COMUNICADO DO PRIOR DA FSSPX EM NICE (FRANÇA) SOBRE O ATAQUE ISLAMITA NA CIDADE

Fonte: Medias-Catholique.info – Tradução: Dominus Est

Prezados fiéis,

Assim como eu, os senhores souberam, nesta manhã, da terrível notícia do atentado que abalou nossa cidade. Evidentemente, nossa oração vai, primeiramente, às vítimas e as seus familiares, mas talvez ainda mais ao nosso país.

Foi-nos dito que o culpado foi neutralizado. Não tenho tanta certeza disto. Certamente, o terrorista imbuído do islã foi preso pelas Forças de Segurança. Mas, será esse realmente o único e último responsável do que aconteceu hoje de manhã.

O Sr. Macron, como porta-voz da nossa República laica e maçônica, reivindicou a nosso país o “direito à blasfêmia”: não tem ele uma enorme responsabilidade no que acaba de acontecer?

É claro que não reconheço direito nenhum em respeito a Maomé, e muito menos um respeito sagrado. No dia em que o Islã celebrava o nascimento do seu “profeta”, este terrorista não fez mais do que imitar as práticas muitas vezes bárbaras deste chefe de guerra do qual ele afirma ser, assim como a história suficientemente indica. E da mesma maneira que não posso respeitar o ato deste terrorista, assim também não posso respeitar Maomé, falecido com semelhantes crimes em sua consciência. Porém, não podemos deixar de dizer que, os nossos concidadãos que, por desgraça, ainda não descobriram a beleza e a verdade do Cristianismo, merecem um mínimo de respeito. Insultá-los não é ajudá-los.

Mais ainda do que os seus concidadãos, é o próprio Deus que o Sr. Macron insulta. No seu orgulho incomensurável, afirma ser superior ao seu Criador, a ponto de reinvidicar o direito de desprezá-Lo, de insultá-Lo. Ao afirmar repetidamente que não há lei nenhuma acima da República, o nosso Presidente não faz outra coisa além de divinizá-la: constituí-la como o princípio último do bem e do mal. Eis-nos de volta aos dias dos impérios pagãos, cujo príncipe afirmava encarnar a Onipotência. É a chamada ditadura. Continuar lendo

O APOSTOLADO DA FSSPX E O “ESTADO DE NECESSIDADE”

il buon smaritano cura l'uomo malmenato dai brigantiFonte: FSSPX Itália – Tradução: Dominus Est

Por que os sacerdotes da Fraternidade São Pio X exercem um apostolado, mesmo não tendo uma estrutura canônica “oficial”? Neste artigo o autor demonstra como a atual situação “extraordinária” que se instalou na Igreja há quarenta anos torna necessário o recurso às “normas extraordinárias”, previstas no Código de Direito Canônico, e que não apenas justificam, mas impõem a esses sacerdotes um apostolado em favor das almas, cuja salvação é a lei suprema.

“Dirigindo-se depois a eles, disse:

Quem de entre vós que, se o seu filho ou o seu boi

cair num poço, o não tirará logo

ainda que seja em dia de sábado? (Lc 14,5)

Mesmo após o levantamento das ditas excomunhões, o ministério dos sacerdotes da Fraternidade São Pio X continua a ser definido como ilegítimo, porque não se enquadra em uma forma canônica. Na verdade, esses padres realizam confissões e administram os sacramentos como se fossem párocos, enquanto as autoridades ordinárias da Igreja não lhes tenha concedido qualquer título para exercer qualquer tipo de ministério.

Por isso, propomos neste texto examinar sob qual título os sacerdotes da Fraternidade continuam a exercer o seu apostolado e com base em que normas divinas e jurídicas. Na verdade, eles invocam, frequentemente, um “estado de necessidade”.

