MICROCEFALIA: O NOVO PRETEXTO PARA O ABORTO

(“Temos que conquistar nosso terreno centímetro por centímetro”)

Neste setor de abortos há uma corrente forte da qual participam muitos médicos, que acreditam no dogma de Hitler. O aborto deu a algumas pessoas grande poder sobre a vida e sobre a morte. Aguardamos o tempo em que a mãe terá o direito de matar o seu filho até algumas horas depois do parto normal. Quando a criança nasce a mãe deve ter a possibilidade de olhar bem para ela e ver se corresponde à sua expectativa e resolver se ela deve continuar vivendo. Isto é o ideal, o sonho, naturalmente. Mas ainda estamos muito longe do tempo em que a sociedade em seu conjunto aceite uma coisa destas. Temos que ir muito devagar.

Se se dissesse uma coisa destas logo no começo, quando entrou em vigor a Lei do Aborto, teria havido protestos, o público teria ficado horrorizado. Temos que conquistar nosso terreno centímetro por centímetro[1].

As palavras acima foram pronunciadas por um farmacêutico, dono de um consultório de teste de gravidez em Londres. Foram gravadas secretamente pelos jornalistas Michael Litchfield e Susan Kentish, que investigavam o que ocorria nas clínicas de aborto logo após a sua legalização na Inglaterra (o “Abortion Act”, de 1967). Esta foi uma das vezes em que os jornalistas se depararam com uma simpatia entre os praticantes do aborto e as ideias nazifascistas. Digna de nota é a frase: “Temos que conquistar nosso terreno centímetro por centímetro”.

No Brasil está acontecendo algo semelhante. Em abril de 2012, o Supremo Tribunal Federal julgou procedente o pedido da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental n. 54 (ADPF 54), deixando de considerar crime o aborto de crianças anencéfalas. Agora, com o surto do nascimento de crianças com o perímetro cefálico menor que 32 centímetros (microcefalia), fato este supostamente associado ao vírus zika, eis que aparece um grupo desejando pleitear na Suprema Corte o aborto de tais bebês de cabeça pequena[2]. E o advogado que defendeu a ignóbil causa do aborto de anencéfalos é hoje ministro do STF: Luís Roberto Barroso. Pode-se imaginar qual será o voto dele quanto à morte dos portadores de microcefalia… Continuar lendo

“CADA DIA COM NOSSAS FILHAS É UM PRESENTE”, DIZ MÃE DE DUAS MENINAS COM MICROCEFALIA

NinasMicrocefalia_FacebookGwenPohlenzHartley_100216Fonte: ACI

Gwen Hartley é mãe de três crianças, duas das quais – Claire e Lola – têm microcefalia. Apesar de reconhecer que o dia a dia é complicado e difícil, assegura que cada um de seus filhos é “uma bênção”. Não existe nenhum motivo para que fiquem com pena da sua família. “Há momentos difíceis, mas nunca duram muito porque temos muito mais motivos para estar felizes. Cada dia com nossas filhas é um presente e cada dia rezo para que estejam conosco mais tempo”.

Seu primeiro filho, Carl – que atualmente tem 17 anos –, nasceu sem complicações. Durante a gestação de sua segunda filha, Claire, todas as ultrassonografias mostravam resultados normais. Entretanto, quando nasceu, Gwen ficou surpreendida pois a sua cabeça era muito pequena. Embora o médico não tivesse um diagnóstico, disse aos pais que “algo estava mal”.

Depois de um tempo especialmente difícil no qual não sabiam o que acontecia com Claire, finalmente foi diagnosticada com microcefalia, tetraplegia espasmódica, paralisia cerebral, epilepsia e deficiência visual cortical.

O médico também lhes advertiu que havia 25 por cento de possibilidades de que se tivessem outro filho este poderia nascer com as mesmas doenças. Continuar lendo

UMA ANTIGA ATIVISTA DO “FEMEN” CONTRA O ABORTO

sara-winter-fbFonte: DICI – Tradução: Dominus Est 

A ativista feminista brasileira, Sara Winter (centro da foto), se arrependeu publicamente por ter se comprometido durante anos pela luta em favor do aborto.

“Eu cometi um erro enorme“, é o que declarou em dezembro de 2015 em sua página de Facebook, segundo relata a agência de informações americana Catholic News Agency (CNA), em um artigo publicado em 6 de janeiro.

A jovem era então conhecida como uma das fundadoras da filial brasileira do Femen, um grupo feminista radical onde um dos meios de ação, entre outros é de mostrar seios nus, particularmente em igrejas (veja DICI n°272 du 15/03/13). Hoje, se tornou “um emblema do ativismo homossexual e anti-cristão”, segundo a Wikipedia, e incentiva as feministas a “inspirar-se em religiosas” pois “protegem as vítimas de estupro ou jovens que estão esperando um filho, aquelas que se encontram em situações perigosas, oferecendo-lhes um teto e todo tipo de assistência “.

Sara Winter indica que o nascimento de seu filho mudou sua visão de mundo. “Peço perdão do fundo do coração (…) Na verdade, me faltava amor – o que mudou quando me tornei mãe -, um amor que me veio depois de uma profunda reflexão sobre o feminismo militante atual.” Um movimento pró-aborto que ela descreve como sendo dirigido por “homens ricos, motivados pela redução da população do país” e na qual “orgias, abuso de álcool, drogas e escândalos” são práticas comuns.

