AMAI OS VOSSOS INIMIGOS E ORAI POR AQUELES QUE VOS PERSEGUEM: UM EXEMPLO DO VIETNÃ

Ho Ca Dau, um vietnamita de 27 anos, compara sua conversão à de São Paulo. Durante 10 anos, ele tentou fazer com que os cristãos de seu vilarejo fossem presos: considerava-os uma “força reacionária” que ameaçava o governo comunista. “Um dia desmaiei de fome na beira da estrada. Um transeunte católico me levou ao hospital e custeou minhas despesas médicas”, diz Ho, que foi batizado na Páscoa deste ano.…

Fonte: La Porte Latine – Tradução: Dominus Est

Ho Ca Dau converteu-se ao catolicismo depois de trabalhar durante quase uma década para que os cristãos fossem presos, acusando-os de “colocar a sociedade em perigo” por se oporem ao comunismo. O jovem vietnamita, de 27 anos, nasceu em uma família ateia em um vilarejo na província de Quang Tri, na região central do Vietnã. Em seu vilarejo, os cristãos eram tratados como uma “força reacionária” que lutava contra o governo comunista. Seu pai, soldado e membro do Partido Comunista, havia lhe dito que as forças religiosas, como o cristianismo, eram um insulto aos nativos indígenas e prejudiciais às causas revolucionárias.  “Não há Deus no mundo, e os seres humanos podem fazer qualquer coisa“, disse-lhe também seu pai.

Ho Ca Dau estudou num internato público onde se juntou a uma organização sócio-política local (União da Juventude Comunista de Ho Chi Minh), treinando os seus jovens membros nos ideais comunistas. Depois de terminar o ensino secundário em 2015, voluntariou-se como miliciano para manter a ordem social e a segurança em seu vilarejo. Ele fez o possível para agradar seus superiores “perseguindo, vasculhando e espionando as pessoas” que chegavam ao vilarejo vindas de outras regiões. Pessoas que vinham tentar vender peixe seco, açúcar, leite, óleo de cozinha e roupas, ou mesmo cadernos, aos moradores.

Eu suspeitei que eles divulgassem ilegalmente o catolicismo. Acusei-os de pôr em perigo a segurança da sociedade.” Em 2016, ele prendeu cinco deles por carregarem “cruzes e cópias da Bíblia em suas bolsas“. Eles ficaram detidos por um dia antes de serem liberados. Ho Ca Dau via a cruz como uma força “maligna” e impedia ativamente que os católicos do vilarejo se reunissem para rezar. Continuar lendo

ESPECIAIS DO BLOG: PACIÊNCIA E IMPACIÊNCIA

Oração não é fórmula mágica

Em mais uma Operação Memória de nosso blog, colocamos abaixo os links para uma série de publicações do Bulletin Hostia, publicação da SSPX Great Britain & Ireland.

O PRIMEIRO DEGRAU DA PACIÊNCIA

O SEGUNDO DEGRAU DA PACIÊNCIA

O TERCEIRO DEGRAU DA PACIÊNCIA

NA IMPACIÊNCIA

A IMPACIÊNCIA NAS EXPRESSÕES FÍSICAS

SOBRE A RECLAMAÇÃO

RESISTÊNCIA À TENTAÇÃO

PACIÊNCIA NAS TENTAÇÕES

SOBRE A PACIÊNCIA NAS DOENÇAS

A PACIÊNCIA SOB O LUTO

A PACIENCIA SOB O DESPREZO

A PACIÊNCIA DE JÓ

A PACIÊNCIA DE MARIA

A PACIÊNCIA DE JESUS CRISTO

A PACIÊNCIA DOS SANTOS

A PACIÊNCIA DOS MÁRTIRES

A PACIÊNCIA DOS ANJOS

A PACIÊNCIA DAS ALMAS SANTAS

PRIMEIRO FRUTO DA PACIÊNCIA: A PAZ

SEGUNDO FRUTO DA PACIÊNCIA: A ESPERANÇA

TERCEIRO FRUTO DA PACIÊNCIA: A ALEGRIA

DIRETOS NATURAIS E “DIREITOS HUMANOS”

Direitos Naturais - Direito Natural e o Contrato Social

Juan Carlos Iscara, FSSPX

“Direito” (ius) é definido por São Tomás em termos estritamente objetivos como uma ipsa res iusta, uma coisa justa, algo que é devido. Essa “coisa justa” sempre é um bem honesto. Portanto, é uma contradição referir-se a atos pecaminosos como “direitos”.

