QUANDO OS INIMIGOS SE TORNAM AMIGOS

Abbé Philippe Toulza • La Porte Latine

Pe. Philippe Toulza, FSSPX

Como explicar o declínio da evangelização na Europa? A rigor, a resposta a essa pergunta é que qualquer decréscimo no Cristianismo tem como sua causa, ao menos na porção adulta que afeta, uma falta de cooperação com a ação de Deus. De fato, a graça nunca falta; se a evangelização não se consuma, então isso se dá porque o homem, a quem ela está destinada, apresentou um obstáculo a ela. A descristianização ocorre quando, em um grupo humano, uma proporção crescente de almas não mais adere à fé ou, embora se mantendo católica, negligencia seu progresso em direção a Deus ou mesmo abandona a fé (ou a vida católica). Durante o iluminismo, o filósofo Julien de la Mettrie (1709-1751) foi um desses casos; ele nasceu em uma família católica na Bretanha, e seu pai achava que ele poderia ser um Padre. Ele preferiu dedicar-se ao estudo da medicina, o que o levou ao materialismo, ao ateísmo e ao libertinismo; ele espalhou essas convicções em seus escritos e entrou para a história como um exemplo lamentável de secularização. Aqueles responsáveis pela descristianização são, portanto, homens como ele e outros que rejeitam, em maior ou menor grau, para si mesmos ou para aqueles sob seus auspícios conforme o caso, as exigências do Reinado de Cristo.

Essa explicação põe a culpa em várias portas de entrada e, portanto, não é muito específica. Por essa razão, muitos preferem explicar essa descristianização não pelas suas verdadeiras causas, que devem ser buscadas nas almas, mas por aquilo que incita as almas a se afastarem de Cristo. Algumas dessas causas começaram a agir em Pentecostes: o demônio e o mundo. Outras causas estão mais intimamente conectadas a circunstâncias específicas, e são essas causas que nos interessam: quais delas levaram à secularização da Europa?

O pensamento moderno

Uma realidade tão complexa quanto a descristianização e realizada em um continente inteiro ao longo de vários séculos, necessariamente, é resultado de diversas causas: a perda das raízes [de um povo] devido à industrialização, a subversão das sociedades intelectuais, o apoio eclesiástico à escravidão, o avanço do hedonismo, etc. E alguns fatores trabalharam no sentido de promover outros fatores. Porém, o consenso geral é que a principal causa da descristianização é a modernidade. A começar com o Renascimento, a Europa pensou que estava redescobrindo a grandeza da natureza humana que o teocentrismo medieval, supostamente, havia escondido. Havia dúvida quanto a se a raça humana realmente tinha o pecado original e se o homem realmente precisava bater no próprio peito. Então, com o ímpeto da reforma protestante, toda autoridade religiosa parecia perigosa à liberdade; seguindo Rousseau e, após, Kant, a Europa divinizou a autonomia do homem. Assim como Descartes, no Século XVII, havia recusado argumentos que apelassem à autoridade na Filosofia, os pensadores modernos questionaram o dogma; eles não tinham mais a fé da mãe de Villon. No fim, levantes políticos como aqueles de 1789 desafiaram as instituições. Pedia-se liberdade de expressão do pensamento. A aliança entre o trono e o altar era denunciada. Padres eram suspeitos de serem gananciosos e o jugo da moralidade foi jogado fora; o ódio de Voltaire se espalhava. A diversidade religiosa, mesmo aquela entre católicos e protestantes, tornou-se um pretexto para rejeitar a autoridade dos Padres; havia tantas religiões na terra… o fato do Catolicismo ser a religião de nossos pais bastava para torná-lo mais crível que as outras? Continuar lendo

FORMAÇÃO E DEFORMAÇÃO DO HOMEM

RELIGIÃO E CARÁTER | DOMINUS EST

Dom Lourenço Fleichman

O texto a seguir é a transcrição adaptada e completada de uma conferência pronunciada a um grupo de rapazes católicos, na Capela Nossa Senhora da Conceição, em janeiro de 2012. Foi mantido o estilo coloquial.

