direta da Divina Providência. […] O comunismo caiu sozinho, por causa de sua fraqueza imanente[105].

O Papa não afirma que consagrou a Rússia, não associa a queda do Muro de Berlim à consagração de 1984, nem atribui a presente situação da Rússia à ação do Imaculado Coração de Maria; em verdade, chega a dizer que o muro caiu sozinho.

Estamos aqui mui distantes dum triunfo do Coração de Nossa Senhora, pois é manifesto que João Paulo II não consagrou a Rússia segundo o pedido de Nossa Senhora. Acrescente-se ainda que nunca se fez nada para que se disseminasse a devoção reparadora dos primeiros sábados do mês.

Epílogo

No domingo de Páscoa de 1984, encerrava assim o sermão Mons. Lefebvre:

Deseja a Santíssima Virgem que seja a Rússia consagrada ao Imaculado Coração. Para quê? Para que reine seu Filho na Rússia e retorne o reino de Nosso Senhor àquele país que neste momento está entregue nas mãos de satã como instrumento para destruir o reinado de Nosso Senhor Jesus Cristo sobre a humanidade e o mundo inteiro. Sabe assim a Santíssima Virgem – a que esmagou a cabeça da serpente e luta contra satã – que é para lá que se há de levar as bênçãos de Deus; ela deseja ser a rainha da Rússia para entregar seu reino ao Filho, por isso pediu que lhe fosse consagrada a Rússia.

Parece que ninguém quer declarar “Nós consagramos a Rússia ao Imaculado Coração de Maria”, para que as graças da Santíssima Virgem convertam o pais e o transformem em terra de missão, que ao invés de instrumento de satã, será um país missionário.

Em verdade vivemos numa época admirável e espantosa: permite o bom Deus que o reino de satã possua uma extensão inacreditável. Logo, devemos lutar contra satã, secundados pelos auxílios da Santíssima Virgem, para que reine Nosso Senhor Jesus Cristo, seu divino filho[106].

Neste combate dos últimos tempos, guardamos uma esperança invencível fundamentada na promessa infalível de Nosso Senhor: “Tu és Pedro, e sobre esta pedra eu farei minha igreja, e as portas do inferno jamais prevalecerão contra ela” (Mt 16, 18).

Nosso Senhor revelou a Irmã Lúcia, em Rianjo, ecoando as palavras do Evangelho:

Participa aos Meus ministros que, dado seguirem o exemplo do rei de França na demora em executar o Meu mandato, tal como a ele aconteceu, assim o seguirão na aflição [107].

Em 29 de agosto de 1931, numa carta a Mons. Silva, bispo de Leiria-Fátima, Irmã Lúcia esclarecia que Nosso Senhor também afirmara: “Nunca será tarde demais para recorrer a Jesus e a Maria[108].”

“Por fim, o meu Imaculado Coração triunfará.”

(Nossa Senhora, em 13 de julho de 1917.)

Anexo

Consagração da Rússia

Crônica da resistência à graça

Apresentamos aqui os acontecimentos axiais da longa história dum notável e terrível paradoxo: desde que há um século o Céu ofereceu à hierarquia católica um meio fácil de vencer os inimigos de Deus, conluiados para aniquilar o cristianismo de sobre a terra, os homens da Igreja iniciaram uma resistência a este plano de salvação, precipitando a si e ao mundo inteiro na desgraça.

13 de julho de 1917 – A Virgem Maria anuncia às três crianças de Fátima que há de pedir a consagração da Rússia ao Imaculado Coração e a consagração reparadora, a fim de obter a conversão da Rússia, a paz do mundo e salvação eterna de muitas almas, mas que não se dissesse nada a ninguém até a hora certa;

Pontificado de Pio XI

13 de junho de 1929 – Doze anos após as primeiras aparições em Fátima, e conforme a promessa de 13 de julho de 1917, Nossa Senhora aparece novamente à Irmã Lúcia em Tui, na Espanha, para lhe dizer que era chegado o momento de fazer o ato solene e público de reparação e consagração da Rússia ao Imaculado Coração;

Entre setembro de 1930 e agosto de 1931 – Pio XI toma conhecimento dos pedidos celestes, contudo está comprometido desde 1922 com a política de abertura do leste, por isso responde a eles com o silêncio; a partir de então, deixa de aludir ao Imaculado Coração;

Mas em Rianjo, em agosto de 1931, diz Nosso Senhor à Irmã Lúcia, numa comunicação íntima:

Participa aos Meus ministros que, dado seguirem o exemplo do rei de França na demora em executar o Meu mandato, tal como a ele aconteceu, assim o seguirão na aflição. Nunca será tarde demais para recorrer a Jesus e Maria[109].

13 de maio de 1931 – Os bispos de Portugal consagram o país ao Imaculado Coração de Maria[110]. Deste então, o pais vai conhecer (até o fim do governo de Salazar em 1968) uma milagrosa renovação religiosa e política. Portugal se torna assim “a vitrina de Nossa Senhora”, e o mundo inteiro testemunha as graças que o Céu concederia às outras nações, se se consagrassem ao Imaculado Coração de Maria;

1932 – Começa a punição dos homens da Igreja: naquele ano o Pe. de Lubac, futuro inspirador do Vaticano II, elabora sua nova teologia; o Pe. Congar começa a assistir cursos de teologia numa faculdade protestante; Pe. Chenu é nomeado lente em Saulchoir; Karl Rahner acompanha os cursos de Heidegger em Friburgo. No ano seguinte Maritain expõe suas novas idéias políticas.

Neste momento Moscou começa a instruir a todos os partidos comunistas para que enviassem militantes aos seminários, para infiltrar a Igreja e miná-la por dentro.

1º de agosto de 1935 – Nosso Senhor ordena a uma mística portuguesa, Alexandrina Maria da Costa, escrevesse ao Santo Padre para pedir-lhe a consagração do mundo ao Imaculado Coração de Maria. Deste modo intenta o Céu obter um ato nem tão grandioso quanto a consagração da Rússia, mas que poderia prepará-la;

19 de março de 1937 – Instruido pelos fracassos de sua política em face do “triângulo vermelho de terror e sangue[111]”, Pio XI escreve a magnífica encíclica Divini Redemptoris, em que declara o comunismo “intrinsecamente perverso’;

Fins de março de 1937 – Acreditando propício o momento. Mons. Corrêa da Silva, bispo de Leiria-Fátima, escreve diretamente ao Papa para lhe solicitar a consagração da Rússia; um silêncio semelhante ao de 1930-31 foi a única resposta;

25-26 de janeiro de 1938 – Realização da profecia feita por Nossa Senhora em 13 de julho de 1917: naquela noite avistou-se uma espécie de aurora boreal, dum vermelho cor de sangue, na Europa, no Norte da África e na América do Norte, onde causou estupefação e inquietude – era o sinal de que guerra que vai punir o mundo está próxima;

Junho de 1938 – O Pe. Pinho, confessor de Alexandrina Maria da Costa, prega o retiro anual dos bispos portugueses em Fátima; ele sugere aos bispos que escrevam uma carta conjunta ao Papa para solicitar a consagração do mundo ao Imaculado Coração de Maria. O Papa não a responde; morre a 10 de fevereiro de 1939;

Pontificado de Pio XII

Abril de 1940 – O Pe. Gonçalves, confessor de Irmã Lúcia, transmite a Pio XII o pedido de consagração da Rússia, mas não houve reação em Roma;

2 de dezembro de 1940 – Irmã Lúcia escreve ao Papa sobre a abreviação da guerra, se se consagra o mundo ao Imaculado Coração de Maria com especial menção à Rússia; esta consagração é um paliativo que não logrará a conversão da Rússia, mas abreviará a provação da guerra. É a primeira vez que Lúcia consigna em papel os dois pedidos: a comunhão reparadora e a consagração da Rússia. Acrescenta ela que a proteção que Nossa Senhora prometeu a Portugal durante a guerra é a prova das graças que concederia às demais nações se elas fossem consagradas ao Imaculado Coração de Maria;

Julho de 1941 – Tão logo concluiu o pacto com Hitler em 1939 – pacto este que precipitou o início da guerra –, Stalin alia-se aos aliados; esta tática vai propiciar à Rússia considerável influência sobre o mundo;

Agosto de 1941 – Irmã Lúcia recebe inspiração divina para dar a público conhecimento as duas primeiras partes do grande segredo de 13 de julho de 1917, a fim de advertir o mundo do perigo que o está ameaçando[112];

Setembro de 1941 – Sob pressão de Roosevelt, que queria ingressar na guerra ao lado da Inglaterra e de Stalin, Pio XII aceita que a hierarquia católica silencie a perversidade intrínseca do comunismo; contudo, rejeitava qualquer tipo de colaboração com Moscou;

No curso do ano de 1942 – Segundo Mons. Roche, Mons. Montini assina um acordo secreto com Stalin sem informar Pio XII;