Mas o que é esse estado e quais faculdades jurídicas permitem seu exercício? O estado de necessidade é uma espécie de selva, de regressão a um estado pré-social, ou, em vez disso, uma situação extraordinária onde são aplicadas normas extraordinárias quando seria errôneo pretender aplicar literalmente as ordinárias? Existe, de direito e de fato, uma situação que torna impossível, inútil ou mesmo prejudicial a aplicação das leis positivas ordinárias e, ao invés disso, a exigência da aplicação de normas mais elevadas, certamente não arbitrárias, mas previstas pelo legislador e pela lei divina? Continuar lendo

61 JOVENS ENTRARAM NOS SEMINÁRIOS DA FSSPX EM 2020

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fonte: La Porte Latine – Tradução: Dominus Est

Cada vocação tem um valor infinito”, disse o Pe. Pagliarani, Superior Geral da FSSPX, durante a entrevista que concedeu à DICI em 11 de outubro de 2020. “Uma vocação é, inegavelmente, a graça mais preciosa que o Bom Deus pode fazer a uma alma e à sua Igreja ”, continuou.

É, portanto, com a maior alegria e uma imensa gratidão a Deus que os seminários da Fraternidade São Pio X acolheram, um após o outro, os numerosos jovens que vieram bater à sua porta, optando por renunciarem o mundo para se ligarem com toda a alma a Nosso Senhor Jesus Cristo.

Este ano, os números dessas entradas são muito animadores:

– no Seminário Santo Cura d’Ars, de Flavigny, na França: 21 seminaristas (15 franceses, 2 suíços, 1 belga, 1 inglês, 1 brasileiro, 1 espanhol) e 1 irmão postulante italiano;

– no Seminário do Sagrado Coração de Jesus ,em Zaitzkofen, na Alemanha: 11 seminaristas (5 alemães, 2 húngaros, 1 bielorrusso, 1 libano-canadense, 1 polonês, 1 suíço) e 1 irmão postulante polonês  ;

– no Seminário Santo Tomás de Aquino, em Dillwyn, nos Estados Unidos: 19 seminaristas no 1º ano (15 americanos, 1 francês, 1 alemão, 1 canadense, 1 irlandês) que receberam a batina em 7 de outubro, e 32 jovens no ano de Humanidades (28 americanos, 3 canadenses, 1 cingapuriano).

A essas entradas de outono, podemos adicionar aquelas que ocorreram no hemisfério sul em março passado:

– no Seminário Nossa Senhora Corredentora, em La Reja, na Argentina: 6 seminaristas no 1º ano (3 argentinos, 2 nicaragüenses, 1 mexicano) e 12 jovens no ano das humanidades (4 brasileiros, 4 mexicanos, 2 argentinos, 1 nicaraguense, 1 chileno), bem como 2 irmãos postulantes (1 argentino, 1 mexicano);

– no Seminário da Santa Cruz, de Goulburn, na Austrália: 4 seminaristas (2 australianos, 1 neozelandês, 1 filipino) e 1 irmão postulante da Nova Zelândia.

Isso, portanto, eleva a um total de 61 o número de seminaristas no primeiro ano neste ano de 2020, que marca o 50 aniversário da FSSPX.

Eram 47 em 2019, 65 em 2018, 53 em 2017, 57 em 2016 e 53 em 2015.

Um seminário é o lugar mais sagrado que se pode imaginar ou encontrar sobre a terra”, continuou o Superior Geral na entrevista citada acima. “O Espírito Santo continua a atuar ali, como no Cenáculo, para transformar as almas dos candidatos ao sacerdócio e fazer deles apóstolos.”

Devemos continuar a empenhar todos os nossos esforços para isso e a investir neles nossas energias morais e humanas. Tudo o que construirmos com base no sacerdócio de Nosso Senhor e para perpetuar Seu sacerdócio, permanecerá para a eternidade.”

Que Nossa Senhora das vocações conceda a estes jovens todas as graças necessárias à sua perseverança. E peçamos a Ela que suscite sempre mais vocações para as necessidades da sua Igreja.

**************************

“Senhor, dai-nos sacerdotes,

Senhor, dai-nos santos sacerdotes,

Senhor, dai-nos muitos santos sacerdotes,

Senhor, dai-nos muitas santas vocações religiosas,

Senhor, dai-nos famílias católicas, 

São Pio X, rogai por nós”

EU NÃO QUERO, NA HORA DE MINHA MORTE…

Pale Ideas - Tradição Católica!: Dom Marcel Lefebvre fala

“Se minha obra é de Deus, Ele saberá mantê-la e fazê-la servir ao bem da Igreja. Nosso Senhor no-lo prometeu: as portas do inferno não prevalecerão contra ela.