Para melhor explicar a noção do que é devido, a doutrina católica distingue entre direitos inatos e direitos adquiridos.

Direitos inatos são estritamente naturais, absolutos, fundados na natureza do homem. Eles advêm do fim necessário do homem, a que ele está destinado por sua natureza. Essa necessidade natural lhe dá o direito de fazer, sem ferir o próximo, o que é necessário para atingir seu fim. Esses direitos são inerentes à natureza humana; eles não podem ser alienados ou extintos no que diz respeito a sua substância, embora um indivíduo possa abster-se de seu exercício quando ele não estiver obrigado a exercê-lo, e até mesmo renunciar a eles formalmente para buscar uma perfeição maior.

Direitos adquiridos são fundados em um fato livre, contingente – isto é, algo que poderia ou não ter acontecido, dependendo da ação livre de alguém. Por exemplo, eu posso escolher comprar um livro ou não, mas, uma vez que tenha decidido comprar um livro e cheguei a um acordo com o vendedor, o livro é meu, e o pagamento é do vendedor. Esses direitos podem ser perdidos ou transferidos a outro.

Em consequência, podemos dizer que os verdadeiros direitos naturais do homem são inerentes à sua própria natureza. Em relação a Deus, o homem não tem direitos; mas, em relação a outros homens, ele tem o direito de usar bens que sejam conformes a sua natureza – isto é, os bens que lhe sejam devidos. Continuar lendo

BREVE CATECISMO SOBRE A IGREJA E O MAGISTÉRIO – CONCLUSÃO

Fonte: Sì Sì No No, ano XXXIX, n. 18 – Tradução: Dominus Est

Leia o capítulo anterior clicando aqui.

1°) Se – em matemática – o número 1 for removido, todos os outros números desaparecem. Assim – em teologia – se a Sé suprema for removida, a Igreja deixa de ter alicerces e desaba como uma casa da qual é removida a fundação. Mas isso é um absurdo, tornado impossível pelas promessas de Jesus à sua Igreja.

2°) ‘Pedro’ ou Cefas significa ‘Pedra’: “Petra autem erat Christus” (1 Cor. X, 4). A Igreja coincide com Cristo e se funda em Cristo, sua Cabeça invisível, e ao mesmo tempo com/sobre Pedro, seu chefe visível: Ubi Petrus ibi Ecclesia.

3°) Pedro e Cristo são Pessoas em ato, não em potência. Caso contrário teríamos, além do “Cristo cósmico” de Teilhard de Chardin, o “Papa cósmico” e a “Igreja cósmica”.

4°) A Igreja tornou sua a filosofia e a teologia do ser estavelmente imutável e repudiou aquela do devir em contínua mudança ou em “movimento perpétuo”. A Tese do Papado material ou em potência está no devir e, portanto, é contrária à reta razão, à reta teologia e ao “sentire cum Ecclesia”. Continuar lendo

EM ISRAEL, OS ATOS ANTICRISTÃOS SE MULTIPLICAM

Em um relatório publicado em 4 de junho de 2024, o Rossing Center for Education and Dialogue (Centro Rossing para Educação e Diálogo), organização sediada em Jerusalém, aponta para um aumento nos ataques contra cristãos no Estado judeu, particularmente na parte oriental da Cidade Santa, durante o ano de 2023.

Fonte: DICI – Tradução: Dominus Est

Os massacres perpetrados pela organização terrorista Hamas contra o Estado de Israel em 7 de outubro de 2023, resultando na morte de 1.160 pessoas e a tomada de 240 civis como reféns, tenderam a ofuscar outras notícias mais discretas, mas igualmente dramática: o aumento alarmante de atos anticristãos em território israelense durante o ano de 2023.