6 de setembro de 1942 – Numa carta ao Pe. Gonçalves Irmã Lúcia escreve que, durante um retiro em Fátima, os bispos portugueses enviaram a Roma uma súplica para que seja o mundo consagrado ao Imaculado Coração de Maria;

31 de outubro e 8 de dezembro de 1942 – Pio XII consagra o mundo ao Imaculado Coração de Maria. Ele não fez menção explícita à Rússia, mas apenas uma alusão velada. – A partir daí a guerra sofre uma reviravolta decisiva: em 3 de novembro Rommel é derrotado em Al Alamein; em 8 os Americanos desembarcavam na África do Norte. Em 2 de fevereiro do ano seguinte o VI Exército alemão do Marechal Paulus capitula em Stalingrado;

4 de maio de 1944 – Para comemorar a lembrança da consagração de 1942, Pio XII fixa a festa do Imaculado Coração de Maria em 22 de agosto, conferindo-lhe a dignidade de festa de segunda classe. – Neste mesmo ano de 1944 um jesuíta belga, o Pe. Édouard Dhanis, publica uma tese em que lança dúvidas sobre a autenticidade do segredo de 13 de julho de 1917. No ano seguinte pretextava ele que era moralmente impossível consagrar a Rússia, em razão das reações que poderia suscitar;

De 4 a 11 de fevereiro de 1945 – Na conferência de Ialta Roosevelt entrega a Stalin a Europa Central e Oriental, e depois lhe abandona imensas regiões do Extremo Oriente, deixando a Ásia desassistida contra a invasão comunista;

15 de julho de 1946 – Numa entrevista a William Thomas Walsh Irmã Lúcia reafirma claramente que o Papa e todos os bispos devem consagrar a Rússia ao Imaculado Coração de Maria, ou então aquela nação espalhará seus erros no mundo inteiro;

13 de maio de 1947 – Uma imagem de Nossa Senhora de Fátima é levada em triunfo da Cova da Iria até o congresso mariano de Maastricht, nos Países Baixos. Este é o começo da “jornada mundial”, durante a qual a Virgem Peregrina percorrerá os cinco continentes, realizando inúmeras conversões e atraindo os não-católicos. No curso de cinco anos o mundo inteiro vai testemunhar o poder do Imaculado Coração de Maria;

Outubro de 1947 – Após uma longa conversa com Irmã Lúcia Pe. Colgan e John Haffert fundam o Exército Azul, cujo objetivo é reavivar diariamente a mensagem de Fátima no espírito dos fiéis e trabalhar para a obtenção da consagração da Rússia; o Exército Azul espalhar-se-á rapidamente em 110 países;

De 8 a 14 de dezembro de 1947 – A Santíssima Virgem impede um golpe de estado comuno-soviético na França, ao aparecer a quatro meninas em Île-Bouchard;

1949 – O Pe. Dhanis é nomeado professor da Universidade Gregoriana em Roma; sua influência crescerá mais e mais até que o Pe. Fonseca refute com mestria sua tese;

1950 – Prossegue a maldição de Deus sobre os homens de Igreja; os anos de 1950-53 veem um aumento alarmante do progressismo na Igreja, instado pelo auxílio de figuras poderosas – Em 6 de junho Mons. Roncalli, o futuro João XXIII, então núncio apostólico a Paris, escreve à Sra. Marc Sangnier uma carta em que reabilita o fundador do Sillon[113]; essa carta circula nos meios políticos da França. – Em 8 de setembro, numa entrevista ao filósofo Jean Guitton. Mons. Montini, o futuro Paulo VI, relativiza em muito as condenações da encíclica Humani Generis, com intenção de abonar os teólogos franceses mirados pelo documento[114]. – Quanto a assuntos políticos, está-se no começo da descolonização, que entrega ao comunismo imensos territórios, nos quais a Igreja perde a influência missionária e civilizatória;

30 de outubro e 8 de novembro de 1950 – Nos dias à cerca da definição solene do dogma da Assunção, Pio XII testemunha em privado, nos jardins do Vaticano, a renovação do milagre do sol de 13 de outubro de 1917;

Maio de 1952 – Nossa Senhora aparece novamente a Irmã Lúcia para dizer que ainda espera pela consagração da Rússia;

7 de julho de 1952 – Certamente após a mensagem acima e, ao mesmo tempo, em razão do movimento dos católicos russos, que anelavam o cumprimento dos pedidos da Virgem Santíssima, Pio XII escreve a carta apostólica Sacro Vergente Anno, em que ele consagra e de forma especial confia todos os povos da Rússia ao Imaculado Coração de Maria. Nomeou-se a Rússia no texto, mas não se realizou nenhuma cerimônia pública e solene, nem houve a conclamação dos bispos do mundo inteiro para que se unissem ao ato. “Dá-me pena de que [a consagração da Rússia] não foi feita tal como Nossa Senhora pediu”, escreveu Irmã Lúcia naquele verão. A partir daí Pio XII diminui aos poucos as menções à Fátima e ordena que se restrinjam as visitas à Irmã Lúcia;

De 29 de agosto a 1º de setembro de 1953 – Em Siracusa, na Sicília, uma estátua de gesso do Imaculado Coração de Maria desata a chorar e operar inúmeros milagres que agitam o mundo inteiro. Pio XII parece que não associa o fenômeno à Fátima;

Outono de 1954 – Com estupefação e dor Pio XII descobre a traição de Mons. Montini, secretário substituto na Secretaria de Estado, que ainda mantinha relações secretas com o Kremlin. O Papa o afasta de Roma ao nomeá-lo arcebispo de Milão, mas não o alça ao cardinalato;

9 de outubro de 1958 – Morte de Pio XII. Papas de espírito liberal e modernista acedem à Sé de Pedro. Mais que nunca iria realizar-se o aviso de Nosso Senhor:

Não quiseram atender ao meu pedido. Como o Rei de França, arrepender-se-ão, e fá-la-ão, mas será tarde. [Nosso Senhor a Irmã Lúcia, em agosto de 1931.]

Pontificado de João XXIII

A Igreja entra numa crise sem precedentes na história[115]: trata-se da punição da hierarquia. Imbuidos das ideias modernas, os novos Papas ficaram muito pouco à vontade com a autêntica catolicidade da mensagem da Virgem Maria em Fátima.

Agosto de 1959 – João XXIII decide não publicar a terceira parte do segredo de Fátima, ao passo que Nossa Senhora queria a publicação do segredo em 1960; contudo, nada foi anunciado;

Setembro de 1959 – Quando a Virgem Peregrina chega em triunfo a Roma, João XXIII lhe manifesta uma indiferença glacial. Neste mesmo ano ele toma medidas para que não seja possível visitar Irmã Lúcia sem a licença de Roma. – Durante seu pontificado, não há nenhum esforço para consagrar-se a Rússia;

8 de fevereiro de 1960 – O Vaticano comunica que provavelmente nunca revelará o terceiro segredo de Fátima; dessa forma, corta-se rente o imenso fervor devocional a Nossa Senhora de Fátima, suscitado pela espera da revelação do segredo e a jornada mundial;

12 e 13 de outubro de 1960 – Por iniciativa de Mons. Venâncio, bispo de Leiria-Fátima, organizou-se uma peregrinação de oração e penitência à Cova da Iria, em reparação às ofensas aos Sacratíssimos Corações de Jesus e de Maria, para conquistar ao Céu a verdadeira paz com a conversão da Rússia. Está presente o Cardeal Cerejeira bem como milhares de peregrinos. Os bispos do mundo inteiro foram convidados, a partir de suas dioceses, a unirem-se a este ato; centenas de bispos responderam ao apelo, mas João XXIII guardou silêncio. – A peregrinação se dá em meio a um temporal, debaixo de rolos de vento e aguaceiro. – O resultado dela não se deixou esperar: apesar de estarmos num dos momentos mais tensos da Guerra Fria e Kruschev mostrar-se mais arrogante que nunca, no mês de outubro os soviéticos sofrem reveses catastróficos em seus experimentos aeroespaciais e nucleares: em 12 de outubro, na ONU, Kruschev descalça-se e espanca a bancada com o sapato, pois acabava de saber do fiasco do lançamento da primeira sonda para Marte; em 24 de outubro, na base de Baikonur, um míssil R-16, o estado da arte em armamento estratégico na Rússia, explode durante uma demonstração e mata o marechal Nedelin (comandante-em-chefe das unidades soviéticas de projéteis e Vice-Ministro da Defesa) e mais 164 militares;

1962 – No intento de conseguir o envio de dois representantes da Igreja Ortodoxa Russa ao Concílio Vaticano II João XXIII, por intermédio de Mons. Willebrands e do Cardeal Tisserant, negocia com Kruschev e compromete-se a não condenar o comunismo. Inaugura Roma uma política que vai de encontro aos pedidos de Nossa Senhora de Fátima; apesar disso, Kruschev não diminui o ímpeto persecutório contra a Igreja.