É por isso que eu me obstino, e se quereis conhecer a razão profunda desta obstinação, ei-la. Eu não quero, na hora de minha morte, quando Nosso Senhor me perguntar: “Que fizeste de teu episcopado, da tua graça episcopal e sacerdotal?” ouvir de sua boca estas palavras terríveis: “Tu contribuíste para destruir a Igreja com os outros.”

D. Marcel Lefebvre

 

ENTREVISTA COM O SUPERIOR GERAL DA FSSPX: “OS ACONTECIMENTOS TRAZEM À LUZ A PERSPICÁCIA EXCEPCIONAL DO NOSSO FUNDADOR.”

Entrevista com o Padre Pagliarani, Superior da Fraternidade Sacerdotal São  Pio X - Seminário Nossa Senhora Corredentora - AR

OS CINQUENTA ANOS DA FSSPX

«Reavivar nosso ideal de fidelidade naquilo que recebemos.»

  1. DICI: O que representa, para a Tradição, o cinquentenário da FSSPX?

Em primeiro lugar, o jubileu é a ocasião para agradecer à Providência por tudo o que ela nos concedeu durante esses cinquenta anos, porque uma obra que não fosse de Deus não teria resistido ao desgaste do tempo. Devemos atribuir tudo isso primeiramente a Deus.

Acima de tudo, o jubileu é ocasião de reavivar nosso ideal de fidelidade naquilo que recebemos. Com efeito, após tantos anos, pode surgir um compreensível cansaço. Esse dia, portanto, deve reanimar nosso fervor no combate pelo estabelecimento do reinado de Cristo Rei, para que Ele reine primeiro em nossas almas e depois a nosso redor. É esse ponto em especial que merece nossa atenção, seguindo Dom Lefebvre.

  1. DICI: Por que, segundo o senhor, a herança de Mons. Lefebvre pode ser resumida nessa vontade de estabelecer o reinado de Cristo Rei?

A resposta me parece muito simples: é o amor a Cristo Rei que fez de Mons. Lefebvre um santo prelado e um grande missionário, um homem que buscou apaixonadamente estender à sua volta o reino d’Aquele que reinava antes em sua alma – e é esse amor que o conduziu à denunciar com vigor tudo aquilo que lhe era oposto. Ora, para estender esse reino e combater seus inimigos, o meio principal é o Santo Sacrifício da Missa. A voz de Mons. Lefebvre tremulava de emoção quando ele pronunciava essas palavras da liturgia, que também resumem seu amor pela Missa e por Cristo Rei: «Regnavit a ligno Deus» (hino Vexilla Regis), Deus reina pelo madeiro da Cruz. Em uma carta escrita a um antigo confrade de sua congregação de origem, pouco antes de sua morte, Mons. Lefebvre fez questão de dizer que, durante toda sua vida, a única coisa pela qual trabalhou foi pelo reino de Nosso Senhor. Eis o que sintetiza tudo o que ele foi e tudo o que ele nos legou.

  1. DICI: No dia 24 de setembro, a seu pedido, o corpo de Mons. Lefebvre foi transferido para uma cripta na igreja do seminário de Ecône. Apesar da crise do coronavirus, muitos padres, seminaristas, religiosos e fiéis participaram da cerimônia. Como foi esse dia?

Na verdade, essa transferência foi determinada no último capítulo geral, em 2018, e estou muito feliz que ela tenha podido se concretizar dentro do período de dois anos. Ainda que pertença apenas à Igreja um dia canonizar Mons. Lefebvre, penso que ele já merece nossa veneração num local de sepultura digno de um santo bispo. Neste ano jubilar, esse gesto é a expressão da gratidão de todos os membros da FSSPX para aquele que a Providência suscitou como instrumento para salvaguardar a Tradição da Igreja, a fé, a santa Missa, e para nos legar todos esses tesouros. O fato de rever, após trinta anos, o caixão do nosso fundador, de ver nossos padres carregá-lo sobre seus ombros como no dia do seu funeral, foi algo especialmente comovente. Vi antigos confrades comovidos até às lágrimas. Continuar lendo

