APRENDA A PERDOAR

PERDNosso Senhor nos deixou o preceito de perdoar nossos inimigos. Mas a importância do insulto ou da incômoda memória que dele guardamos muitas vezes nos bloqueia: medo de ser considerado ingênuo, sentir-se incapaz de dar seu perdão. Como aprender a perdoar?

Fonte: La Porte Latine – Tradução: Dominus Est

São Paulo, repetidas vezes, convida o cristão a se “revestir de sentimentos de misericórdia, de benignidade, de humildade, de mansidão, de paciência,” (Col. 3, 12). Essas virtudes, por sua dimensão social, geram paz nas famílias, paz nas comunidades. Com efeito, São Paulo conclui: “Triunfe em vossos corações a paz de Cristo, a qual fostes chamados, para (formar) um só corpo.” (Col. 3, 15). Mas, infelizmente, essa paz com os outros é sempre frágil aqui embaixo, muitas vezes ferida. Assim, São Paulo nos pede que “perdoando-vos mutuamente, se algum tem razão de queixa contra o outro.” (Col. 3, 13). Este ponto é tão importante quanto delicado. 

“Algumas pessoas ficam anos com o coração fechado por feridas e rancores. Como se apresentarão diante de Deus?”

É importante, porque do perdão que concedemos aos outros depende do perdão que Deus nos concede. É o Pai Nosso: “Perdoai as nossas dívidas assim como perdoamos os nossos devedores”. Recuperar a paz com Deus, a paz profunda da alma, não é possível enquanto não tivermos, por mais que dependa de nós, recuperado a paz com os nossos irmãos (cf. Rom 12,18). E alguns, infelizmente, permanecem anos com o coração fechado, fechado por feridas e ressentimentos. Pior ainda, alguns morrem sem terem se reconciliado. Como eles se apresentarão diante de Deus? Lá não haverá mais fingimento, nem poderemos mais dizer a Deus, com mais ou menos hipocrisia: “Perdoai as nossas dívidas assim como perdoamos os nossos devedores” (Mt 6,12). A medida do perdão que não demos será a medida do perdão que não receberemos! Este ponto de perdão é, portanto, importante. Continuar lendo

COMUNICADO DO PRIOR DA FSSPX EM NICE (FRANÇA) SOBRE O ATAQUE ISLAMITA NA CIDADE

Fonte: Medias-Catholique.info – Tradução: Dominus Est

Prezados fiéis,

Assim como eu, os senhores souberam, nesta manhã, da terrível notícia do atentado que abalou nossa cidade. Evidentemente, nossa oração vai, primeiramente, às vítimas e as seus familiares, mas talvez ainda mais ao nosso país.

Foi-nos dito que o culpado foi neutralizado. Não tenho tanta certeza disto. Certamente, o terrorista imbuído do islã foi preso pelas Forças de Segurança. Mas, será esse realmente o único e último responsável do que aconteceu hoje de manhã.

O Sr. Macron, como porta-voz da nossa República laica e maçônica, reivindicou a nosso país o “direito à blasfêmia”: não tem ele uma enorme responsabilidade no que acaba de acontecer?

É claro que não reconheço direito nenhum em respeito a Maomé, e muito menos um respeito sagrado. No dia em que o Islã celebrava o nascimento do seu “profeta”, este terrorista não fez mais do que imitar as práticas muitas vezes bárbaras deste chefe de guerra do qual ele afirma ser, assim como a história suficientemente indica. E da mesma maneira que não posso respeitar o ato deste terrorista, assim também não posso respeitar Maomé, falecido com semelhantes crimes em sua consciência. Porém, não podemos deixar de dizer que, os nossos concidadãos que, por desgraça, ainda não descobriram a beleza e a verdade do Cristianismo, merecem um mínimo de respeito. Insultá-los não é ajudá-los.

Mais ainda do que os seus concidadãos, é o próprio Deus que o Sr. Macron insulta. No seu orgulho incomensurável, afirma ser superior ao seu Criador, a ponto de reinvidicar o direito de desprezá-Lo, de insultá-Lo. Ao afirmar repetidamente que não há lei nenhuma acima da República, o nosso Presidente não faz outra coisa além de divinizá-la: constituí-la como o princípio último do bem e do mal. Eis-nos de volta aos dias dos impérios pagãos, cujo príncipe afirmava encarnar a Onipotência. É a chamada ditadura. Continuar lendo

OS LIMBOS, VÍTIMAS DA NOVA TEOLOGIA DA SALVAÇÃO UNIVERSAL

Rev. Pe. Patrick de La Rocque, FSSPX

Sumário

I – LEMBRANÇAS DA DOUTRINA CATÓLICA

– Ensinamento da Igreja sobre o pecado original

– O ensinamento da Igreja sobre a necessidade do Batismo

– Situação das crianças mortas sem Batismo

II – DOCUMENTO DA COMISSÃO TEOLÓGICA INTERNACIONAL

– Pressuposto fundamental: falsa concepção da Redenção universal.

– O pecado original esquecido

– O Magistério e a Tradição relativizados

– A Bíblia reinterpretada

– Hierarquia das verdades e mudança de perspectiva

– Um antigo “lugar-comum”: «perscrutar os sinais dos tempos»

– Proposições pelo menos inventivas

CONCLUSÃO

O Sr. Padre Patrick de La Rocque proferiu, recentemente, uma conferência sobre o documento da Comissão Teológica Internacional, «Esperança de Salvação para as Crianças Mortas sem Batismo». Eis a tradução e a transcrição.

Há uma dúzia de dias, os jornais traziam títulos: A Igreja Católica encerra os Limbos. Assim anunciavam um documento emanado da Comissão Teológica Internacional (CTI), precisamente sobre a questão dos limbos.

Comentando este documento em France Info, o Cardeal Poupard explicava: «O amor de misericórdia de Deus Salvador estende-se a todos, mesmo às crianças mortas sem batismo». Por seu lado, a agência romana de imprensaZenit, mantida pelos Legionários de Cristo, comentava: «Um documento de 41 páginas intitulado Esperança de Salvação para as Crianças Mortas sem Batismo, preparado pela Comissão Teológica Internacional e aprovado por Bento XVI, confirma que as crianças que morrem sem batismo estão destinadas ao Paraíso». Continuar lendo