Pontificado de Paulo VI

6 de junho de 1963 – Com uma nota do Cardeal Wyszinski, a Santa Sé previne os bispos franceses e superiores maiores dos religiosos da residência da França, alertando-os contra as atividades do Grupamento Pax, que não passa dum braço de Moscou para dividir e dominar a Igreja[116];

29 de outubro de 1963 – Em razão do ecumenismo, o Concílio Vaticano II recusa-se a elaborar um esquema particular sobre a Virgem Santíssima. Escreve o Pe. Berto: “A Santa Virgem obstava o Concílio. […] Tiraram-na discretamente […] e os destinos da segunda sessão foram selados. […]  Enquanto isso, o Espírito Santo […] observava do paraíso[117].” Não há uma passagem sequer deste concílio “pastoral” que ao menos aluda à recitação do terço, a fim de encorajar sua prática entre os fiéis. Neste ano de 1963 Paulo VI nomeia o Pe. Dhanis reitor da Universidade Gregoriana em Roma;

3 de fevereiro de 1964 – Mons. de Proença Sigaud remete pessoalmente ao Papa um requerimento com assinaturas de 510 bispos de 78 nações, em que instava renovasse o Concílio a consagração do mundo ao Imaculado Coração de Maria com especial menção à Rússia;

21 de novembro de 1964 – No discurso de fechamento da terceira sessão do Concílio Paulo VI “confia” – seria em atendimento à petição? – o gênero humano ao Imaculado Coração de Maria, mas foi apenas um discurso, e não uma cerimônia solene, e ademais não se nomeou a Rússia;

Outubro de 1965 – Mons. Lefebvre leva ao secretário do Concílio uma súplica com as assinaturas de 450 bispos, em que se demandava a condenação do comunismo; mas uma vez que o Vaticano empenhava-se em não condenar o comunismo: a petição desapareceu numa gaveta;

1966 – Mons. Venâncio encarrega o Pe. Alonso, claretano, da organização duma história crítica e exaustiva das aparições de Fátima, para defender a mensagem de seus oponentes, sobretudo do Pe. Dhanis;

13 de maio de 1967 – Em comemoração ao cinquentenário das aparições, Paulo VI faz uma viagem-relâmpago à Fátima. Ele não vai rezar na Capelinha, recusa-se a falar com Irmã Lúcia e profere um sermão em que exortava a humanidade a trabalhar pela paz, mas sem alusões à mensagem de Nossa Senhora. Mais tarde, confidencia ele a Jean Guitton que a viagem lhe foi uma penitência. – As idéias de Paulo VI estão bem afastadas da mensagem de Fátima: esta foi a época em que ele inaugurou oficialmente a Ostpolitik com os governos comunistas do leste europeu; Mons. Casaroli era seu representante;

1969 – Na reforma litúrgica Paulo VI rebaixa a festa do Imaculado Coração de Maria à condição de simples memória;

De 1973 a 1975 – Na conferência de Helsinque a delegação vaticana obtém dos países do leste o reconhecimento explícito da liberdade religiosa. – Em realidade, declara Mons. Hnilica, a situação dos católicos piora a cada momento nos países comunistas; os bispos concedidos à Igreja são instrumentos do partido[118].

Pontificado de João Paulo I

Em 1977, após uma longa entrevista com Irmã Lúcia, João Paulo I, ainda arcebispo de Veneza, segredou a um de seus conselheiros que gostaria de consagrar a Rússia, tal como Nossa Senhora de Fátima pediu. Seu curtíssimo pontificado não lhe deixou tempo de fazer o que quer que fosse, mas não é certo de que ele teria a coragem e as convicções necessárias para a realização dum tal ato, pois era um dos cooptados pelos erros do Vaticano II.

5 de setembro de 1978 – João Paulo I recebe Mons. Nikodim, metropolitano cismático de Leningrado, que morre de súbito durante a audiência, depois de aparentemente ter-se convertido. Em 22 de maio de 1975 ele fez uma peregrinação privada à Fátima[119].

Pontificado de João Paulo II

16 de outubro de 1978 – Eleição do Papa João Paulo II, que continua de imediato a Ostpolitik de seu predecessor;

1980 – Depois de apenas três anos de vasta campanha, o Cardeal Josef Slipyj leva ao Vaticano um abaixo-assinado com três milhões de assinaturas, em que se pedia a consagração da Rússia. No mesmo ano, na presença do Cardeal Wyszinski, Mons. Hnilica afirma a João Paulo II que o ato mais importante a que seu pontificado poderia almejar seria a consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria em união com todos os bispos[120]. Responde-lhe o Papa que não gostaria de se imiscuir nos assuntos russos e também porque pensava não ter jurisdição para fazer o ato;

13 de maio de 1981 – Atentado contra João Paulo II na Praça São Pedro. O Papa compreende a ligação entre este acontecimento e Fátima. No hospital ele manda trazer as Memórias de Irmã Lúcia;

7 de junho de 1981 – Ainda no hospital o Papa ordena que leiam em Santa Maria Maior um texto no qual ele entrega “toda a família humana” nas mãos da “Mãe dos Homens e dos Povos”; não se trata da consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria;

21 de março de 1982 – A instâncias do Pe. Caillon, Mons. Sante Portalupi, núncio em Lisboa, visita Irmã Lúcia, que lhe diz que a Rússia nunca foi consagrada e falta fazê-lo;

De julho a agosto de 1982 – A Soul Magazine, do Exército Azul, veicula que, segundo Irmã Lúcia, a consagração da Rússia aconteceu na cerimônia de 13 de maio de 1982; assim, o Exército Azul já não tem mais motivos para lutar: aos poucos ele vai adotando as teses modernistas sobre Fátima e rebatiza-se de “Apostolado Mundial de Fátima”;

8 de dezembro de 1983 – João Paulo II escreve aos bispos católicos do mundo inteiro, pedindo-lhes se juntassem a ele em 25 de março do ano seguinte, dia em que consagrará o mundo a Nossa Senhora;

8 de junho de 1983 – Durante uma audiência geral o Pe. Caillon consegue aproximar-se de João Paulo II na Praça São Pedro. Ao perguntar ao Papa quando ele consagraria a Rússia, recebe apenas isto como resposta: “Já está feito, já está feito. É sempre a mesma história.” Com grande perseverança o Pe. Caillon vai aproximar-se do Papa muitas outras vezes e outras tantas será despedido da mesma maneira;

25 de março de 1984 – Em Roma, diante de 250.000 pessoas, João Paulo II oferece e consagra o mundo à “Mãe dos Homens e dos Povos”, sem nenhuma menção à Rússia. Ainda naquela manhã declarou ele que não desejava fazer nada além do que já haviam feito seus predecessores; e à noite, numa oração à Maria, diz: “Tu esperas nosso ato de consagração.” Três dias antes da consagração, confiara Irmã Lúcia a Mons. Pestana que aquele ato não tinha caráter decisivo;

Setembro de 1985 – Em entrevista ao Sol de Fátima confirma Irmã Lúcia que a Rússia nunca foi consagrada tal como Nossa Senhora pediu;

1º de fevereiro de 1986 – Mons. Luciano Guerra, diretor da revista Voz de Fátima, escreve nesta publicação: “Para nós, que escrevemos de Fátima, Gorbachev é o homem escolhido por Deus para dar o primeiro passo em direção à realização da profecia de Maria neste lugar sagrado.”;

27 de outubro de 1986 – João Paulo II reúne as falsas religiões em Assis para rezarem pela paz mundial, indo de encontro ao pedido da Rainha do Céu em Fátima. – Nesse mesmo ano o Cardeal Gagnon requer de João Paulo II a autorização para encontrar-se com Irmã Lúcia. “Ah, não! responde o Papa, não vale a pena; a consagração já está feita, acabou[121].”;

20 de julho de 1987 – Interrogada à pressa, quando estava fora do convento, a fim de votar, Irmã Lúcia confirma ao jornalista Enrico Romero que ainda não se tinha feito a consagração da Rússia;

22 de agosto de 1987.– Visto que piorava a cada dia a crise da Igreja, que é a punição à desobediência da hierarquia, Mons. Léfèbvre, com seus principais colaboradores, vai em peregrinação à Fátima; lá implora ele a Nossa Senhora que o ilumine para saber se deve consagrar os bispos e realizar “a operação de sobrevivência da Tradição”. Após a missa celebrada para 2000 fiéis, o fundador da Fraternidade São Pio X lê um texto de consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria[122].

1989 – Mais de 350 bispos respondem à carta do Pe. Nicholas Grüner e assim corroboram com a consagração da Rússia em união com o Papa, segundo a solicitação de Nossa Senhora de Fátima. O Pe. Grüner distribui para o mundo anglófono a revista Fatima Cruzader, com o fim de espalhar a mensagem de Fátima. O Vaticano recebeu, desde 1980, mais de um milhão de assinaturas suplementares pedindo a consagração da Rússia;

Maio de 1989 – Quanto à consagração da Rússia, diz Irmã Lúcia ao Cardeal Law (arcebispo de Boston):

O Santo Padre acha que já a realizou, considerando as possibilidades e segundo as circunstâncias. Mas se a realizou seguindo a fórmula estrita da consagração colegiada que [Nossa Senhora] pediu e desejava? Não, isso não foi feito.[123]

Foi a última vez, ao menos parece, que Irmã Lúcia afirma que não se consagrou a Rússia tal como Nossa Senhora pediu. A partir de junho declara ela que “a consagração já está feita”.