A PROPÓSITO DE SÃO VICENTE DE LÉRINS

São Vicente de Lérins, um grande pensador, teólogo e místico

Fonte: Courrier de Rome  n.º 308, Fevereiro de 2008 – Tradução: Dominus Est

Pe. Jean-Michel Gleize, FSSPX

Em obra recentemente publicada em março de 2007, o Padre Bernard Lucien dedica seis estudos à questão da autoridade do Magistério e da infalibilidade. O último desses estudos é o assunto de um capítulo 6 até então inédito, visto que os cinco estudos anteriores são uma reapresentação de artigos já publicados na revista Sedes sapientiae. Entre outras coisas, ele diz: «O que sustentamos aqui, e que diversos autores “tradicionalistas” negam, é que a infalibilidade do Magistério ordinário universal respalda a afirmação central de Dignitatis humanae, afirmação essa contida no primeiro parágrafo de DH, 2 e que aqui lembramos: “Este Concílio Vaticano declara que a pessoa humana tem direito à liberdade religiosa. Esta liberdade consiste no seguinte: todos os homens devem estar livres de coação, quer por parte dos indivíduos, quer dos grupos sociais ou qualquer autoridade humana; e de tal modo que, em matéria religiosa, ninguém seja forçado a agir contra a própria consciência, nem impedido de proceder segundo a mesma, em privado e em público, só ou associado com outros, dentro dos devidos limites. Declara, além disso, que o direito à liberdade religiosa se funda realmente na própria dignidade da pessoa humana, como a palavra revelada de Deus e a própria razão a dão a conhecer”»[1].

1) Liberdade religiosa: um ensinamento infalível do Magistério ordinário universal?

O Pe. Lucien afirma ali que o ensinamento do Concílio Vaticano II sobre a liberdade religiosa é um ensinamento infalível porque equivale a um ensinamento do Magistério ordinário universal.

Sabemos que o Papa pode exercer o Magistério de maneira infalível e que o faz ora sozinho ora junto dos bispos. Essa infalibilidade é uma propriedade que diz respeito precisamente a um certo exercício da autoridade. Pode-se assim distinguir três circunstâncias únicas nas quais a autoridade suprema goza de infalibilidade. Há o ato da pessoa física do Papa que fala sozinho ex cathedra; há o ato da pessoa moral do Concílio ecumênico, que é a reunião física do Papa e dos bispos; há o conjunto dos atos, unânimes e simultâneos, que emanam de todos os pastores da Igreja, o Papa e os bispos, porém dispersos e não mais reunidos. O ensinamento do Papa falando ex cathedra e aquele do Concílio ecumênico correspondem à infalibilidade do Magistério solene ou extraordinário, enquanto que o ensinamento unânime de todos os bispos dispersos, sob a autoridade do Papa, é o ensinamento do Magistério ordinário universal.

A questão do Magistério ordinário universal é abordada na constituição dogmática Dei Filius, do Concílio Vaticano I. Lá é dito que «deve-se crer com fé divina e católica todas aquelas coisas que estão contidas na Palavra de Deus, escrita ou transmitida por Tradição, e que a Igreja nos propõe, ou por definição solene, ou pelo magistério ordinário universal, a serem cridas como divinamente reveladas» (DS 3011). E na Encíclica Tuas libenter, de 21 de dezembro de 1862, o Papa Pio IX fala do «Magistério ordinário de toda a Igreja disseminada pelo orbe terrestre» (DS 2879). Na ocasião do Concílio Vaticano I, em um discurso proferido no dia 6 de abril de 1870[2], o representante oficial do Papa, Mons. Martin, dá a seguinte precisão acerca do texto de Dei Filius: «A palavra “universal” significa geralmente a mesma coisa que a palavra usada pelo Santo Padre na Encíclica Tuas libenter, a saber, o Magistério de toda a Igreja disseminada sobre a terra». Está claro, portanto, que o Magistério ordinário universal está em contraste com o Magistério do Concílio ecumênico assim como o Magistério do Papa e dos bispos dispersos está em contraste com o Magistério do Papa e dos bispos reunidos. Continuar lendo

A MAÇONARIA ASSUME A EDUCAÇÃO DOS JOVENS – PALAVRAS DE D. LEFEBVRE

Fonte: FSSPX México – Tradução: Dominus Est

Disse Leão XIII: “A seita dos maçons também tem como objetivo, com uma suma conspiração de vontades, arrebatar para si a educação dos jovens”.