Introdução

O meu propósito nesta conferência é tratar um problema muito sério que ocorre na vida de todos, de todas as famílias, de todos os casais. Vocês bem sabem, e não vou entrar neste detalhe, que a sociedade moderna não ataca apenas a religião e a fé, mas perverte também a natureza das coisas. No comportamento dos homens também existem distorções graves, fruto desses duzentos anos de liberalismo e dos quinhentos anos de espírito revolucionário. As transformações foram se fixando e atingiram aspectos essenciais da vida social. Assim, a tese que quero apresentar para vocês é a seguinte: “vocês não são homens”.

Por que posso dizer isso? Porque a atitude geral dos homens casados não é mais uma atitude de homem. E se assim ocorre, se a maioria dos jovens casados ingressa na vida familiar sem uma atitude de homem, é porque não estão sendo formados como homens. Apesar de freqüentarem a Capela, de serem católicos e estudarem o catecismo, vocês respiram esse ambiente cultural decadente. Por isso, preciso alertá-los antes, para que saibam agir como homens agora. Será que as mulheres os aceitarão, quando perceberem que vocês recuperaram a condição e as atitudes próprias dos homens? Talvez não. Será preciso, por outro lado, formar as mulheres, o que é outra tarefa necessária na reeducação da sociedade católica.

O problema não é saber se são homens por terem vida masculina, por usarem calças compridas e agirem exteriormente como homens. Não é a voz grossa ou a força física que falta na nossa sociedade. Eu diria mesmo que quanto menor a atitude essencialmente masculina, mais o homem engrossa a voz e ameaça com os punhos, para tentar impor-se pelo temor. Trata-se de saber o que é ser homem, o que isso significa. O mundo perdeu essa noção, e vocês a perderam juntos.

Paralelamente, o mundo levou a mulher a ocupar o lugar dos homens, a ocupar o vazio deixado pelo homem nos estudos, no trabalho, na prática da autoridade; e isso altera os fundamentos da sociedade. Continuar lendo

AS FAMÍLIAS SANTAS

Cum Petro et sub Petro: Semper: A Boa e a Má Educação dos Filhos, Segundo  S. Afonso M. de Ligório.

Apresentamos uma coleção de nomes de Santos que tiveram algum laço de parentesco entre si, constituindo assim “famílias Santas”.

As informações foram extraídas do Martirológio Romano (2014) da Editora Permanência, que pode ser comprado no próprio site da Editora clicando aqui e na Santa Cruz clicando aqui.

Agradecemos ao nosso amigo Marcos Maria Willian Francelino Gomes pelo excelente trabalho de compilação.

 ****************************

— Na Judéia a família de Nosso Senhor: São Joaquim[1] seu avô materno, Santa Ana[2], sua avó materna, Santa Maria[3], sua tia materna esposa de Cléofas.

— Na Judéia São Zacarias[4], Santa Isabel[5] e seu filho São João Batista[6].

— Em Jerusalém Santa Maria Salomé[7], mãe de São Tiago[8] maior, e de São João[9] Evangelista.

— Em Roma, São Pedro[10] Apóstolo e sua filha Santa Petronila[11] Virgem.

— Na França os Santos Irmãos São Lázaro[12] Bispo, Santa Marta[13] e Santa Maria Madalena[14], de que tanto se faz menção nos Evangelhos.

— Em Antioquia a paixão dos Santos 7 irmãos Macabeus martirizados juntamente com sua mãe — Festeja-se ao primeiro dia de agosto.

— Em Tarso, na Cilícia, as Santas Irmãs: Santa Zenais e Santa Filonila, parentes de São Paulo Apóstolo. Festeja-se aos 11 de outubro.

— Em Roma o martírio da família de São Flaviano[15], sua esposa Santa Dafrosa[16] e suas filhas Virgens Santa Bibiana[17] e Santa Demétria[18].