De acordo com o estudo, houve 11 casos de assédio verbal, 7 ataques violentos, 32 ataques a propriedades da igreja, 1 profanação de cemitério e 30 casos oficialmente relatados de cuspidas contra clérigos e peregrinos. O relatório observa que todos os clérigos com quem o Rossing Center conversou disseram que receberam cuspidas várias vezes por semana. Continuar lendo

BREVE CATECISMO SOBRE A IGREJA E O MAGISTÉRIO – AS QUATRO CONDIÇÕES DA INFALIBILIDADE DO MAGISTÉRIO EXTRAORDINÁRIO E ORDINÁRIO

Fonte: Sì Sì No No, ano XXXIX, n. 18 – Tradução: Dominus Est

Leia o capítulo anterior clicando aqui.

A constituição ‘Pastor Aeternus’ do Concílio Vaticano I estabelece as condições necessárias para a infalibilidade das definições pontifícias extraordinárias ou ordinárias. Ensina que o papa é infalível “quando fala ex cathedra, isto é, quando, no exercício do cargo de Pastor e Doutor de todos os cristãos, em virtude da sua suprema autoridade apostólica, define uma doutrina relativa à Fé e aos Costumes, que deve ser sustentada por toda a Igreja” (DB 1834).

Portanto, as condições necessárias para que haja um pronunciamento infalível do Magistério pontifício extraordinário ou ordinário são quatro: 1°) que o Papa fale como Doutor e Pastor universal; 2°) que use a plenitude da sua autoridade apostólica; 3°) que manifeste claramente o desejo de definir e obrigar a crer; 4°) que trate de fé ou da moral.

O ponto crucial é a terceira condição, ou seja, que haja a intenção de definir e obrigar a crer. É, com efeito, fundamental que fique claro, de uma forma ou de outra, que o papa quer definir (de maneira “ordinária” ou “extraordinária”) uma verdade que deve ser acreditada obrigatoriamente, pois é divinamente revelada. Continuar lendo

16 DE JULHO – NOSSA SENHORA DO CARMO

12madonn_1467607

BREVE CATECISMO SOBRE A IGREJA E O MAGISTÉRIO – MAGISTÉRIO, INTÉRPRETE DA TRADIÇÃO

cidade-estado vaticano

Fonte: Sì Sì No No, ano XXXIX, n. 18 – Tradução: Dominus Est

Leia o capítulo anterior clicando aqui.

Tanto na Escritura como nos Padres o conceito de verdadeira Tradição está sempre ligado:

1°) à Assistência de Deus, pois sem a ajuda do Espírito de Verdade a pureza do ensino oral não poderia ser preservada;

2°) ao Magistério, que embora não seja a Tradição, é o órgão pelo qual ela é transmitida; o sentido pleno da Tradição só pode ser obtido sob a condição de manter juntos seus dois aspectos, o passivo (objeto transmitido) e o ativo (sujeito transmissor), dos quais o segundo é tão importante, que uma “tradição” do primeiro século, mas não atestada pelo Magistério da Igreja, não constituiria uma ‘verdadeira’ Tradição divino-apostólica; no máximo teria o valor de documentação histórica.

Há uma distinção, mas não uma separação entre o Magistério e a Tradição, ou seja, a Igreja é como uma Mestra (Magistério) que possui e transmite a Escritura (Bíblia) e a Tradição (Denzinger), tem um livro oficial (Bíblia mais Denzinger) e explica o verdadeiro significado para os alunos; se um estudante não compreender bem o significado do Livro, poderá pedir explicações à Mestra e ela lhe esclarecerá. De tudo isso resulta a tarefa essencial, e não menor ou mesmo contingente, que o Magistério desempenha ao dar, “todos os dias até ao fim do mundo”, a correta interpretação ativa ou subjetiva/formal do conteúdo dogmático-moral da Tradição, tendo garantido ontem a veracidade do conteúdo passivo ou objetivo/material[1]. Continuar lendo

OS IRMÃOS DA FSSPX

Fonte: FSSPX Portugal

Membros de uma sociedade sacerdotal

«A Fraternidade de São Pio X é uma sociedade sacerdotal de vida comum sem votos, seguindo o exemplo das sociedades das Missões Estrangeiras.» Como tal, está centrada no sacerdócio e na sua razão de ser, que é o santo sacrifício da Missa. 

