OS “GUARDIÕES DA TRADIÇÃO” E A “ALEGRIA DO AMOR”

Em 2016, o Papa Francisco publicou a Exortação pós-sinodal Amoris lætitia na qual concedeu – caso a caso – o acesso à comunhão eucarística aos divorciados “recasados”, que não têm direito a ela segundo a imutável moral  da Igreja Católica.

Fonte: DICI – Tradução: Dominus Est

Em 2021, ele [Papa Francisco] publicou o Motu proprio Traditionis custodes, cujas condições draconianas visam restringir, ao máximo, o direito dos fiéis à Missa de sempre, na esperança de que um dia esse direito seja extinto por completo.

De um lado, existe um pseudo-direito à comunhão garantido pela “misericórdia pastoral”; de outro, um verdadeiro direito à Missa de sempre, reduzida e praticamente negada em nome da “unidade da Igreja“, comprometida pela falta de submissão ao magistério conciliar cuja Nova Missa afirma pertencer.

De um lado, uma extrema solicitude para com as “periferias da Igreja”; de outro, uma severidade absoluta em relação aos que estão ligados ao Santo Sacrifício da Missa, e que, seguindo os cardeais Ottaviani e Bacci – em seu Breve exame crítico do Novus Ordo Missæ (1969) – afirmam que a Missa de Paulo VI “representa, tanto em seu todo como nos detalhes, um impressionante afastamento da teologia católica da santa missa, conforme formulada na Sessão XXII do Concílio de Trento. Os “Canones” do rito, definitivamente fixados naquele tempo, proporcionavam uma intransponível barreira contra qualquer heresia dirigida contra a integridade do Mistério”. Continuar lendo

ONDE COMEÇA A CIDADE CATÓLICA?

Cidade

“Noblesse oblige”, dizemos. Mas a quê? A uma coerência entre o que dizemos e o que fazemos.

Fonte: La Porte Latine – Tradução: Dominus Est

A Cidade Católica é uma sociedade cujas instituições não vão contra os preceitos de Deus, uma cidade cuja lei não é contra a fé. Famílias e escolas, oficinas e escritórios, hospitais e tribunais constituem essa cristandade temporal que nos prepara para obter a bem-aventurança eterna. É a cidade terrestre que nos prepara para a cidade celestial. Mas o padre Calmel nos avisa:

Só podemos falar proveitosamente do Cristianismo para aqueles que estão dispostos a admitir que as atuais instituições, pelo menos alguma delas, representam uma antessala mais ou menos climatizada do Inferno, porque são instituições contrárias à lei natural. Legitimam, autorizam, encobrem com sua autoridade atos e atitudes que são uma ofensa ao Criador e Redentor da natureza humana. Considerando que uma cidade que merece o nome de cristã, uma cristandade, deve estar em conformidade com a lei natural, digna de Deus e digna do homem, inspirada pelos ensinamentos da Igreja, e permitindo que o homem conquiste o céu.

(Escola Cristã Renovada, cap. XXVII, “A cristandade deve continuar”, Téqui, pág.166)

É por isso que a Cidade Católica começa dentro nós: com a consciência lúcida desta “antessala mais ou menos climatizada do Inferno”, acompanhada de resoluções práticas para “ganhar o Paraíso”. A luta pelas instituições cristãs começa em cada um de nós, com humildade, mas com eficácia.

É sobre isso que cantamos:

Queremos Deus na família,
Na alma dos nossos queridos filhos …

Queremos Deus! Sua santa imagem deve presidir aos julgamentos;
Queremo-lo no matrimônio
Como à beira de nossa morte …

Queremos Deus! nossa pátria
Deve ser colocado em primeiro lugar…

A questão é saber se este é apenas um hino, uma canção piedosa cujas palavras desaparecem ou são um roteiro cujos passos são seguidos fielmente, dia após dia.

“Noblesse oblige”, dizemos. Mas a quê? A uma coerência entre o que dizemos e o que fazemos. É esta coerência que transforma as nossas provações diárias em provas de amor a Deus e às almas.

Pe. Alain Lorans, FSSPX

Famille d’abord, Carta do Movimento da Família Católica n° 45 – junho de 2021

COM QUE SONHA O PAPA?

Fonte: DICI – Tradução: Dominus Est

Em sua exortação pós-sinodal Querida Amazônia, publicada em 12 de fevereiro de 2020, o Papa Francisco expõe seus sonhos. Ele tem quatro: um “sonho social”, um “sonho cultural“, um “sonho ecológico” e até um “sonho eclesial“. Pensávamos que o papa não estava no trono de Pedro para sonhar, mas para “confirmar seus irmãos na fé” (cf. Lc 22, 32); estávamos errados? Acreditávamos que “os devaneios do caminhante solitário” eram reservados para Jean-Jacques Rousseau, que os discípulos de Cristo não deveriam cochilar ou adormecer, mas vigiar e orar (Mt 26, 41); estávamos errados?

Francisco sonha, mas com o que ele sonha? Ele nos diz: “Sonho com comunidades cristãs capazes de se doar e se encarnar na Amazônia, a ponto de dar à Igreja novos rostos com características amazônicas.” Uma igreja diversificada e multicolorida, não monocromática e monótona.

Este é um sonho premonitório? Pelo contrário, é uma reminiscência. O jesuíta Jorge Mario Bergoglio lembra do testamento do jesuíta progressista Carlo Maria Martini. De fato, o último livro do cardeal-arcebispo de Milão se intitula O sonho de Jerusalém (DDB, 2009), que trata de conversas que ele teve com o Pe. Georg Sporschill s.j.. Ele as apresenta da seguinte forma: “Durante essas entrevistas, nos permitimos sonhar em voz alta. Sabemos que durante a noite as ideias nascem mais facilmente do que na luz do dia.” O livro milita “por uma Igreja audaciosa” (p.11) e “por uma Igreja aberta“(p.157).

Francisco, um discípulo fiel, esforça-se por realizar o sonho do cardeal Martini que declarou em seu livro: “O Vaticano II enfrentou corajosamente os problemas de nosso tempo. Ele iniciou o diálogo com o mundo moderno tal como ele é, sem se fechar friamente em si mesmo. E, acima de tudo, o Concílio detectou onde existiam numerosas forças positivas no mundo que avançam com o mesmo objetivo de nossa Igreja, ou seja, o de ajudar os homens, além de buscar e adorar o Deus único.” (P.162)

De fato, o irenismo conciliar é um onirismo. Diante da realidade da vertiginosa queda das vocações e da prática religiosa, esse sonho beatífico é uma mentira. Hoje, como ontem, São Paulo diz aos Romanos: “Hora est jam nos de somno surgere, agora é a hora de acordar.” (Rm 13,11)

Pe. Alain Lorans