— Em Roma São Gregório Magno[19] Papa, sua mãe Santa Sílvia[20], suas tias Virgens Santa Emilia[21] e Santa Tarsila[22] e seu tataravô São Felix[23] III Papa,

— Em Neocesaréia no Ponto, Santa Macrina[24] avó de São Basílio[25] a quem educou na fé. São Basílio casou-se com Santa Emélia[26] e foram pais de Santos Bispos: São Basílio Magno[27], São Pedro[28] de Sebaste, São Gregório[29] de Nissa e de Santa Macrina[30] Virgem. Continuar lendo

SERMÃO DA MISSA DA SAGRADA FAMILIA, PELO PE. JEAN-FRANÇOIS MOUROUX

Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo.

Caros fiéis,

Contemplando a vida da Sagrada Família, especialmente na época da Natividade do Menino Jesus, ficamos impressionados com as provações que essa família sofreu: uma viagem enquanto a Santíssima Virgem estava grávida, um nascimento na miséria, uma ameaça de morte e o exílio no exterior. Apesar de tudo isso, em nenhum momento imaginamos qualquer perda de tempo dentro desta família, mas um recolhimento contínuo que transformava todas as dificuldades em oportunidades de méritos. No início deste ano, devemos ter esta preocupação com o equilíbrio de nossa vida para não nos desviarmos do caminho da santificação. Este equilíbrio da vida implica a saúde do corpo, a da inteligência e a da alma.

Nesse desafio, os padres estão na linha de frente. O diabo sabe que se fizer um padre cair impedirá muitas graças, especialmente por causa de todos os sacramentos que serão impedidos de serem administrados. Ele os ataca particularmente.

I

O primeiro elemento necessário para uma vida equilibrada é um corpo saudável. Quando uma alma geralmente procura fazer o bem, o demônio sabe que propor o mal diretamente a ela tem poucas chances de sucesso. Ele vai, portanto, tentar sob a aparência de bem. No caso dos padres, seria querer realizar um apostolado desenvolvido de forma imprudente. Mais cedo ou mais tarde, o padre estará exausto. Esta é uma razão frequente para a ruína da saúde dos padres. Quando se está cansado; ou se dorme demais, levanta-se tarde e não se cumpre todos os deveres; ou se desperta cedo, mas não se cumpre bem o dever de estado. A pessoa cansada perde a concentração e fica irritável. Se tal situação persistir, é prenúncio de desastre.

São Francisco de Sales costumava dizer: “O dia começa com a hora de dormir”. “Para muitos, isto significa desligar os eletrônicos. Quanto tempo e sono se perde em frente ao nosso computador ou laptop – no dia seguinte, vemos as consequências, e nosso vizinho também. Continuar lendo

AJUDE A FSSPX EM SUA CRUZADA DE ORAÇÕES, PELAS MISSAS E PELAS VOCAÇÕES

UMA IGREJA DE PERNAS PARA O AR - FSSPX.Actualités / FSSPX.News

A situação internacional está claramente se deteriorando. Um dos pontos mais críticos diz respeito à proibição das Missas públicas. Como todos sabemos que a Missa é a alavanca que levanta o mundo, só podemos nos preocupar com o futuro.

Os fiéis e os sacerdotes da FSSPX, em todo o mundo, estão preocupados em se opor a esta situação com meios proporcionais. Para encorajar tal estado de espírito, ajudando a lutar principalmente em um nível sobrenatural, o Superior Geral decidiu lançar uma Cruzada de Orações, apoiada pela recitação do Rosário.

É uma cruzada tanto pela Missa quanto pelas vocações. Assim, ao mesmo tempo que responde à necessidade presente, esta cruzada responde ao próprio objetivo da Fraternidade, permitindo manter nossa preocupação com as vocações e nosso apego à Missa. (DICI)

************************

Clique aqui para saber mais sobre essa Cruzada e como se juntar a nós nessas orações.

TEMPO, UM PRESENTE DE DEUS

RELOGIOFonte: La Porte Latine – Tradução: Dominus Est

Enquanto Deus parece nos dar mais tempo, peçamos ao Espírito Santo que nos ajude a usar sabiamente os dias desse novo ano, segundo o conselho de São Paulo: “Façamos o bem enquanto temos tempo” (Gal 6, 10). A vida na terra prepara para a eternidade. Longe de desperdiçar nosso tempo, é importante que façamos bom uso dele para crescer em Cristo.