DONA DE CLÍNICA DE ABORTOS SUGERE QUEIMAR CORPOS DE BEBÊS PARA PRODUZIR ENERGIA

bebeFonte: ACI

Durante um evento da Federação Nacional do Aborto, filmado através de uma câmera escondida pelo Center for Medical Progress (CMP) como parte de sua investigação da Planned Parenthood, a proprietária de uma rede de clínicas abortistas em Michigan (Estados Unidos) assinalou que é uma “grande ideia” queimar corpos de bebês abortados para produzir energia.

Renee Chelian, proprietária da rede de clínicas abortistas Northland Family Planning, assinalou que diante das dificuldades para desfazer-se dos corpos de bebês abortados, uma alternativa seria queimá-los, embora tivessem que enfrentar um “pesadelo de relações públicas”.

De acordo a Bloomberg, as clínicas de Northland Family Planning faturaram em 2012 cerca de 3,5 milhões de dólares.

O vídeo no qual aparecem as declarações de Chelian foi um dos 11 vídeos não publicados pelo CMP e filtrados recentemente pela página GotNews.com. Continuar lendo

VÂNDALAS ABORTISTAS PICHAM A CATEDRAL DA SÉ, EM SÃO PAULO

Organizadora de protesto se isenta de culpa, mas “se solidariza” com as vândalas: “Igreja é instrumento do patriarcado”

catedral-da-sc3a9-pichada-por-abortistas-foto-cris-faga-folhapressFonte: Aleteia

Na véspera do chamado “Dia das Bruxas”, 3.000 manifestantes pró-aborto fizeram um protesto em São Paulo contra o projeto de lei 5.069/2013, de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que pretende restringir o acesso ao aborto legal nos casos de estupro.

O protesto terminou em vandalismo: a catedral da Sé, no centro de São Paulo, foi pichada por abortistas com seus clichês costumeiros: “Se o papa fosse mulher, o aborto seria legal“, “Tire seus rosários dos meus ovários” e outros indícios similares de falta de argumentos.

A arquidiocese de São Paulo divulgou nota: Continuar lendo

SACERDOTE: DEPOIS DE SER ABUSADA, MINHA MÃE NÃO ABORTOU, PERDOEI E CONFESSEI O MEU PAI

pppadreluisFonte: ACI/EWTN Noticias

“Eu poderia estar em uma lata de lixo, mas me deram a vida”, afirma o sacerdote Luis Alfredo León Armijos, de Loja (Equador) quem aos seus 41 anos compartilha sua história. O seu nascimento foi fruto de um estupro quando sua mãe tinha apenas 13 anos. O presbítero também conta como conheceu e perdoou o seu pai a quem confessou e que agora leva uma vida de fé.

Em diálogo telefônico com o grupo ACI em 6 de fevereiro, o sacerdote diocesano e pároco da Paróquia São José em Loja, relatou que sua mãe, María Eugenia Armijos Romero, quando ainda era menor, cuidava e limpava uma casa em Loja para ajudar os seus pais e seus sete irmãos: “o dono da casa aproveitando que estava sozinho, abusou dela deixando-a grávida”.

Apesar do rechaço de sua família que “não queria que o bebê nascesse e por isso batiam na sua barriga e davam-lhe algumas bebidas para que abortasse”, María sempre defendeu a vida de seu filho e ao ver-se sozinha e sem apoio “orou e sentiu em seu coração que o Senhor lhe dizia: defende essa criança que está em ti”, contou o Pe. León. Continuar lendo

ELE FOI CONCEBIDO EM UM ESTUPRO E HOJE É UM SACERDOTE

alfar-antonioUma história incrível sobre como “Deus escreve certo por linhas tortas”

Fonte: Aleteia

“Minha mãe se sente orgulhosa de ter defendido a vida.”

Quando repetiu estas palavras, o Pe. Antonio Vélez Alfar tinha lágrimas nos olhos. Porque estas palavras o faziam viajar no tempo – mais precisamente, à dramática história da sua mãe, que há alguns anos lhe contou que ele havia sido concebido em umestupro (tropeaedintorni.it, 10 de setembro).

Uma mulher de fé

O sacerdote colombiano, pároco na província de Chubut (Argentina), decidiu dar seu testemunho depois de uma sentença na Suprema Corte de Justiça argentina, que declarou o aborto não punível nestes casos.

“Minha mãe – disse o sacerdote – era uma mulher de grande fé, devota e praticante. Ela dizia que, apesar das circunstâncias terríveis, carregava em seu ventre o milagre de uma nova vida, uma vida que Deus lhe havia dado e que, pelas suas convicções, não poderia abortar. E que, se Deus havia permitido isso, tinha que haver um sentido” (caminocatolico.org).

Estuprada por colegas de trabalho

A mãe do Pe. Antonio foi estuprada aos 27 anos, por vários colegas de trabalho, que montaram uma armadilha durante uma festa, a drogaram e abusaram dela repetidamente. Na dor de não saber quem era o pai, a mulher foi obrigada pela sua família a casar-se com um viúvo, que, depois de casar-se, a maltratava continuamente. Continuar lendo