Mons. Lefebvre, tendo constatado a inestimável ajuda dada pelos irmãos aos sacerdotes da sua congregação dos Padres do Espírito Santo, quis agregar uma comunidade de irmãos auxiliares aos sacerdotes da Fraternidade.

Religiosos

Os irmãos da Fraternidade pronunciam votos religiosos que os unem estreitamente ao Divino Mestre. Consagrando-se a Deus na vida religiosa, tal como os frades capuchinhos, os beneditinos ou os dominicanos, o seu primeiro objectivo é a glória de Deus, a sua santificação e a salvação das almas. A única palavra «religioso» resume, exprime e revela a especificidade da sua vocação. Os irmãos da Fraternidade são religiosos. Têm os deveres, mas também os privilégios!

Qualquer que seja a sua actividade exterior, toda a sua vida assume uma dimensão sobrenatural apaixonante. A vocação de irmão é definida em relação a Deus, não em relação ao homem. Longe de serem essencialmente trabalhadores manuais, eles são, como os sacerdotes, homens de Deus. Continuar lendo

OS PAÍSES OCIDENTAIS APOIAM A ONU NA LUTA CONTRA GRUPOS PRÓ-VIDA E PRÓ-FAMÍLIA

Os países ocidentais apoiam a ONU na luta contra grupos pró-vida e pró-família

Fonte: Medias Presse Info – Tradução: Dominus Est

A agência populacional da ONU, empenhada em combater o “retrocesso” da agenda de direitos sexuais promovida por grupos “anti-direitos”, tem recebido apoio dos governos ocidentais em sua causa. Natalia Kanem, diretora executiva do UNFPA, destacou perante o seu Conselho a existência de uma resistência significativa à saúde e aos direitos sexuais e reprodutivos, atribuível não apenas a uma organização bem financiada e orquestrada, mas também a dúvidas generalizadas sobre a sexualidade humana.

Pró-vida rotulados como “anti-direitos

Os rótulos “anti-direitos” e “resistência” são frequentemente utilizados pela ONU para designar grupos tradicionais pró-vida e pró-família.

Esses conceitos foram desenvolvidos pela primeira vez na ONU no contexto da oposição às políticas pró-vida do governo Trump.

Retrocesso para a política globalista mortal

O Canadá lamentou o “número crescente de retrocessos na saúde e nos direitos sexuais e reprodutivos” e garantiu ao UNFPA que estava “empenhado em fornecer apoio para combater e reverter esses retrocessos”. Só em 2022, o Canadá contribuiu com 72,8 milhões de euros para o UNFPA. Em seu orçamento integrado para 2022-2025, o UNFPA propôs uma contribuição total de 5 bilhões de dólares para a agência. Continuar lendo

BREVE CATECISMO SOBRE A IGREJA E O MAGISTÉRIO – OS LUGARES TEOLÓGICOS E O MAGISTÉRIO

Da Praça São Pedro, a entrada em procissão na Basílica de São Pedro para a abertura do Concílio Vaticano II, em 11 de outubro de 1962

Fonte: Sì Sì No No, ano XXXIX, n. 18 – Tradução: Dominus Est

Leia o capítulo anterior clicando aqui.

Uma perigosa novidade

Alguns “hiper-tradicionalistas”, partidários da “sola Traditio sine Magisterio” [só a Tradição sem o Magistério], afirmam que o Magistério não é um lugar teológico. Portanto, segundo eles, não existe fórmula mais equívoca do que aquela segundo a qual o Magistério interpreta a Tradição.