Depois do divórcio, a seita agora apropria a educação dos jovens. É tão evidente que salta aos olhos. O progresso do laicismo no ensino nos países de todo o mundo são evidentes.

Organismos como a UNESCO, supostamente criados para difundir o ensino pelo mundo e lutar contra o analfabetismo, na verdade são administrados pela Maçonaria para difundir a educação laica e ateísta em todo o mundo com o pretexto falacioso de permitir que todos os homens tenham acesso à cultura.

Vimos isso muito bem em nossas missões. Nossos maiores problemas eram com as organizações da UNESCO, porque tinham muito dinheiro e colocavam escolas laicas em todos os lugares onde tínhamos escolas católicas, sendo que havia muitos lugares para colocá-las e que não havia escolas católicas. Mas não, as colocavam propositadamente perto das nossas para destruir a influência da Igreja Católica. Com o dinheiro que tinham era fácil e pagavam aos professores muito mais do que poderíamos pagar Continuar lendo

INÍCIO DO ANO LETIVO NO SEMINÁRIO DE FLAVIGNY, NA FRANÇA: 22 JOVENS NO PRIMEIRO ANO

fra

No sábado, 3 de outubro, o Seminário Santo Cura d’Ars de Flavigny,, acolheu os novos aspirantes ao sacerdócio, que farão sua formação em língua francesa. No final de um curso de seis anos de vida de oração e estudo, eles serão um dia ordenados sacerdotes para a eternidade – se Deus quiser. Um postulante também entrou no noviciado dos Irmãos.

Várias nacionalidades estão representadas entre os 22 jovens que entram em 2020

Para o seminário, em vista ao sacerdócio:

  • 15 franceses
  • 2 suíços
  • 1 belga
  • 1 inglês
  • 1 brasileiro
  • 1 espanhol

Para o noviciado dos Irmãos:

  • 1 italiano

ESPECIAIS DO BLOG: AS MAIS BELAS IGREJAS DA FSSPX

A FSSPX está presente em 37 países e visita regularmente outros 35. Em suas Missões, uma grande quantidade de Missas, sacramentos, catecismo e formações são oferecidos em casas, salas de hotel, escritórios, zonas rurais, garagens e até mesmo em cabanas de madeira ou sapê, dependendo do local do mundo, mas sempre de modo zeloso e digno.

Porém, em seu apostolado, a Fraternidade também tem a graça de manter várias capelas e lindíssimas igrejas (inclusive centenárias).

Colocamos abaixo os links das publicações que fizemos durante certo tempo, mostrando um pouco da riqueza arquitetônica e histórica de nossa Igreja, confiada à FSSPX.

VOCE MAGNA: AS VOZES DE FLAVIGNY

A cada ano letivo, o seminário Santo Cura d’Ars, em Flavigny, é preenchido com novos aspirantes ao sacerdócio que seguem um primeiro ano de espiritualidade antes de entrarem no seminário Ecône para os cinco anos seguintes.

O que é menos conhecido é que quase toda promoção (desses seminaristas) produz também um álbum de cantos, principalmente da polifonia.

Eis uma amostra:

O Pe. Gaud, diretor do seminário Santo Cura d’Ars, pelo site La Porte Latine, está oferecendo gratuitamente o álbum do ano de 2001-2002. 

Clique na imagem abaixo para acessar o link e ouvi-lo.

semin

Para adquirir o álbum 2017-2018 (valor de 12 Euros) complete o Formulário de Pedido (clique aqui) e envie a solicitação para: seminaire-stcuredars@orange.fr

GLÓRIA A SÃO MIGUEL

St. Michael the Archangel/Sancte Michael Archangele (Song) - YouTube

Pe. Xavier Beauvais, FSSPX

Nosso glorioso arcanjo recebeu do Senhor uma multidão de privilégios na Igreja triunfante. Seu amor pelos anjos o faz merecer o belo título de “Pai dos anjos ”, porque, segundo São Jerônimo, no céu, os anjos que cuidam de outros anjos, são chamados de pais dos anjos. O dever de um pai é alimentar seus filhos. O célebre arcanjo, zelando pela honra de Deus e da salvação dos anjos, alimentou-os com caridade, protegeu-os do veneno do orgulho.