9 de novembro de 1989 – Queda do Muro de Berlim;

1º de dezembro de 1989 – Mikhail Gorbachev, presidente do Soviete Supremo da URSS, foi recebido no Vaticano; a visita é o auge e o triunfo da Ostpolitik;

13 de maio de 1991 – João Paulo II está de novo em Fátima; ele conversa com Irmã Lúcia durante cerca de meia hora, mas nada se sabe do tema do encontro;

8 de dezembro de 1991 – Fim da União Soviética (URSS), substituida pela CEI (Comunidade de Estado Independentes);

8 de outubro de 1992 – O Pe. Nicholas Grüner consegue que 65 bispos vão à Fátima, para que o ouçam discorrer sobre a consagração da Rússia, mas cerca de 35 são dissuadidos de irem à reunião; dois dias mais tarde o Pe. Grüner é agredido pelos empregados do santuário[124];

11 de outubro de 1992 e 11 de outubro de 1993 – Organizam-se dois encontros entre Irmã Lúcia e vários prelados e leigos; serve-lhes de interprete o Sr. Carlos Evaristo. – Mais tarde Evaristo publica um extravagante resumo das conversações, no qual põe ele em boca de Irmã Lúcia que já se haviam atendido aos pedidos de Nossa Senhora com todas as consagrações dos papas até então e que a conversão da Rússia já começara[125];

23 de junho de 1993 – Os acordos de Balamend, entre a Igreja Católica e os ortodoxos cismáticos, “excluem doravante todo o proselitismo e a vontade de expansão dos católicos em prejuízo da Igreja Ortodoxa (nº 35).” Deste modo opõe-se Roma à conversão da Rússia;

Outubro de 1994 – O Secretário de Estado e o núncio apostólico de Portugal escrevem aos bispos do mundo inteiro aconselhando-os a não assistirem à Segunda Conferência pela Paz, organizada pelo Pe. Nicholas Grüner, que se há de realizar no México. Vistos são recusados e muitos outros obstáculos se interpõem no caminho dos 100 bispos católicos que aceitaram o convite à conferência;

De 18 a 24 de agosto de 1996 – A comissão teológica do Congresso Mariológico Internacional de Czestochowa e uma nota da Academia Pontificia Mariana rejeitam o requerimento da definição dogmática de Maria Corredentora, Medianeira e Advogada. Numerosas petições a favor da definição do novo dogma chegam a Roma;

Novembro de 1996 – Em Roma a Terceira Conferência pela Paz, organizada pelo Pe. Grüner, reune 200 bispos, malgrado as pressões que se fizeram;

1997 – Na Rússia a nova lei de liberdade religiosa põe a Igreja Católica numa situação tão precária quanto a das seitas;

De 12 a 18 de outubro de 1999 – Nova Conferência organizada pelo Pe. Grüner em Hamilton nos Estados Unidos (Ontário); porém está se tornando cada vez mais difícil convencer padres e bispos por causa das pressões do Vaticano. Estão presentes apenas alguns bispos e padres, bem como 300 leigos;

13 de maio de 2000 – João Paulo II está em Fátima para a beatificação de Francisco e Jacinta. No curso da cerimônia o Cardeal Sodano anuncia que a terceira parte do segredo vai se publicar por ordem do Papa;

5 de junho de 2000 – O Cardeal Castrillon-Hoyos envia uma carta ao Pe. Grüner ameaçando-o de excomunhão;

26 de junho de 2000 – A Congregação para a Doutrina da Fé publica a terceira parte do segredo de Fátima. No texto de apresentação, Mons. Bertone alude às palavras de Irmã Lúcia, em que ela dizia que já se fez a consagração da Rússia tal como Nossa Senhora pediu. Acrescenta ele que qualquer discussão ou nova petição não tem fundamento. No mesmo documento o Cardeal Ratzinger, futuro Bento XVI, refere-se explicitamente ao Pe. Dhanis e afirma que a devoção ao Imaculado Coração de Maria é uma noção “surpreendente para pessoas provenientes da atmosfera cultural anglo-saxônica e germânica”;

8 de outubro de 2000 – Na Praça São Pedro, em presença de 76 cardeais e de 1400 bispos reunidos para o grande jubileu do ano 2000, pronuncia João Paulo II um “ato de confiança” à Virgem Maria: “Viemos à tua presença para consagrar à tua solicitude materna nós mesmos, a Igreja, o mundo inteiro.” Em razão da solenidade, retira-se a estátua de Nossa Senhora de Fátima da Cova da Iria;

Dezembro de 2000 – Aparecimento do último livro de Irmã Lúcia, Apelos da mensagem de Fátima, que ela terminou de escrever em 25 de março de 1997. Ela não alude à consagração da Rússia, mas ao contrário o panorama que delineia sobre a situação do mundo prova à evidência que a Rússia nunca foi consagrada;

12 de setembro de 2001 – A secretaria de imprensa do Vaticano publica uma advertência ao Pe. Grüner, a propósito da nova Conferência pela Paz no Mundo, que vai se realizar em Roma de 7 a 13 de outubro. O prefeito da Congregação para o Clero, Cardeal Dario Castrillon-Hoyos, assina o texto em que se declara que o Pe. Grüner está suspens a divinis[126];

17 de novembro de 2001 – Mons. Bertone visita Irmã Lúcia no Carmelo de Coimbra. O resumo da conversação de uma hora e meia a duas horas com a vidente contém apenas poucas dezenas de palavras; ele põe na boca da vidente a afirmação de que o Céu aceitou a consagração de 1984 e a confirmação de todo o conteúdo do documento que a Congregação para a Doutrina da Fé publicou em junho de 2000;

13 de fevereiro de 2005 – Deus chama Irmã Lúcia no Carmelo de Coimbra;

2 de abril de 2005 – Falecimento do Papa João Paulo II em Roma. Os meios de comunicação o saudaram como o “o demolidor do comunismo”, mas em 1994 ele de si mesmo declarou que o comunismo caiu sozinho, sem intervenção direta da Providência. – Ele morreu no primeiro sábado do mês, embora jamais houvesse encorajado a devoção reparadora dos primeiros sábados;

19 de abril de 2005 – O Cardeal Ratzinger é eleito Papa e adota o nome de Bento XVI. Dele agora depende o cumprimento ou a recusa dos pedidos de Nossa Senhora em Fátima.

***

Artigo publicado na Revista Permanência nº 264 (Tempo do Natal 2011)

[Le sel de la terre nº 53]

Tradução/Fonte: Permanência


 [1] Padre Joaquim Maria Alonso, Fatima ante la esfinge el mensaje escatologico de Tuy, Ed. Sol de Fatima, Madrid, 1979, p. 92. Nunca se traduziu este livro em francês [nem em português] [N. do T.: tradução da versão francesa de Dominicus]. – O padre Joaquin-Maria Alonso (1913-1981), claretano espanhol, é decerto o mais autorizado especialista das aparições de Fátima. Em 1966 Mons. Venâncio, bispo de Leiria-Fátima, encarregou-o dum estudo crítico e exaustivo da história e da mensagem de Fátima. Suas pesquisas o levaram a se encontrar diversas vezes com Irmã Lúcia. Em 1975 já estavam encerrados os trabalhos, quando Mons. Amaral, bispo de Leiria-Fátima, proibiu a publicação. Foi necessário esperar até 1992 para que o santuário publicasse, em português, o primeiro volume dos documentos. Desde então saíram mais três volumes, mas o conjunto da obra (24 livros de 800 páginas cada) ainda está inacessível.

[2] N. do T.: equivoca-se o articulista: o subscritor da carta foi em realidade D. José Alves Correia da Silva, Bispo de Leiria-Fátima, que a remeteu ao Papa Pio XI às instâncias de Irmã Lúcia. Adiante Dominicus cita de novo este fato, já agora se referindo com acerto ao verdadeiro autor, D. Corrêa da Silva.

[3] Citação do Pe. Alonso em Marie sous le symbole du coeur, contribution de six experts à la connaissance de Fatima, Paris, Téqui, 1973, p. 50 [N. do T.: esta é quase ipsis verbis a resposta de Irmã Lúcia à quinta pergunta do questionário que Pe. Gonçalves – à época, confessor da vidente de Fátima – lhe enviou em maio de 1930; a pergunta dizia respeito ao desejo e à vontade de Nosso Senhor em relação à Rússia].

[4] Ver B. De Lespielle, “La Russie ou ‘l’empire intérieur’”, em Civitas nº 10, 4º trimestre de 2003, p. 61-67 (artigo mui favorável a Vladimir Putin; sem querer prejulgar o futuro, teríamos neste ponto uma grande prudência).