Em primeiro lugar, Jesus Redentor é Mestre, Pastor e Sacerdote (cf. Jo. XIV, 16). Jesus é a Verdade (“Ego sum veritas”), porque enquanto Mestre ensina os mistérios que dizem respeito à salvação. Pois, por causa do pecado original, a ignorância entrou no mundo graças ao diabo tentador, que é o mestre do erro (Jo. VIII, 44). Jesus Redentor, que veio para “destruir as obras do demônio” (1Jo. III, 8), tinha antes de tudo que eliminar o erro e as trevas do espírito dos homens e trazer a luz da verdadeira sabedoria, a única que nos liberta: “Veritas liberabit vos” (Jo. VIII, 32). “Nihil volitum, nisi praecognitum”: ninguém pode querer percorrer o caminho que conduz à vida eterna se não lhe for previamente ensinado qual é o Fim e o caminho que conduz a ele. Depois de ter dissipado o erro e ensinado a verdade, o Redentor conduz-nos, enquanto Pastor, no caminho para o Céu (“Ego sum via”). Finalmente, como sacerdote, reconcilia-nos com Deus e dá a graça que é a vida sobrenatural da alma (“Ego sum vita”).

Jesus, portanto, chamou a si mesmo de Verdade (Jo. XIV, 6), aceitou o título de Mestre (Jo. XIII, 13) e afirmou ser o único Mestre dos homens (Mt. XXIII, 10: “porque um só é vosso Mestre, o Cristo”). Cristo transmitiu então o Magistério ou o seu poder docente aos apóstolos para que ele fosse continuado para sempre (Mt. XXIX, 19), consciente da sua imprescindibilidade para a salvação das almas. Os Padres da Igreja chamam a Jesus de “Nosso único Mestre” (Santo Inácio de Antioquia, Magn., IX, 1). Continuar lendo

A IGREJA DA NOVA LITURGIA

“A questão da inserção da liturgia nascida do Concílio em igrejas edificadas antes do referido Concílio ajuda a compreender seus fundamentos, implicações e resultados.”

Pelo Pe. Gregoire Célier, FSSPX

A reforma litúrgica foi um dos elementos mais importantes das evoluções decorrentes do Concílio Vaticano II, talvez o mais significativo. Uma citação de Paulo VI, em 13 de janeiro de 1965, entre muitas outras possíveis, recorda-o oportunamente: “A nova pedagogia religiosa que quer instaurar a presente renovação litúrgica se insere, para ocupar quase que o lugar de motor central, no grande movimento inscrito nos princípios constitucionais da Igreja de Deus,  tornado mais fácil e mais imperioso pelo progresso da cultura humana.

Logo, é conveniente se voltar a essa reforma litúrgica para compreender melhor os seus fundamentos, implicações e resultados. 

Aqui, propomos fazê-lo por meio do “edifício igreja”. A questão da inserção da liturgia nascida do Concílio em igrejas edificadas antes do referido Concílio é, com efeito, particularmente característica para a apreciação da mudança operada pela reforma. Continuar lendo

BREVE CATECISMO SOBRE A IGREJA E O MAGISTÉRIO – A INFALIBILIDADE DO MAGISTÉRIO

Decreto regulamenta os mandatos de governo nas associações internacionais  de fiéis - Vatican News

Fonte: Sì Sì No No, ano XXXIX, n. 18 – Tradução: Dominus Est

Leia o capítulo anterior clicando aqui.

Monsenhor Gherardini aborda também a questão da Infalibilidade do Magistério (p. 91).

Primeiramente, só Deus é absolutamente infalível por natureza. Ele é a própria Verdade subsistente que não pode se enganar e nem nos enganar, assim como só Deus é o próprio Ser por essência, enquanto as criaturas têm o ser por participação, ou seja, recebem-no de Deus, em um mundo limitado e finito, proporcional à sua natureza. Analogamente, o Magistério eclesiástico é infalível[1] não por essência e absolutamente, mas por participação; isto é, a Igreja (ou o Papa) recebe a infalibilidade de Deus sob quatro condições específicas (se ensina como Doutor Universal, em matéria de Fé e Moral, com intenção de definir e, finalmente, com intenção de obrigar a crer para a salvação da alma).