Dois olhares no tempo

As Sagradas Escrituras dissertam com lucidez sobre a brevidade da vida. O homem apenas passa pela terra, onde as provas o aguardam. “O homem nascido de mulher vive pouco tempo e está cheio de misérias. Como uma flor nasce e é logo cortada e foge como uma sombra e jamais permanece num mesmo estado” (Jó 14, 1-2).

Na realidade, como explica Bossuet, o tempo pode ser considerado de duas maneiras [1] . Em si mesmo, o tempo “não é nada, porque não tem forma nem substância “. Ele “desvanece em um movimento sempre progressivo, que nunca regride“. Ele não faz nada além de “passar” e ” perecer “. Mas se o homem prende ao tempo “algo mais imutável do que ele mesmo “, então esse tempo se torna “uma passagem para a eternidade que permanece “.

Além disso, continua o Bispo de Meaux, um “homem que teria envelhecido nas vaidades da terra ” não viveu realmente, porque “todos os seus anos foram perdidos“. Mas uma vida cheia de boas obras, por mais curta que seja, é eternamente benéfica. A riqueza de uma vida é medida não por sua longevidade, mas pelo valor de suas ações. A Igreja que honra a virtude do velho Simeão celebra também o martírio dos santos inocentes.

O tempo é precioso, conclui Bourdaloue, porque “é o preço da eternidade”. A salvação depende do tempo. Além disso, “não é somente para nós, mas ainda mais para Ele mesmo e para Sua glória, que Deus nos deu o tempo. Ele quer que o usemos para servi-lo e glorificá-lo” [2] . Continuar lendo

FESTA DO SANTÍSSIMO NOME DE JESUS

8 maneiras de honrar o Santíssimo Nome de Jesus em janeiroVocatum est nomen eius Jesus, quod vocatum est ab Angelo, priusquam in utero conciperetur – “Foi-lhe posto o nome de Jesus, como o havia chamado o Anjo, antes de concebido” (Lc 2, 21)

Sumário. O divino Nome de Jesus é comparado pelo Espírito Santo com azeite, porque, assim como o azeite dá luz, alimenta e cura, assim o Nome de Jesus é luz para o espírito, alimento para o coração, medicina para a alma. Felizes de nós se formos sempre devotos deste grande Nome, e, juntamente com os de Maria e José, o tivermos frequentes vezes nos lábios, especialmente no tempo das tentações! Quem jamais se perdeu tendo invocado estes santíssimos Nomes na tentação?

********************************

O Nome de Jesus é um nome divino, anunciado a Maria da parte de Deus por São Gabriel:

Et vocabis nomen eius Jesum (1) – “Pôr-lhe-ás o nome de Jesus”

Por isso foi chamado nome acima de todo outro nome (2), no qual só se acha a salvação: in quo oportet nos salvos fieri (3). – Este grande nome é comparado pelo Espírito Santo com azeite:

Oleum effusum nomen tuum (4) – “O teu nome é como azeite derramado”

E com razão, diz São Bernardo; pois, assim o nome de Jesus é luz para o espírito, alimento para o coração e medicina para a alma.

É luz para o espírito. Com este nome converteu-se o mundo das trevas da idolatria para a luz da fé. Nós que nascemos em regiões onde antes da vinda de Cristo todos os nossos antepassados eram pagãos, todos nós o seríamos igualmente se o Messias não tivesse vindo para nos iluminar. Como devemos, portanto, agradecer a Jesus Cristo o dom da fé! O que seria de nós, se tivéssemos nascido na Ásia ou na África, entre os idólatras?

“Quem não crer, será condenado” – Qui non crediret, condemnabitur (5)

E assim, segundo todas as possibilidades, nós também havíamos de nos perder.

Em segundo lugar, o nome de Jesus é um alimento, que nutre os nossos corações. E de fato, porque este nome nos recorda o que Jesus tem feito para a nossa salvação. Por isso este nome nos consola nas tribulações, fortalece-nos para seguirmos o caminho da salvação, anima-nos nas desconfianças, e abrasa-nos em amor pela recordação de que o nosso Redentor tem padecido para nos salvar. Continuar lendo