[5] Dom Guéranger, Anné Liturgique, 12 de novembro, festa de São Josafá.

[6] Alude ele à Roma católica (“primeira Roma”), que já acredita decaída, e à queda de Constantinopla (‘segunda Roma”).

[7] Na época do cisma os orientais condenavam a Igreja Romana pela utilização do pão ázimo na consagração do Corpo de Nosso Senhor na Missa.

[8] Trata-se de Constantinopla.

[9] Ver Gaston Zananiri, Pape et patriarches, Paris, NEL, 1962, p. 63-66.

[10] Padre Calmel O.P., “Le Coeur Immaculé de Marie et la paix du monde”, em Itinéraire 38, dezembro de 1959, p. 24.

[11] No final do séc. XIX e começo do séc. XX surgiu entre os católicos um fervor em prol da conversão da Rússia. Deus parecia que preparava os corações para os acontecimentos de Fátima. Ver o artigo do padre Emmanuel-Marie O.P.: “Le père Emmanuel et l’Orient chrétien” em Le Sel de la terre 44, p. 424-449; e Antoine Wenger, Rome et Moscou, 1900-1950, Paris, DDB, 1987, p. 18, sobre o padre Alzon, que remeteu a Pio IX em 1878 uma Mémoire sur un essai d’évangelisation en Russie.

[12] Note-se que Nossa Senhora não falou da “conversão dos russos”, mas da “conversão da Rússia”, designando assim o país na qualidade de entidade política e social. Não diz respeito apenas à conversão da maioria da população – precondição necessária para qualquer restauração – mas também à regeneração das instituições da Rússia, que se há de transformar num autêntico país cristão.

[13] Esperava-se encontrar a palavra conversão. Parece se tratar dum lapsus calami de Irmã Lúcia.

[14] Carta que o Pe. A.M. Martins S.J. transcreveu em Memórias e cartas da irmã Lúcia, Porto, L.E., 1973, p. 415 [Ver também Irmã Lúcia, O Segredo de Fátima nas Memórias e Cartas da Irmã Lúcia (Introdução e notas pelo Pe. Dr. Antônio Maria Martins, S.J.), São Paulo, Ed. Loyola, 1974, p. 171]. Nesta obra apresentam-se as cartas de Irmã Lúcia em língua portuguesa, francesa e inglesa. Diz-se no texto original em português mas será tarde: Um erro grosseiro, encontradiço em certas obras, acrescenta às traduções francesas e inglesas “ce sera trop tard, it will be too late”. Escreverá Irmã Lúcia ao Mons. Silva em 19 de agosto de 1931: “Nunca será tarde demais para recorrer a Jesus e a Maria” (carta citada por Pe. Alonso em Marie sous le symbole du coeur, ibid., p. 43).

[15] Sobre o problema das indulgências, o leitor pode consultar Sel de la terra 46 (p. 23-53) e 48 (p. 79-118).

[16] Leão XIII, Carta Encíclica Annum Sacrum, em Documentos de Leão XIII, São Paulo, Paulus, 2005, p. 724 e 727.

[17] Resumimos aqui um artigo do Padre Joseph de Sainte-Marie O.C.D., “

[18] Ver: Irmão Michel de la Sainte-Trinité, Toute la vérité sur Fatima, t. 2, Saint-Pares-lès-Vaudes, CRC, 1986, terceira seção; ou o resumo desta obra, do Irmão François de Marie-des-Anges, Fatima joie intime événement mondial, CRC, 1991, cap. 10.

[19] A 5 de agosto de 1921, Bento XV faz ao mundo um apelo em favor da Rússia, para que enviem ajuda a ela por ocasião da grande fome que a assolou, em decorrência da guerra de 1914-1918. Logo após, ele entrou em negociações com o governo de Lênin, para combinar a distribuição de víveres. Era louvável a intenção caridosa, mas a operação favorecia deveras o governo comunista, que naquele momento tentava obter o reconhecimento das grandes potências. Na continuação dos esforços Pio XI foi muito mais longe: na Conferência de Gênova de 1922, o primeiro encontro internacional em que tomaram assento os bolcheviques, sugeriu Mons. Pizzardo “a readmissão da Rússia na comunidade dos países civilizados” em troca da liberdade de consciência e da liberdade de culto. Mons. d’Herbigny foi um dos agentes mais ativos dessa política. Ver: Ulisse Floridi, Moscou et le Vatican, Paris, France-Empire, 1979; Irmão Michel de la Sainte-Trinité, Toute verité sur Fatima, t. 2, ibid., p. 351-382.

[20] Pio XI, Alocução Ecco una aos professores e aos alunos do Colégio Mondragone, 14 de maio de 1929, em http://www.vatican.va/holy_father/pius_xi/speeches/documents/hf_p-xi_spe_19290514_ecco-una_it.html (acessado em 19 de outubro de 2011).

[21] Pequena cidade marítima próxima a Pontevedra, para onde enviaram a repouso a adoentada Irmã Lúcia.

[22] Carta de Irmã Lúcia citada por Pe. Alonso e reproduzida por Irmão Michel de la Sainte-Trinité em Toute la vérité sur Fatima, t. 2, ibid., p. 344. – Há de se sublinhar certas datas, que levam a acreditar na punição dos homens de Igreja já a partir daquele momento. Em 1932 o Pe. de Lubac, que elaborou sua “Nova Teologia” inspirada em Blondel, deu a público na Revue de sciences religieuses um artigo conducente ao enfraquecimento da autoridade da Igreja sobre a sociedade temporal. Também em 1932 o Pe. Congar começou a seguir os cursos na faculdade de teologia protestante; neste ano, Karl Rahner ingressou na Universidade de Friburgo, a fim de ali seguir os cursos de Heidegger, ao passo que o Pe. Chenu era nomeado reitor de estudos no convento dominicano de Saulchoir. Em 1933 Maritan expôs pela primeira vez suas novas idéias políticas em Du régime temporel et de la liberté. Segundo inúmeros testemunhos convergentes, começou nos anos 30 a infiltração comunista dos seminários (ver infra).

[23] Os vértices desse “triângulo” eram a Rússia (onde a diplomacia de Pio XI não logrou o fim das perseguições), o México (onde a diplomacia livrara os Cristeros dum fim trágico) e a Espanha (que soçobrava no terror).

[24] Pio XI, carta encíclica Divini Redeptoris, em http://www.vatican.va/holy_father/pius_xi/encyclicals/ documents/hf_p-xi_enc_19370319_divini-redemptoris_po.html (acessado em 19 de outubro de 2011). – Curiosamente, esta passagem se omitiu na edição dos Enseigmenents pontificaux de Solesmes, Paris, Desclée, 1952, volume intitulado La paix intérieure des nations. Não a encontramos também no Dezinger de 1957, nem no Dezinger-Schönmetzer de 1976 (ambos limitam-se a citar breves passagens da encíclica).

[25] Antigos comunistas testemunharam o fato, nos Estados Unidos (Bella Dodd: “Nos anos 30, infiltramos 1100 nos seminários, a fim de destruir a igreja por dentro”; Douglas Hyde, etc.) e na França (Henri Barbé – 1901-1966; Albert Vassart – 1898-1958, etc.). Ver Sel de la terre 45. P. 207-208 e 27, p. 188-190; Itinéraires 227, p. 151; Catholic Family News, agosto de 1991. – Baseada nesses acontecimentos, escreveu Marie Carré um célebre romance: ES 1025, ou les mémoires d’un anti-apôtre, Chiré-en-Montreuil, Éditions de Chiré, 1978. – Mais tarde, em 1945, o Gen. Serov, chefe dos serviços secretos da União Soviética, funda o grupamento “Pax”, cuja missão era infiltrar-se na Igreja Católica a partir da Polônia (ver L’affaire Pax en France, suplemento do nº 86 de Itinéraires). Na época do Concílio dobrou-se o orçamento do Pax (ver Itinéraires 79, p. 55-57); o grupamento colaborou nos ataques então assestados contra a Cúria Romana (ver Itinéraires 88, p. 14-18).

[26] A idéia da consagração do mundo ao Imaculado Coração de Maria veio duma mística portuguesa, Alexandrina Maria da Costa, que recebia revelações particulares de Nosso Senhor. Como a investigação acerca da seriedade dessas comunicações resultasse mui positiva, os bispos de Portugal referendaram, já em junho de 1938, aquele pedido ao Papa Pio XI. Ante as dificuldades em obter-se a consagração da Rússia, Mons. Ferreira achou por bem juntar os dois pedidos num só. – Ver o artigo do Sr. Pe. Delestre, “Pourquoi ne pas obéir à la Mère de Dieu comme il le faudrait?”, em Le Sel de la terre 32, sobretudo a páginas 53 e 54.

[27] Texto publicado por Pe. A.M. Martins e reproduzido por Irmão François Marie-des-Anges em Fatima joie intime, ibid., p. 233-234 [N. do T.: tradução da versão francesa].