A infalibilidade do Magistério (ou o Magistério infalivelmente assistido com o fim de não cair em erro) é garantida por Deus Espírito Santo (p. 92), o “Espírito da Verdade” (Jo. XIV, 16). Ele, disse Jesus aos seus Apóstolos, “vos guiará no caminho da verdade integral […]. Ele Me glorificará, porque receberá do que é meu e vo-lo anunciará.” (Jo. XVI, 13-15).

Como se vê, Jesus estabeleceu um vínculo estreitíssimo entre a Verdade que o Espírito Santo, que procede do Pai e do Filho, deverá comunicar e explicar à Igreja, a sua própria Pessoa do Verbo Encarnado, a sua obra e seu ensinamento. O Espírito Santo é o “aperfeiçoador da obra de Redenção iniciada por Cristo” (Leão XIII, Encíclica Divinum illud munus, 1897). Portanto, o início de uma Terceira Era ou Igreja pneumática não pode ser atribuída ao Paráclito, como queria Joaquim de Fiore, mas apenas pode-se atribuir a Ele o aperfeiçoamento da Nova e Eterna Aliança da Igreja petrina nascida do Sangue de Cristo. Continuar lendo

ORDENAÇÕES AO SACERDÓCIO E DIACONATO NO SEMINÁRIO SAGRADO CORAÇÃO (FSSPX), EM ZAITZKOFEN, NA ALEMANHA – 2024

O Seminário Sagrado Coração (Herz Jesu) localizado em Zaitzkofen, na Baviera, perto de Regensburg, tem formado os sacerdotes de língua alemã da FSSPX, lituanos, holandeses, poloneses, russos, eslovacos, eslovenos, suíços, tchecos…

No dia 29 de junho, D. Tissier de Mallerais ordenou 3 diáconos: 1 alemão e 2 suíços. Também conferiu o sacerdócio a 2 seminaristas: 1 húngaro e 1 tcheco.

NÃO COLOQUE SUAS ORAÇÕES DE FÉRIAS

ferias

Com as férias, às vezes é difícil cumprir os horários, e a vida de oração pode ser prejudicada.

Fonte: Lou Pescadou n° 201  – Tradução: Dominus Est

Quando estávamos no primeiro ano do seminário, e as férias em família se aproximavam, nossos professores nos advertiam: as férias são um bom teste para mensurar o fervor. Longe da vida comunitária, sem parte dos serviços em comum, pode ser difícil manter uma vida de oração tão fervorosa como no seminário. Esta observação também pode ser feita a vocês, queridos fiéis. Com as férias, às vezes é difícil cumprir os horários, e a vida de oração pode ser prejudicada. Assim, para ajudá-lo a não colocar a oração de férias, gostaríamos de relembrar algumas verdades sobre essa “elevação de nossa alma a Deus”.

A primeira coisa a se convencer é que a oração é necessária. Em outras palavras: não pode não ser. É a respiração da alma. Respiramos para nos mantermos vivos. Rezamos para permanecermos unidos ao Autor da Vida. Entrentanto, uma objeção pode surgir na cabeça das pessoas: mas por que rezar, falar com Deus, fazer pedidos a Ele, já que Ele conhece tudo? O catecismo do Concílio de Trento responde. Ele diz que não somos animais sem razão, e que Deus não é uma abstração, um ser imaginário. É uma Pessoa, é nosso Pai. Portanto, é normal que seus filhos conversem com Ele. É claro que Deus poderia nos atender sem nenhum pedido, sem nenhuma oração. Mas se obtivéssemos tudo sem pedir, acabaríamos nos esquecendo do Deus para o qual fomos feitos. É por isso que Nosso Senhor Jesus Cristo diz: Devemos sempre orar (Lc 18, 1). E acrescenta um argumento decisivo, o da nossa fraqueza: Sem mim nada podeis fazer (Jo 15,5); vigiai e orai para não cairdes em tentação. O espírito está pronto, mas a carne é fraca (Mt 26,41).