É por isso que os anjos o reverenciam e o honram como seu pai. Ele os apoiou e os salvou da perdição. E como pai extremoso, ele os alertou para não se deixarem cegar pela idéia de uma revolta, e os confirmou na fidelidade a Deus. Ele pode lhes falar como São Paulo falava aos primeiros cristãos: “Eu vos gerei na fidelidade e reconhecimento para com o Criador, na firmeza, na fé aos mistérios revelados, na coragem de resistir à tentação de Lúcifer”.

A grandeza do glorioso São Miguel se manifesta também pelo fato dele ter sido no céu, o apóstolo dos anjos. Santo Tomás e São Boaventura pensam que os anjos de uma ordem superior instruem, iluminam e comunicam no céu as suas perfeições aos anjos de uma ordem inferior. Eles os instruem, ao lhes fazer conhecer o que que não conheciam; eles os iluminam ao lhes comunicar sua maneira mais perfeita de conhecer; eles se tornam mais perfeitos, ao tornar mais profundo seus conhecimentos. Assim como na Igreja há apóstolos, profetas e doutores para iluminar e para aperfeiçoar os fiéis, da mesma forma, há entre os anjos várias ordens para que os superiores sejam guia e luz para os inferiores. A nota particular de São Miguel é a de iluminar os anjos. Ele o fez quando Lúcifer quis conduzi-los ao pecado da revolta, tendo já havia conseguido convencer um grande número deles a atribuir a si próprios e não a Deus, a grandeza e a magnificência de suas naturezas, e a se julgarem capazes de desfrutar da bem-aventurança eterna sem o auxílio divino. Houve uma luta nos céus: Lúcifer de um lado, cheio de orgulho junto aos anjos rebeldes, desejando ser semelhante a Deus, seduzindo e liderando em seguida uma grande parte das tropas angelicais sob o estandarte da revolta, proferindo seu grito de guerra contra Deus, com o propósito de derrubar seu trono. São Miguel, por sua vez, chefiou os anjos e gritou: “Quem é como Deus?”, ou seja, quem é tão ousado a ponto de pretender se assemelhar a Deus?

São João chama este combate de “uma grande guerra”, grande pelo local onde ocorreu, pela qualidade dos combatentes, por seu número e motivo. Continuar lendo

AS MAIS BELAS IGREJAS DA FSSPX – PARTE 11 – IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA – FILIPINAS

A FSSPX está presente em 37 países e visita regularmente outros 35. Em suas Missões, uma grande quantidade de Missas, sacramentos, catecismo e formações são oferecidos em casas, salas de hotel, escritórios, zonas rurais, garagens e até mesmo em cabanas de madeira ou sapê, dependendo do local do mundo, mas sempre de modo zeloso e digno.

Porém, em seu apostolado, a Fraternidade também tem a graça de manter várias capelas e lindíssimas igrejas, inclusive centenárias.

No post de hoje veremos uma delas: a do Imaculado Coração de Maria, em Iloilo, nas Filipinas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Clique aqui e acompanhe o Especial “As mais belas igrejas da FSSPX”

QUANDO A ECOLOGIA SUBSTITUI A TEOLOGIA

Fonte: DICI – Tradução: Dominus Est

O “Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação” foi lançado pelo Papa Francisco em 2015, no espírito da Laudato si (24 de maio de 2015), sua encíclica “ambiental”, como a imprensa a descreve.

Este ano, o Dia pelo Cuidado da Criação inaugura o “Tempo da Criação”, um período de um mês – de 1 de setembro a 4 de outubro – e dedicado ao “Jubileu pela Terra”. 

Na mensagem que o Papa publicou no dia 1º de setembro, podemos ler – entre outras coisas – que devemos “reparar a harmonia original da Criação“, “equilibrar as relações humanas comprometidas“, exigir “justiça reparadora” dos países do Norte em relação aos países do Sul, porque – aos olhos de Francisco – os países ricos contraíram “uma enorme dívida ecológica, devido principalmente ao roubo de recursos e ao uso excessivo do espaço ambiental comum para a eliminação de resíduos. ” 

Em preparação para a cúpula do clima em Glasgow (Reino Unido), adiada para 2021 devido à pandemia, cada país é convidado pelo Papa “a adotar objetivos nacionais mais ambiciosos para a redução das emissões poluentes”. 