[28] Pio XII, Radiomensagem aos fiéis portugueses por ocasião da  Consagração da Igreja e do Gênero humano ao Coração Imaculado de Maria (31 de outubro de 1942) em http://www.vatican.va/holy_father/pius_xii/speeches/1942/documents/hf_p-…. (acessado em 19 de outubro de 2011).

[29] Decreto da Sagrada Congregação dos Ritos, de 4 de maio de 1944, AAS, 1945, p. 37-52.

[30] Carta de Irmã Lúcia, de 28 de fevereiro de 1943, ao bispo de Gurza.

[31] Ver Irmão Michel de la Sainte-Trinité, Toute la vérité sur Fatima, ibid., t. 3, p. 94-97.

[32] Foi uma intervenção especial de Nossa Senhora, em Ile-Bouchard, que salvou a França do comunismo em 1947 (ver o artigo do Sr. Paul Chaussée em Le sel de la terre 53).

[33] Esta aparição está relatada a páginas 440 da obra Il Pellegrinaggio delle Meraviglie, publicada sob os auspícios do episcopado italiano em 1960, na cidade de Roma. Afirma a obra que a mensagem foi transmitida ao Papa em junho. O cônego Barthas chega a mencionar o fato numa comunicação, durante o congresso mariológico de Lisboa e Fátima, em 1967: “De primordiis cultus mariani”, Acta congressus mariologici in Lusitania anno 1967 celebrati, Roma, 1970, p. 517 (ver Irmão Michel de la Sainte-Trinité, Toute la vérité sur Fatima, t. 3, ibid., p. 217, nota 1) [N. do T.: ver também http://www.fatima.org/port/crusader/portcr84_ferrara.asp, acessado em 31 de outubro de 2011 ].

[34] Pio XII, Carta apostólica Sacro Vergente Anno, de 7 de julho de 1952, em http://www.vatican.va/holy_father/pius_xii/apost_letters/documents/hf_p-… (consultado em 19 de outubro de 2011).

[35] Carta citada por Pe. Alonso e reproduzida na obra coletiva Marie sous le symbole du coeur, ibid., p. 56 [N. do T.: tradução da versão francesa].

[36] Produziu-se o fenômeno de 29 de agosto a 1º de setembro de 1953. Aconteceu na casa do casal Jannuso. Ângelo, o marido, acabara de alistar-se no partido comunista. Remeta-se à obra de Mons. Ottavio Musemeci, A Syracuse, la Madone a pleuré, Paris, Casterman, 1956.

[37] O padre Dhanis S.J. começara as críticas em 1944. Pretendia ele fazer distinção entre “Fatima I” (as aparições de 1917, que têm o reconhecimento oficial da Igreja) e “Fatima II” (as aparições posteriores de Nosso Senhor e Nossa Senhora em Pontevedra e Tui, de cuja autenticidade duvidava, atribuindo-as sobretudo à imaginação da vidente). Essa atitude lhe permitia por ao largo a consagração da Rússia e a devoção reparadora dos primeiros sábados do mês e a reduzir Fátima tão-somente a uma mensagem de oração e penitência que não incomodava ninguém. A tese do Pe. Dhani acabou vencedora no Vaticano, não obstante a refutação magistral e de primeira hora do Pe. Fonseca, e mais tarde a de Pe. Alonso, especialista oficial de Fátima, mormente no artigo Fatima y la critica, publicado na revista espanhola de teologia mariana que estava sob sua direção: Ephemerides Mariologicae 18 (1968), p. 393-435. Ver o artigo do Sr. Pe. Delestre: “Comment Fatima s’est imposé à l’Église” em Sel de la terre 53.

[38] John Haffert, Fatima, apostolat mondial, Paris, Téqui, 1984, p. 54.

[39] Sobre a descoberta da inaudita traição a Pio XII, ver o Irmão Michel de la Sainte-Trinité, Toute la vérité sur Fatima, Saint-Parres-lès-Vaudes, CRC, 1985, t.3, p. 299-305.- Mons. Roche, que durante 25 anos foi íntimo colaborador do Cardeal Tisserant, escreveu a Jean Madiran que as relações entre Montini e Stalin duraram pelo menos doze anos: “Parece que vós ignorais um acordo precedente, fechado durante a recente guerra mundial, em 1942 para ser mais exato, cujos protagonistas foram Mons. Montini e Stalin em pessoa. O acordo de 1942 me parece de importância considerável.” (Itinéraires 285, p. 153). L’Ostpolitik conduzida após a morte de Pio XII não foi fruto da súbita decisão de João XXIII: já havia muito que estava em preparação.

[40] Demonstrou-o com mestria o Papa São Pio X, na encíclica Pascendi, em que constata que o modernismo é o “esgoto coletor de todas as heresias.”

[41] João XXIII, discurso de abertura do Concílio, em 11 de outubro de 1962, http://www.vatican.va/holy_father/john_xxiii/speeches/1962/documents/hf_… (acessado em 19 de outubro de 2011). – Segreda João XXIII: “Estou sobretudo grato ao Senhor pelo temperamento que me deu, que me preserva de incômodas inquietações e de desânimos.” (João XXIII, Diário Íntimo, Lisboa, Livraria Agir Editora, 1964, p. 340).

[42] Remeta-se ao livro do Irmão François de Marie-des-Anges, Jean-Paul, 1er, le pape du secret (Toute vérité sur Fatima, t. 4), Saint-Parres-lès-Vaudes, CRC, 2003, p. 56-68.

[43] Mons. Roche, carta a Jean Madiran, publicada em Itinéraires 285, p. 154.

[44] Conferência de imprensa de Mons. Léfèbvre no aeroporto de Roissy, em 9 de dezembro de 1983.

[45] Aconteceu em 1964. É de se lamentar que não tenham requerido tão-só a consagração da Rússia, mesmo que assim não surtisse melhor efeito em Paulo VI. No discurso de encerramento da terceira sessão do Concílio, em 21 de novembro de 1964, declarou Paulo VI apenas isto: “Nosso predecessor Pio XII, de venerável memória, com inspiração do alto, consagrou solenemente [o mundo inteiro] ao Imaculado Coração de Maria.” Ao que acrescentou: “Ao teu Imaculado Coração, ó Maria, confiamos o gênero humano.” Mas trata-se dum discurso, e não duma cerimônia solene, e além disso não se nomeou a Rússia. Depois do que dissemos acerca das meias consagrações de Pio XII, não se pode considerar este discurso como resposta aos pedidos de Nossa Senhora de Fátima. Ainda, Paulo VI usa o termo confiar (em latim committimus) e não o consagrar, empregado por Pio XII.

[46] Robert Serrou, Paris-Match nº 946, de 27 de maio de 1967, p. 52-53.

[47] Demais a mais, confessará Paulo VI que a viagem à Fátima lhe foi penosa: “Acredito que ao ir a Roma, o general de Gaulle fez uma peregrinação de penitência, como a que fiz à Fátima.” (Aludido por Jean Guitton, Journal de ma vie, Paris, DDB, t.2, p. 226-228.)

[48] Recordemos neste lugar que o desejo de Lúcia, expresso a Pio XII na carta de 2 de dezembro de 1940, era de “que a festa em honra do Imaculado Coração de Maria seja estendida a todo o Mundo, como uma das principais na Santa Igreja” (carta publicada nas obras de Antônio Maria Martins S.J., Memórias e cartas de Irmã Lúcia, Porto, ibid., p. 439, e também Irmã Lúcia, O Segredo…, São Paulo, ibid., p. 182.). Se a festa de segunda classe não é das principais festas da Igreja, que dizer duma simples memória? – No missal de Paulo VI a memória ao Imaculado Coração de Maria atualmente se encontra no sábado após o segundo domingo depois de Pentecostes, no dia seguinte à festa do Sagrado Coração de Jesus.

[49] Vê-se aqui a continuidade perfeita da política inaugurada por Montini em 1942. Estas linhas do Cardeal Sodano são extratos da apresentação à imprensa e às altas autoridades políticas, em 27 de junho de 2000, do livro póstumo do Cardeal Casaroli (morto em junho de 1998): Il martirio dell pazienza. La Santa Sedee i paesi comunisti (1963-1989), Einaudi editore. [N. do T.: tradução da versão francesa] – O Sr. Mikail Gorbachev, último presidente da URSS antes da abertura do Muro de Berlim, assistia à conferência, cujo transcrito encontra-se na DC de 6 e 20 de agosto de 2000, nº 2231, p. 721 a 724.

[50] Mons. Hnilica, no artigo publicado em Pro Deo et Fratribus, nº 40-41, de março-abril de 2001.

[51] O Cardeal Luciani publicou um relato da visita no hebdomadário católico e veneziano Gente veneta, de 23 de julho de 1977 (texto integral no livro do Irmão François de Marie-des-Anges, Jean Paul Ier, le pape du secret, p. 321-322).

[52] Citado pelo Irmão François de Marie-des-Anges, Toute la vérité sur Fatima, t.4, Saint-Parres-lès-Vaudes, CRC, p. 343.