O Papa Pio XII, em um discurso aos pregadores da Quaresma, disse em 1943: Ninguém pode, sem oração, guardar a lei divina por muito tempo e evitar uma falta grave. Porque a oração, diz o teólogo Garrigou-Lagrange, é o meio normal, universal e eficaz pelo qual Deus deseja que obtenhamos todas as graças atuais de que necessitamos. Lembremos que essas graças atuais são ajudas temporárias de Deus, para fazer o bem e evitar o mal. Continuar lendo

BREVE CATECISMO SOBRE A IGREJA E O MAGISTÉRIO – MAGISTÉRIO E REVELAÇÃO

Cuándo se construyó el Vaticano?

Fonte: Sì Sì No No, ano XXXIX, n. 18 – Tradução: Dominus Est

Leia o capítulo anterior clicando aqui.

O Magistério é a regra próxima da Fé, enquanto a Escritura e a Tradição são sua regra remota. Com efeito, é o Magistério da Igreja quem interpreta a Revelação e propõe que se acredite no que nela está contido como objeto de fé.

Monsenhor Brunero Gherardini, na revista Divinitas[1], explicou com mais detalhes o munus docendi da Igreja em relação às discussões que surgiram recentemente sobre a questão da relação entre a Revelação e o Magistério.

A palavra Magistério indica o Poder de ensinar, que Jesus deixou à Sua Igreja, e também o Ato e o Conteúdo do ensinamento da Igreja (p. 87).

Na Sagrada Escritura (uma das duas fontes da Revelação, juntamente com a Tradição), encontramos a definição do Magistério, especificamente no Evangelho segundo S. Mateus (XXVIII, 19): “Ide, pois, ensinai todas as gentes”, que literalmente pode ser traduzido como “Faça de todos os povos seus discípulos” (p. 87), ou “Submeta todos os povos ao seu Magistério”. É evidente, pelo que é revelado no Evangelho, que Jesus quis estabelecer um Poder docente ou magisterial na Sua Igreja (ver também Mt. XVIII, 18; Mc. XVI, 15; Lc. XXIV, 47; Jo. XXI, 15-17), embora na teologia eclesiológica a palavra “Magistério” só tenha sido usada recentemente. Continuar lendo

BOLETIM DO PRIORADO PADRE ANCHIETA (SÃO PAULO/SP) E MENSAGEM DO PRIOR – JULHO/24

Caros fiéis,

Uma de nossas fiéis era muito ativa em sua paróquia. Quando ela deixou de vir, o pároco lhe perguntou para onde estava indo. “Para a Missa Tridentina”. O padre respondeu: “Não, você tem que vir à missa humana”. Ele provavelmente estava se referindo a uma missa que estivesse próxima das pessoas. Mas sua expressão descreve perfeitamente a situação. A Missa Nova é a Missa do homem que quer se tornar Deus. A Missa Tridentina é a Missa de Deus feito homem. Essa realidade é óbvia quando se entra em uma igreja pós-conciliar: no centro do santuário, não é mais o tabernáculo que contém a Presença Real que está entronizado, mas o assento do celebrante (veja o artigo A igreja da nova liturgia, do Padre Grégoire Celier, fsspx; em nosso site).

O Padre Celier escreve: “Uma igreja, como qualquer outro edifício, reflete em sua arquitetura as ideias daqueles que a construíram. Construída para uma determinada liturgia, um determinado cerimonial, uma determinada teologia, ela necessariamente expressa esses valores. Por meio da sua organização, cria um clima particular, favorável à implantação da forma de expressão religiosa que presidiu sua concepção”. Essas considerações condenam a prática de uma “nova missa bem celebrada” atrás da qual alguns conservadores se refugiam.

O problema da nova missa não é apenas litúrgico. É um problema doutrinário. Por que a arquitetura das igrejas modernas é diferente das igrejas antigas? Porque a liturgia mudou. Por que a liturgia mudou? Porque a doutrina mudou. E qual é a doutrina por trás da nova missa? A doutrina ecumênica do Vaticano II. Paulo VI queria remover da missa tudo o que pudesse desagradar aos protestantes. Assim, a natureza sacrificial da missa e as referências à Presença Real foram removidas e, consequentemente, o papel do sacerdote – oferecer o sacrifício – foi apagado. Continuar lendo