Para Francisco, trata-se de restaurar o equilíbrio climático e se unir para limitar o aumento da temperatura média ao patamar de 1,5 ° C, objetivo fixado pelo IPCC (Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas, em português)

Segundo o Papa, outra aposta capital é a preservação da biodiversidade, para salvaguardar 30% da Terra como habitat protegido antes de 2030. Segundo ele, a 15ª reunião da Convenção da ONU sobre diversidade biológica, em Kunming, na China – também adiada para 2021 – deve constituir uma verdadeira “reviravolta” para que a Terra volte a ser um lar onde a vida é “abundante”. Continuar lendo

ARRUINAR A FAMÍLIA ENFRAQUECE A BASE DA RELIGIÃO

Ruiner la famille sape la base de la religion • La Porte Latine

Fonte: La Porte Latine – Tradução: Dominus Est

A religião é absolutamente necessária. Não apenas porque devemos prestar a Deus o culto que lhe é devido, mas porque sem ela certamente corremos o risco de cair, senão no absurdo, pelo menos em uma decadência tal como o Apóstolo dos Gentios a descreveu no início da Epístola aos Romanos: “E, como não procuraram conhecer a Deus, Deus abandonou-os a um sentimento depravado, que os levou a fazer o que não convém”(*). E essa decadência tem por nome a modernidade, que nada mais é do que o abandono da religião. Este erro funesto tem uma consequência contra a qual, seja quem for, devemos reagir. 

A beleza de uma sociedade outrora cristã repousa na verdade baseada em uma relação com o Criador que imprimiu em todas as relações uma diversidade e uma harmonia que refletia a beleza divina. A desigualdade é o grande princípio no fundamento dessa harmonia. “A razão natural obriga o homem a submeter-se a um superior por causa dos seus limites, experimentados em si mesmos e em relação aos quais precisa ser ajudado e dirigido por um superior”. Eis o que afirma Santo Tomás, homem de bom senso e santo. Como não citar o Doutor angélico que se extasia, de sua maneira um tanto especulativa é verdade, diante da majestade divina: “Devemos reverenciar a Deus pela excelência que ele possui. Se essa perfeição é encontrada em certas criaturas, nunca é em condições de igualdade, mas de simples participação. A veneração com que cercamos Deus é, portanto, diferente daquela que atribuímos à excelência criada. Isso é religião, no caso dulia. Passando a expressar externamente nossos sentimentos internos de respeito, damos certas marcas de reverência às criaturas proeminentes.” Continuar lendo

LIVE – TRANSLADAÇÃO DO CORPO DE MONS. LEFEBVRE – 24/09 – 04:00H (HORÁRIO DE BRASÍLIA)

lef

Amanhã, 24 de setembro de 2020, o Seminário Internacional São Pio X, em Écône, na Suíça, celebra o Jubileu de Ouro de sua inauguração. Após a Missa Pontifical de Ação de Graças por estes 50 anos, rezada por Mons. Bernard Fellay, o corpo de Mons. Marcel Lefebvre será transferido da cripta do Seminário para a Cripta da Igreja do Imaculado Coração de Maria.

Assista as cerimônias aqui:

KYRIE, DA MISSA VIRI GALILÆI (PALESTRINA), CANTADO PELOS PADRES DO DISTRITO DA AMÉRICA DO SUL

O Pe. Núñez nos convida a participar da polifonia virtual que acontecerá em breve com os coros do Distrito (da América do Sul). “Deixamos este exemplo dado pelos padres do Distrito”, cantando o Kyrie da Missa Viri Galilæi, de Palestrina, “para que todos sejam incentivados a fazer sua polifonia, em cada Priorado, em cada Centro de Missa, em cada Capela. Esperamos a todos!

PODE-SE FALAR DE UMA “IGREJA CONCILIAR?”