[53] DC 1750, de 15 de outubro de 1978, p. 860. Há de se perguntar como o Irmão François de Marie-des-Anges e a CRC conseguiram ver em João Paulo I um novo São Pio X, e apresentá-lo na condição de eleito do Imaculado Coração de Maria.

[54] Citado pelo Irmão François de Marie-des-Anges, ibid., t.4, p. 347.

[55] Cardeal Sodano, DC 2231,p. 723-724.

[56] Estava ele ainda no hospital.

[57] Note-se o tuteamento.

[58] DC 2230, p. 672.

[59] Citação do Irmão François de Marie-des-Anges, em Fatima, joie, événement mondial, Saint-Parres-lès-Vaudes, CRC, 1991, p. 360 [N. do T.: tradução da versão francesa]. Além disso, é possível duvidar que seja a mesma consagração de Pio XII, que proferiu mui claramente: “É ao Vosso Imaculado Coração que consagramos ao mundo”; João Paulo II não o disse. Demais, as consagrações de 1981 e de 1982 não obtiveram frutos visíveis.

[60] Tenha-se esta frase em mente: Irmã Lúcia só disse o que lhe permitiu a hierarquia [N. do T.: trecho extraído de www.fatima.org/port/crusader/cr76/cr76pg65.pdf (consultado em 19 de outubro de 2011)].

[61] Reconhece Mons. Bertone que as consagrações de 1981 e 1982 não correspondiam de todo aos pedidos da Virgem Maria. As aspas que apôs em “Nossa Senhora” são estranhíssimas e deixam dúvidas acerca da autenticidade das aparições.

[62] Aqui se dirige João Paulo II à Santa Virgem.

[63] DC 2230, ibid., p. 672-673 [N. do T.: tradução extraída de http://www.fatima.pt/portal/index.php?id=15355, acessada em 22 de outubro de 2011].

[64] João Paulo II fala das “nações particularmente necessitadas desta oferenda e desta consagração”, mas as palavras desta frase, que abrange várias nações, não deixa entrever a Rússia, ao passo que o texto de Pio XII era mais límpido, pois que mencionava “o ícone […] escondido e guardado para dias melhores”.

[65] ORLF, de 27 de março de 1984, p. 5.

[66] Irmão François de Marie-des-Anges, Fatima, joie intime, événement mondial, ibid., p. 363-364.

[67] As hesitações e imprecisões de linguagem se originam mormente do fato de que a noção de Imaculado Coração de Maria é de difícil compreensão ao atual clero oficial. Chegou a declarar o Cardeal Ratzinger: “Indica-se como caminho […] – caminho surpreendente para pessoas provenientes da atmosfera cultural anglo-saxônica e germânica – a devoção ao Imaculado Coração de Maria. (Cardeal Joseph Ratzinger, Compreender a mensagem de Fátima, DC 2230, p. 681. Este texto é parte do dossiê O Segredo de Fátima, que a Congregação para a Doutrina da Fé publicou em 27 de junho de 2000.) Terrível é esta frase: se dermos crédito a ela, a mensagem de Fátima, centrada no Imaculado Coração de Maria, não seria universal, mas abrangeria tão-somente países latinos, os únicos capazes de compreendê-la.

[68] Irmão François de Marie-des-Anges, Fatima, joie intime, événement mondial, ibid., p. 361 [N. do T.: ver também www.fatima.org/span/crusader/cr83/cr83pg20.pdf, acessado em 31 de outubro de 2011].

[69] Começou a desmantelar-se a cortina de ferro em 9 de novembro de 1989. Sobre o tema consulte-se a obra de Pascal Bernardin, L’Empire écologique, Cannes, Éditions Notre-Dame des Grâces, 1998, cap. II. Explica o autor que a Perestróica, preparada havia muito pela KGB, marca nova fase da Revolução Mundial. – Ver também, de Hélène Blanc, KGB connexion, Le système Poutine, Éditions Hors Commerce, 14/18 rue Kléber, 75012 Paris, 2004 (www.horscommerce.com)

[70] Déclaration de la Commission mixte internationale pour le dialogue théologique entre l’Église catholique et l’Église orthodoxe, DC 2077, 1º e 15 de agosto de 1993, p. 714.

[71] Pe. Joaquin Alonso, La Verdad Sobre el Secreto de Fatima, Fatima sin mitos, Madrid, Ejercito Azul, 1988, p. 78. Transcrita de www.fatima.org/span/peaceconf/brazil_2007/transcripts/jv2.pdf (consultado em 19 de outubro de 2011).

[72] Ver Irmão François de Marie-des-Anges, Fatima, joie intime, ibid., p. 374 [N. do T.: tradução da versão francesa].

[73] O Irmão François de Marie-des-Anges, em Jean-Paul Ier, le pape du secret, Saint-Parres-lès-Vaudes, CRC, 2003, p. 451, dá certo número de testemunhos sobre o tema. Afirma o Pe. Caillon: “O Papa disse que já se fez a consagração. Ele obrigou a Irmã Lúcia a dizer a mesma coisa.”

[74] DC, de 16 de julho de 200, ibid., p. 673 [N. do T.: tradução da versão francesa].

[75] Como falaremos adiante, perseguições morais e administrativas ainda seviciam o catolicismo na Rússia. Não esqueçamos que as perseguições físicas continuam, por ex., na China e na Coréia do Norte. Ver sobretudo Harry Hu: Retour au Laogai, La vérité sur les camps de la morte dans la Chine d’aujourd’hui, Paris, Belfond, 1996;

[76] Os aliados da tese também sairam em sua defesa. Assim, em La Nef nº 158, de março de 2005, num artigo intitulado: “In memoriam Soeur Lucie”; Alian de Penanster não hesita em escrever: “Em 1985, [Irmã Lúcia] respondeu que enfim a condição [exigida por Nossa Senhora para se converter a Rússia] cumpriu-se e Maria estava satisfeita. Daí aconteceu à Rússia Gorbatchev e a Perestróica. A conversão da Rússia poderia começar.” Notemos antes do mais um grosseiro erro cronológico: foi a partir de 1989, e não de 1985 – após o começo da Perestróica, e não antes – que Irmã Lúcia começava a mudar de discurso. Por outro lado, parece que Alain de Penanster ignora a situação atual da Rússia: veremos mais adiante o que resultou da “conversão” do país.

[77] Afirma claramente o Cardeal Ratzinger: “Antes de tudo, temos de afirmar com o Cardeal Sodano: “A Mensagem de Fátima se relaciona inteiramente com acontecimentos que, agora, pertencem ao passado”. (DC 2230, de 16 de julho de 2000, p. 683.) [N. do T.: ver também http://www.fatima.org/port/essentials/opposed/croncvrport.asp]

[78] É possível assinalarmos a ação perseverante e corajosa do Pe. Nicholas Grüner, diretor da revista Fatima Crusader. (Ver Le Sel de la terre 39, p. 249)

[79] ORLF, de 1º de janeiro de 2002, p. 6.

[80] Este fascículo está reproduzido em DC2230, ibid. [N. do T.: encontra-se a tradução oficial em português deste fascículo em http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/ cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_20000626_message-fatima_po.html, acesso em 22 de outubro de 2011]

[81] DC, ibid., p. 679. [N. do. T.: remeta-se o leitor ao endereço eletrônico acima] – Já sublinhamos que o Pe. Dhanis era o principal responsável pelo descrédito que Roma votava à autenticidade do segredo de Fátima.

[82] O cardeal está misturando as coisas: a visão do inferno e a do terceiro segredo é possível que Deus as tenha causado na imaginação das crianças, o que não quer dizer que seriam tais visões uma invenção. Contudo, grave seria a pretensão de que se houvesse inventado a visão de Nossa Senhora: que fazer então com os fenômenos atmosféricos que todos constaram, e sobretudo com o milagre do sol, testemunhado por 70.000 pessoas, dentre as quais inúmeros incréus? (O cardeal não alude a este milagre em seu texto). Em razão da queimadura que o brilho da luz da aparição causou em seus olhos, Irmã Lúcia teve de usar óculos pelo resto da vida. Ver Le Sel de la terre 43 (editorial) e 53 (artigo sobre o reavivamento miraculoso de Portugal, no parágrafo sobre os fenômenos atmosféricos vinculados à aparição).

[83] DC, ibid., p. 680, 682. [N. do T.: remeta-se o eleitor etc.] – Um comentário de conclusão ao segredo nestes termos é decerto um escândalo.

[84] Interessante notar que Mons. Bertone, agora cardeal, foi o enviado do Vaticano para celebrar os obséquios de Irmã Lúcia em 15 de fevereiro de 2005, impondo ele os selos na porta da cela da religiosa.

[85] Ver o artigo “Le renouveau miraculeux du Portugal”, em Le Sel de la terre 53.

[86] Artigo de Pierre Lagier: “L’alcoolisme, fléau de la Russie”, em La Montagne (jornal local da região de Clermont-Ferrand), de 15 de outubro de 2000.