Fonte: FSSPX Itália – Tradução: Dominus Est

Foi falado e ainda é falado. Com entusiasmo ou indignação. Alguns veem nela as vantagens de uma definição real, outros os inconvenientes de um exagero não menos real. Todos acreditam poder dar razões válidas para consagrar ou condenar o uso desta expressão. Os argumentos de ambas partes seguem direções opostas.

Nós, seguindo um método já experimentado, iremos expor, primeiramente,tais argumentos (I), depois voltaremos aos princípios e, a partir deles, tentaremos ver como as coisas realmente são (II). Finalmente, distinguiremos o que é verdadeiro e o que é falso nos vários argumentos apresentados, cuja oposição, na maioria das vezes, é apenas aparente.

PRÓS OU CONTRAS: A EXPRESSÃO “IGREJA CONCILIAR” PODE SER LEGITIMAMENTE USADA?

Primeiro argumento: Mons. Benelli utilizou a expressão Igreja conciliar para designar a Igreja pós Concílio Vaticano II[1]. Portanto, não apenas podemos, mas devemos falar de uma Igreja conciliar.

Segundo argumento: na “Declaração de 1974”, que representa a Carta Magna da FSSPX, D. Lefebvre contrapõe claramente a Roma católica de sempre com a Roma modernista[2]. Existem, portanto, duas Romas e também duas Igrejas: a Igreja Católica e a Igreja Conciliar. Consequentemente, pode-se falar de uma Igreja conciliar.

Terceiro argumento:D. Lefebvre, observando os fatos, afirma que as reformas do Concílio Vaticano II resultaram em “uma nova Igreja, uma Igreja liberal, uma Igreja reformada, semelhante à Igreja reformada de Lutero”[3]. E acrescenta que “estamos com dois mil anos de Igreja e não com doze anos de uma nova Igreja, uma Igreja conciliar” [4]. Disto tiramos a mesma conclusão do argumento anterior.

Quarto argumento: em uma conferência realizada em Ecône em setembro de 1988 [5], D. Lefebvre distingue entre a Igreja oficial e a Igreja Católica visível em suas notas. A primeira é fruto do Concílio, a segunda é a verdadeira Igreja. Existem, portanto, duas Igrejas: a Igreja Católica visível e a Igreja oficial conciliar. Mais um motivo para se falar de uma Igreja conciliar.

Se se responde que D. Lefebvre, quando fala da Igreja oficial, não se refere a uma Igreja propriamente dita, mas a uma corrente hostil dentro da Igreja, objeta-se – como um quinto argumento – que nessa mesma conferência D. Lefebvre precisa o seu pensamento, dizendo que é necessário sair desta Igreja oficial tal como se sai de uma Igreja propriamente dita: “Sair, portanto, da Igreja oficial? De certa forma, sim, certamente. Todo o livro de Madiran, L’Hérésie du XXe siècle, é a história da heresia dos Bispos. É necessário, portanto, afastar-se desses Bispos, se não quisermos perder a própria alma. Na verdade, não basta, porque a heresia instalou-se em Roma. Se os Bispos são hereges (mesmo sem usar esta palavra no sentido estrito e em todas as suas implicações canônicas), é em parte devido à influência de Roma”. A expressão Igreja conciliar é necessária para designar essa Igreja oficial.

Se se responde que D. Lefebvre quer simplesmente dizer que precisamos nos proteger da contaminação que assola a Igreja, objeta-se – como sexto argumento – que D. Lefebvre distingue, no entanto, a Igreja oficial conciliar da verdadeira Igreja visível. A Igreja conciliar oficial pode ser considerada visível até certo ponto de vista, exatamente como é visível a chamada “igreja” anglicana, espalhada por todo o território inglês. Mas a Igreja Católica não é uma sociedade visível como qualquer outra. Para Ela, a visibilidade consiste em suas notas [una, santa, católica e apostólica, N. do T.], que atestam sua origem divina e o caráter sobrenatural. A Igreja oficial conciliar não é visível, nem mais nem menos do que qualquer outra sociedade, e não apresenta, em absoluto, as notas da verdadeira Igreja. Portanto, pode-se falar de uma Igreja conciliar que, de fato,deve ser considerada como outra Igreja, distinta da Igreja Católica. Continuar lendo