[87] Artigo de Alain Blum: “La mortalité augmente”, em La Croix, de 6 de maio de 2005, caderno central p. II

[88] Artigo de Jean-Claude Chesnais: “L’Europe centrale deviendra aussi une etrre d’immigration”, em Le Figaro, de 12 de agosto de 2002.

[89] Artigo de Evgueni Primakov: “Les trois handcaps de la Russie”, em Le Figaro, de 3 de setembro de 2002. – Acerca da demografia russa, remeta-se o leitor ao estudo de Alexandre Avdeev e Alain Monnier, publicado pelo Instituto Nacional de Estudos Demográficos (INED) em 1996: Mouvements de la population de la Russie, 1959-1994: tableaux démographiques. – ver também Alain Blum, Naître, vivre et mourrir en URSS, Paris, Payot, 2004.

[90] “Um comunicado da agência Associeted Press, de 9 de agosto de 2001, revelou que em Moscou existe um centro de pornografia infantil ligado a outro organismo semelhante no Texas”, escreveu John Vennari em Catholic Family News, de fevereiro de 2002, p. 17.

[91] Entrevista do Pe. Hector Muñoz O.P. ao Sr. Humberto J. Macchi, publicado no semanário argentino Cristo Hoy, de 30 de setembro de 1999, p. 18 [N. do T.: tradução da versão francesa].

[92] Ver o artigo de Pascal Bernardin, “La Russie répandra ses erreus”, em Le Sel de la terre 53.

[93] Irmã Lúcia, Apelos da mensagem de Fátima, Fátima, Ed. Secretariado dos Pastorinhos, 2003, p. 78. Todavia, os editores da obra não hesitaram em reproduzir uma fotografia do ato de 1984 com a seguinte legenda: “Na praça de São Pedro, em Roma, o Papa João Paulo II, diante da Imagem da Capelinha, em união com todos os bispos da Igreja, consagra o mundo e a Rússia ao Imaculado Coração de Maria (25 de março de 1984).” Encontra-se a fotografia e a legenda nas Memórias de Irmã Lúcia, do Secretariado dos Pastorinhos, Fátima, 2003, p. 155.

[94] João Paulo II, “O sonho de um mundo livre de guerras”, ORLF, de 9 de setembro de 2003, p. 1-2. Comentamos este texto em Le Sel de la terre 47, p. 248-253.

[95] João Paulo II, “Mensagem de celebração da Jornada Mundial da Paz, de 1º de janeiro de 2005”, ORLF, de 21 de dezembro de 2004, p. 6.

[96] Em realidade, a visão de Isaías é uma profecia sobre a Igreja, que reuniria todos os povos sob a mesma fé, e não sobre um conglomerado em que cada qual conservaria sua religião.

[97] João Paulo II, ORLF, de 9 de setembro de 2003, ibid.

[98] Irmã Lúcia, Apelos da mensagem de Fátima, ibid., p. 239 e 242.

[99] Irmã Lúcia, Apelos da mensagem de Fátima, ibid., p. 253.

[100] Citação do Pe. de Marchi em Temognages sor les apparitions de Fatima Fátima, Ed. Missões Consolata, 1966, p. 279. [N. do T.: Ver também Irmã Lúcia, O Segredo…, São Paulo, ibid., p. 93]– Versa sobre uma aparição particular da Virgem Maria à Jacinta, de que tomamos conhecimento por mãe desta, D. Olímpia. Jacinta entendeu que o que a Santa Virgem pedia era se não comesse carne (vianda) nos dias interditos! Mas Jacinta também acrescentava: “Virão modas que ofenderão muito a Nosso Senhor.”

[101] Carta de Irmã Lúcia, de 18 de maio de 1936, que o Pe. A.M. Martins S.J. reproduziu em Memórias e cartas de Irmã Lúcia, ibid, p. 415 [Ver também Irmã Lúcia, O Segredo…, ibid.]

[102] Nota da Agência France-Presse, de 13 de abril de 2005.

[103] Nota da agência americana Associeted Press, de 4 de abril de 2005.

[104] ORLF, de 5 de abril de 2005, p. 13. Notemos que se colocou um pedaço do Muro de Berlim, protegido sob uma redoma de vidro, numa das entradas mais movimentadas da grande esplanada do Santuário de Fátima. Ao lado dele encontra-se escrito em português uma frase da homilia de João Paulo II em Fátima, em 12 de maio de 1991: “Obrigado, celeste pastora, por terdes guiado com carinho maternal os povos para a liberdade!” (ORLF, de 28 de maio de 1991, p. 7)

[105] João Paulo II, Entrez dans l’espérance, Paris, Plon-Mame, 1994, p. 204 (Título em português: Cruzando o Limiar da Esperança, Francisco Alves, 1994, p. ).

[106] Mons. Marcel Lefebvre, Homélie du dimanche de Pâques, 22 avril 1984, à Êcône, extraído do magnífico CD: Pour l’amour de l’Église, le Christ-Roi, Homélies et allocutions de Mgr Lefebvre, de cuja edição se encarregou o setor de gravações do Seminário S. Pio X (CH – 1908, Riddes), volume 1.

[107] Texto citado por Pe. Alonso em Marie sous le symbole du coeur, ibid., p. 42.

[108] Carta citada por Pe. Alonso em Marie sous le symbole du coeur, ibid., p. 43.

[109] Em 1936 Irmã Lúcia esclarecera que Nosso Senhor lhe dissera também: “Fá-la-ão [o ato de consagração] mas será tarde. A Rússia terá já espalhado os seus erros pelo mundo, provocando guerras e perseguições à Igreja. O Santo Padre terá muito que sofrer”.

[110] A consagração, renovada em 13 de maio de 1938, salvará Portugal dos efeitos da revolução comunista na Espanha e da II Guerra Mundial.

[111] Rússia, México e Espanha.

[112] A carta de 1940 a Pio XII permanecera secreta.

[113] Carta reproduzida em Itinéraires, de novembro de 1980, p. 152-153.

[114] Ver Jean Guitton, Dialogues avec Paul VI, Paris, Fayard, 1967, p. 26-32. Jean Guitton, logo após a entrevista, apressar-se-á em difundir a novidade à nata do modernismo francês (ver o irmão Michel de la Sainte-Trinité, Toute la vérité sur Fatima, t. 3, p. 234.)

[115] Demonstrou-o com mestria o Papa São Pio X na encíclica Pascendi, em que constata que o modernismo é “o esgoto coletor de todas as heresias.”

[116] Ver L’affaire Pax en France, suplemento da Revista Itinéraires nº86 (3º trimestre de 1964).

[117] Ver Le Sel de la terre 43, p. 29,30.

[118] Ver a obra de Ulisse Floridi, Moscou et le Vatican, Paris, France-Empire, 1979.

[119] Ver o Irmão François de Marie-des-Anges, Jean Paul Ier, le pape du secret, Saint-Parres-lès-Vaudes, CRC, 2003, p. 399-404. – João Paulo I quis guardar segredo das conversações com Mons. Nikodim. Nada permite a confirmação da idéia que Vladmir Volkov divulgou no seu romance O Hóspede do Papa (2004), segundo a qual essa entrevista centrava-se em Fátima.

[120] Ver o Irmão François de Marie-des-Anges, Jean-Paul Ier, ibid., p. 410.

[121] Ver o Irmão François de Marie-des-Anges, Jean-Paul Ier, ibid., p. 449.

[122] A reprodução do sermão da missa e o texto de consagração está em Le Sel de la terre 53.

[123] Ver o Irmão François de Marie-des-Anges, Fatima, joie intime, ibid., p. 374.

[124] N. do T.: Segundo a confissão de um dos agressores ao Pe. Grüner, foi Mons. Luciano Guerra quem ordenou lhe aplicassem a tareia; neste particular caso, não há de que duvidar: nomen est omen.

[125] Ver a apreciação crítica do livro de Evaristo, Fatima, soeur Lucia témoigne, le message authentique, do Sr. Pe. Delestre, em Le Sel de la terre 35, p. 72-88; ver também os arrazoados do Sr. Paul Chaussée sobre o tema em Le Sel de la terre 39, p. 250-254. – Citemos apenas dois fatos que permitem o julgamento da falta de seriedade desta obra. Para que se desse crédito à consagração da Rússia, embora não a tivessem nomeado, põe Evaristo as seguintes palavras na boca de Irmã Lúcia: “O que importa é a sua intenção, como quando um padre tem a intenção de consagrar uma Hóstia”. Mas se o padre não pronuncia as palavras da consagração, a hóstia não fica consagrada! Irmã Lúcia ainda teria dito que Gorbachev na visita ao Vaticano se ajoelhara diante do Papa, a fim de lhe pedir perdão; o porta-voz da Santa Sé, em 2 de março de 1998, desmentiu em público esta última afirmação. – O livro, lançado em português em 1998, foi traduzido e difundido em francês pela Editora Fleurus-Mame em 1999, com uma apresentação de 45 páginas de Yves Chiron.

[126] ORLF, de 25 de setembro de 2001, p. 11. Ver Le Sel de la terre 39, p. 249.